Notícias   sábado, 29 de abril de 2017

Death Note | Produtor responde as críticas sobre o embranquecimento da obra

Roy Lee também produziu as adaptações dos filmes asiáticos O Chamado, O Grito e Os Infiltrados.

Death Note | Produtor responde as críticas sobre o embranquecimento da obra

O produtor Roy Lee (“Lego Batman: O Filme”), que está por trás da adaptação para Netflix do mangá de sucesso “Death Note”, teve a oportunidade de expressar seus sentimentos sobre a chuva de críticas que o filme recebeu por usar um elenco branco e americano em uma obra que faz parte da cultura japonesa.

Tudo começou quando a Netflix revelou o trailer de “Death Note”, em março desse ano, com o ator Nat Wolff (“A Culpa É das Estrelas”) no papel do personagem principal. Logo surgiu uma petição online – que tem hoje mais de 16 mil pessoas apoiando – pedindo um boicote ao filme por conta do embranquecimento dos atores, alegandoo seguinte:

“Atores brancos vão interpretar os personagens principais nessa adaptação. Death Note não deve ser lançado com todos os atores brancos, isso vai contra a alma da história”.

Roy Lee, que está acostumado a trazer obras asiáticas para Hollywood, como “O Chamado”, “O Grito” e “Os Infiltrados”, disse para o Buzzfeed que é a primeira vez que ele está tendo uma experiência tão negativa:

“Eu estive envolvido em tantas adaptações de conteúdo do mundo inteiro, essa é a primeira vez que tenho uma repercussão negativa. Eu conseguiria entender todas as críticas se a nossa versão de Death Note se passasse no Japão e tivesse personagens japoneses ou descendentes de japoneses. É uma interpretação para uma outra cultura, então há mudanças. Algumas pessoas vão gostar, outras não.”

A nova versão de “Death Note”, dirigida por Adam Wingard (“A Bruxa de Blair”), vai se passar em Seattle ao invés de Tokyo e o nome dos personagens principais foram trocados, Light Yagami virou Light Turner e Misa Amane agora se chama Mia Sutton. De acordo com Roy Lee, essas mudanças ocorreram para que o longa se encaixasse melhor nos mercados com linguagem de origem inglesa, o mesmo tratamento que a adaptação da obra japonesa de Hideo Nakata“O Chamado” recebeu, tendo como pano de fundo a cidade de Washington e como protagonista a Naomi Watts (“Série Divergente: Convergente”).

Sobre a diversidade de nacionalidade no elenco, o produtor defende que entre os protagonistas tem um asiático, um afro-americano e três caucasianos, ele finaliza a sua entrevista dizendo para as pessoas verem o filme antes de julgar:

“Dizer que houve um embranquecimento seria algo ofensivo […] As pessoas podem criticar, mas eu digo para elas verem o filme antes. Assim depois elas podem nos acusar de não ter um elenco com uma diversidade, só julguem depois que o filme realmente sair”.

Vale lembrar que em 2015 o ator com descendência asiática Edward Zo (“The Brits Are Coming”) publicou um vídeo em seu canal no Youtube falando sobre sua rejeição para elenco o “Death Note”:

“Essa seria uma grande oportunidade para um ator de cor, um ator asiático, ter uma exposição global e quebrar os estereótipos […] Mas eles não estão procurando atores asiáticos para o papel de Light Yagami”, disse Edward Zo.

Assista ao vídeo completo:

O mangá de “Death Note”, escrito por Tsugumi Ohba e ilustrado por Takeshi Obata, teve milhões de cópias vendidas mundialmente, uma animação para TV de grande sucesso e quatro adaptações em live-action para o cinema: “Death Note” e “Death Note: The Last Name” lançadas em 2006, um spin-off em 2008 “L: Change the World” e mais uma sequência, “Death Note: Light Up the New World” de 2016. Os filmes tiveram o lançamento restrito aos cinemas do Japão, onde lideraram as bilheterias.

Ainda não viu o trailer da adaptação para Netflix. Assista agora:

Na narrativa acompanhamos a história de Light, um estudante do ensino médio que encontra um caderno sobrenatural, cujo poder pode matar qualquer pessoa que tenha o nome escrito em suas páginas. Light então utiliza o artefato numa guerra contra o crime, enquanto tenta escapar das investigações do detetive L.

“Death Note” estreia na Netflix dia 25 de agosto de 2017.

O embranquecimento dos personagens de uma determinada obra é assunto que esteve em pauta diversas vezes esse ano, também nos filmes “A Grande Muralha” e “Ghost in the Shell: A Vigilante do Amanhã” . Qual é a sua opinião sobre esse assunto? Deixe nos comentários!

Lely Thais
@rapadura

Compartilhe

Saiba mais sobre


Notícias Relacionadas


  • Like a stone[r]

    Não vejo problema algum nisso. Uma adaptação ocidental de um produto oriental. Palavra chave: adaptação.