Críticas   terça-feira, 13 de junho de 2017

Tudo e Todas as Coisas (2017): um filme para românticos incuráveis

Bastante romântico, eventualmente criativo e exageradamente leve, o longa é um romance juvenil sem abalos dramáticos e sem tensão.

Embora não tenha sido precursor no subgênero, “A Culpa é das Estrelas” representou um marco nos romances adolescentes (ou juvenis), tamanho seu sucesso. Alguns sucessores tentaram trilhar um caminho semelhante, como “Se Eu Ficar” e “Como Eu Era Antes de Você”. Seria “Tudo e Todas as Coisas” restrito ao mesmo público-alvo?

O filme conta a história de Maddie (Amandla Stenberg, de “Jogos Vorazes”), jovem de dezoito anos que, em razão de uma doença rara relacionada à imunidade, nunca saiu de casa. As únicas pessoas que convivem com a garota são sua mãe, Pauline (Anika Noni Rose, de “Dreamgirls – Em Busca de um Sonho”), que também é sua médica, e sua enfermeira Carla (Ana de la Reguera, de “Jessabelle – O Passado Nunca Morre”). Maddie está acostumada com a rotina de internet e livros, já um pouco tediosa, até que tudo muda com a nova família vizinha, em especial o vizinho Olly (Nick Robinson, de “Jurassic World”), que demonstra interesse nela sem imaginar as barreiras que pode encontrar para conhecê-la.

Como o trailer entrega quase tudo que a película oferece, o ideal é evitá-lo. A grande desvantagem de “Tudo e Todas as Coisas”, que também é a razão pela qual ele começa um passo atrás em relação aos filmes plenamente originais, é o fato de seu argumento não ser muito inovador. Trata-se de um romance teen que encontra empecilho para se concretizar em razão da doença de um deles – a dúvida que fica é se ficarão juntos ao final. Porém, nesse caso, existe um algo a mais reservado no terceiro ato, que felizmente o trailer não revela. Ainda assim, do ponto de vista do argumento, nada substancialmente diverso do que já foi visto antes, como nos títulos já mencionados.

Maddie e Olly funcionam bem como casal porque se complementam, ele é a catapulta para que ela se liberte da clausura em que se encontra e se rebele um pouco. O problema é o script conceder a ela um protagonismo exacerbado, deixando para ele um espaço tão reduzido que prejudica sua função na narrativa. Ela tem a personalidade bastante desenvolvida, com conflitos bem contornados, tornando-se uma personagem multifacetada. Por outro lado, Olly é apenas o galã apaixonado e perfeito, não havendo preocupação alguma por parte do texto em lhe dar camadas. Isso é um equívoco considerável, tendo em vista que existe a sugestão de um arco dramático pessoal para ele, de enorme potencial, mas que é bastante atenuado e que fica sem pormenores. Na verdade, é essa a proposta: um romance sem abalo dramático, sem muita tensão.

Pode parecer apenas uma opção da produção, qual seja, tornar o filme leve e divertido, um feel good movie em embalagem de romance. Não é bem assim: existem repercussões técnicas nessa opção. Amandla Stenberg neste papel se mostrou uma atriz limitadíssima, cuja inexpressividade aponta que o protagonismo é um vestuário que não lhe serviu. Nick Robinson é mais experiente, mas seu potencial talento artístico não pode ser visto no longa, já que a participação que teve limitou-se a sorrir e expor seu charme como galã teen, o que não é tarefa artisticamente árdua.

Para deixar claro que a vida de Maddie tem Olly como marco divisor, o filme usa o figurino como elemento primordial. Antes dele, a garota só se veste de branco; depois, sempre de cores claras, mas em tons pastéis e azulados – que também prevalecem na direção de arte, em especial na primeira metade. É a metáfora de que sua vida ganhou cores com ele – bem romântico, não? Diametralmente oposto, Olly só se veste de preto. A ideia não seria ruim, não fosse o fato de isso ser expressamente falado mais de uma vez, subestimando a inteligência do espectador.

A direção é da estreante Stella Meghie. Seu maior acerto reside na seguinte ideia: os primeiros diálogos entre Maddie e Olly ocorrem pelo celular, porém, ao invés de colocá-los na tela por escrito como outros filmes fizeram, o casal já fica cara-a-cara e – o que é melhor – dentro das maquetes que Maddie monta, como se os dois entrassem na realidade dela. Isto é, há uma simulação de diálogo, pois, embora a conversa seja virtual, o que se vê é uma conversa real; e, embora o cenário pareça real, é a maquete que ela está montando. A opção é bastante criativa e uma metáfora inusitada.

Outra ideia interessante é a inserção de um astronauta na realidade criada pela imaginação da protagonista, metáfora manifestamente polissêmica – dentre as várias interpretações possíveis, uma delas é a de que ela se sente uma alienígena, algo a ser estudado e que está fora de lugar, tanto é assim que ele é lançado quando não é mais necessário.

No que é fundamental, a grande preocupação do longa, a direção acerta: as cenas românticas são bem conduzidas e arrancam sorrisos da parcela romântica do público. Aliás, há o risco de serem consideradas “melosas” pela outra parcela. Exemplo é uma cena em que o casal é separado por uma parede de vidro, embalado por uma música e sons diegéticos (o ruído de um gafanhoto), até suas mãos se tocarem, divididas pelo vidro. Não obstante, Meghie parece ter uma obsessão por rack focus, o que causa estranheza para uma diretora estreante.

Sendo o vetor temático do longa o paradoxo viver versus sobreviver, surpreende tamanha leveza no seu conteúdo – tornando-se, inclusive, raso no desfecho. Em razão da doença, Maddie fica enclausurada em sua casa vivendo seus dias para sobreviver, mas é apenas quando se apaixona por Olly que descobre que nunca aproveitou realmente a sua vida. Ou seja, para além do viés amoroso, existe também uma mensagem de busca por uma vida plena e feliz. De todo modo, um pouco mais de drama não faria mal e daria nuances mais complexas à película, tornando-a mais vertical. No fim, “Tudo e Todas as Coisas” satisfaz os românticos incuráveis, mas não o espectador que quer algo mais.

Diogo Rodrigues Manassés
@diogo_rm

Compartilhe

Tudo e Todas as Coisas (2017)

Everything, Everything - Stella Meghie

A história gira ao redor de Maddy (papel de Amandla Stenberg, a Rue de Jogos Vorazes), jovem de 18 anos que nunca saiu de casa por ter uma rara doença que a faz ser alérgica a quase tudo. Acostumada a conviver apenas com a mãe (Anika Noni Rose) e uma enfermeira (Ana de la Reguera), ela acaba se apaixonando pelo novo vizinho, Olly (Nick Robinson)

Roteiro: J. Mills Goodloe

Elenco: Amandla Stenberg, Nick Robinson, Anika Noni Rose, Ana de la Reguera, Taylor Hickson, Danube R. Hermosillo, Dan Payne, Fiona Loewi, Robert Lawrenson, Peter Benson, Françoise Yip, Marion Eisman, Farryn VanHumbeck

Compartilhe


  • Joice Paula Santos

    hum deve ser bom