Cinema com Rapadura

Críticas   sexta-feira, 15 de março de 2019

Operação Fronteira (Netflix, 2019): ética no campo de batalha

Novo longa original da Netflix discute sobre lealdade e ganância em meio a ótimas cenas de ação.

Não se engane pelo título – em “Operação Fronteira”, a divisa entre Paraguai, Brasil e Argentina é apenas um pretexto para o novo longa de ação original da Netflix. Tirando algumas placas direcionando para o nosso país e a oportunidade de ver Ben Affleck com uma lata de Brahma, não existem outras citações. Dirigido e roteirizado por J.C. Chandor (“O Ano Mais Violento”), a obra é produzida por Kathryn Bigelow e Mark Boal, responsáveis por “A Hora Mais Escura” e “Guerra ao Terror”.

O filme conta a história de um grupo de cinco ex-militares que tentam se adaptar novamente à vida após deixarem as operações em campo de batalha. Depois de tanto correr riscos pelos Estados Unidos, os mesmos não estão satisfeitos com o que recebem atualmente. Após conviverem com tanta violência, cada um se virou de um jeito para seguir em frente: William “Ironhead” Miller (Charlie Hunnam, de “Rei Arthur: A Lenda da Espada”) vive realizando palestras em pequenas cidades; seu irmão, Ben Miller (Garrett Hedlund, de “Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississippi”) virou um lutador de MMA; Tom “Redfly” Davis (Ben Affleck, de “Liga da Justiça”), fracassa diariamente no trabalho como corretor de imóveis.

Completam o grupo Francisco “Catfish” Morales (Pedro Pascal, de “Se a Rua Beale Falasse”), que perdeu sua licença de piloto após se envolver com drogas; e Santiago “Pope” Garcia (Oscar Isaac, de “No Portal da Eternidade”), que continuou atuando contra o narcotráfico na América do Sul. Pope é o responsável por recrutar o grupo novamente com uma proposta para matar o traficante Gabriel Martins Lorea (Reynaldo Gallegos, da série “S.W.A.T.”) e roubar seus US$ 75 milhões escondidos em uma casa protegida no meio da selva.

O roteiro do diretor, escrito em conjunto com Mark Boal, é corajoso por seguir um caminho fora do padrão, focando não só na ação, mas também na ética de cada personagem. O crime não é o principal mote da história; a dificuldade central é pensar em como transportar tanto dinheiro até uma área segura. O ritmo é mais lento do que os filmes de ação tradicionais, como “Os Mercenários”, que segue a mesma estrutura de formação de equipe e ação conjunta. Entre os personagens, apenas o quinteto é bem desenvolvido – tanto Lorea quanto Yovanna (Adria Arjona, de “Círculo de Fogo: A Revolta”), uma informante de Pope, têm pouquíssimo tempo de tela. O traficante é citado durante o filme inteiro como o causador de toda a crise na Tríplice Fronteira, mas sua presença vira apenas uma ameaça distante.

A dinâmica do grupo é natural pelos anos de convivência e o elenco consegue transparecer essa amizade com eficiência. Os personagens não buscam a violência, mas por meio dela criaram um propósito, afinal, atuar no campo de batalha é o principal talento destes homens. A moral dos atos de cada um é colocada em prova cena após cena, carregada apenas pela lealdade entre os integrantes. A ganância é outro tema invisível que permeia algumas questões ao longo da obra. Quanto vale a vida de uma pessoa? Vale a pena correr risco de vida em troca de segurança financeira? O maior interesse de Pope era encerrar a guerra do tráfico ou lucrar com isso?

Procurando responder todos estes temas, a história perde um pouco por ficar no meio do caminho entre a ação e a discussão ética. Entretanto, a coragem do diretor e um plot twist bem executado fazem toda a jornada de “Operação Fronteira” valer a pena.

Fábio Moura Rossini
@FabioRossinii

Compartilhe

Operação Fronteira (Netflix, 2019)

Triple Frontier - J.C. Chandor

A lealdade entre eles é colocada à prova quando cinco ex-militares se reúnem para roubar a fortuna de um chefão das drogas com consequências totalmente inesperadas.

Roteiro: Mark Boal, J. C. Chandor

Elenco: Ben Affleck, Oscar Isaac, Charlie Hunnam, Garrett Hedlund, Pedro Pascal, Adria Arjona, Louis Jeovanny, Juan Camilo Castillo, Reynaldo Gallegos, Maddy Wary, Amber Stone, Hilliard Joshua Meeks, Michael Benjamin Hernandez, Hakeemshady Mohamed, Jason Quinn, Carlos Linares, Pedro López, David Olmos, David Kanutta, Toneey Acevedo

Compartilhe