Acme   quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011

O que Quentin Tarantino faz é homenagem ou plágio?

Entendendo um pouco sobre o universo das referências.

Sempre que escuto alguém falando de plágio, tento entender o seu ponto de vista. Na internet, se você pega um trecho de uma matéria e cola em seu texto, sem dar os créditos, é plágio. Se você faz uma maquiagem diferente no texto, deixa de ser plágio. O problema é que sempre escutei, por exemplo, que Quentin Tarantino era um dos diretores mais originais e criativos de Hollywood. Até certo ponto, concordo absolutamente. Afinal, adoro os seus filmes.

Mas e em relação as homenagens que ele faz? Seriam realmente homenagens? Já ouvi alguém dizendo que a homenagem existe quando ela é anunciada, exposta e falada aos quatro ventos. Quando é uma homenagem escondida, quem não conhece o original, vai creditar as cenas “geniais” a quem fez a homenagem. Correto? Pois é. Olha só um exemplo feito em Kill Bill. Não fique chateado ao perceber que, na verdade, você adorou certa cena, sendo que ela não criada por seu diretor favorito:

Quando fizemos um RapaduraCast sobre a carreira de Tarantino, uma ouvinte mandou um e-mail comentando a tal originalidade do cineasta. Ela não só criticou a nossa versão do diretor, como expôs os motivos por não ter gostado do nosso programa sobre o cineasta. Ela foi tão veemente que desde 2008 não consegui esquecer a sua mensagem. Segue na íntegra:

1 de Novembro de 2008
Paula Schekn,

Olá seres rapadurianos! Sou fã do podcast e do site, de vocês como pessoas, e tudo mais. Defendi a lista da edição passada [sobre os 100 maiores nomes do cinema] entre amigas, pois entendi o espírito de vocês. Apresento o site para muitas pessoas. Mas hoje terei que ser sincera, vocês quase partiram meu coração. O podcast sobre o Quentin Tarantino foi o pior que já ouvi. Não por ele em si, mas pelos erros, chutes no saco, babações desnecessárias, e tudo mais. Explico.

Quentin Tarantino faz filmes divertidos. Fatos! Mas ele só foi “original” em ‘Pulp Fiction’ (pela parte técnica do filme, não pelas idéias). ‘Cães de Aluguel’ é cópia descarada de um filme chinês de 1987 chamado ‘City On Fire’. Não é birra, é cópia MESMO. Este filme chinês tem até diálogos roubados. O famoso diálogo sobre a música da Madonna está no filme chinês completinho, tanto que um grupo que premia as melhores frases do cinema tirou o prêmio do Tarantino por ele, depois que isso veio a tona. As cenas são iguais. As resoluções são as mesmas. Se tem algo de diferente nos filmes só foi os personagens mudarem de nome para Mr. Algumacor. Esta farsa já foi até tese de mestrado, que seria publicado em um livro nos EUA, mas a Miramax pagou o cara para o livro não sair.

 

Vamos a ‘Jackie Brown’. Este pelo menos todo mundo sabe que é tirado de um livro. Mas agora quem me chateou foram vocês mesmos. Não falaram que o filme é cópia de diversos filmes blaxploitation por exemplo, e é aí que está o lado Tarantino no filme. Sim, ele rouba diversas cenas de filmes do gênero sem tirar nem por. Aquela cena na loja de roupas foi tirada de um outro filme por exemplo. Eu já li o livro original, e só a história em si é do livro. O resto foi tudo cópias de outros filmes. E falam da Pam Grier, que faz a personagem título, como se ela fosse nada. Ela é a Foxy Brown!!! Ela é adorada nos EUA. Ela é a musa da Blaxploitation. Fez diversos filmes, tipo Coffy, ou Blacula II. Sem contar outros diversos atores do gênero que povoam o filme inteiro.

 

Estou vendo que já estou indo além de um e-mail normal, no tamanho. Bem, o motivo pelo qual me chateou, nem foi por idolatrar o Tarantino. Isso já estou acostumada, todo mundo faz hoje em dia. Mas me decepcionou vocês fazendo, e pelos motivos errados. Como eu disse, ele faz filmes divertidos sim. Se ele tem um mérito é saber pegar coisas de tudo que é lugar, e combinar. Mas original ele não é. Se 5% dos filmes dele foram idéias dele mesmo, é muito. Vocês falando sobre grindhouses quase me deu um ataque cardíaco. Vocês já viram algo do gênero? Já viram blaxploitations? Já viram filmes slashers de baixo orçamento dos anos 70? Já viram acid movies dos anos 60? E road movies dos anos 70 e 80? O pior é que as vezes ele até ajuda a pessoa a correr, por exemplo citando ‘Corrida Contra o Destino’ em ‘A Prova da Morte’ como um dos maiores filmes norte-americanos. Ou o ‘The Mack’ sendo citado em ‘True Romance’ como um filme obrigatório para cinéfilos. Já viram algo do Russ Meyer, que é onde ele pega todo o visual, e até a história do final de ‘A Prova da Morte’. Sabe aquela cena das garotas espancando o vilão no final do filme, é a mesma coreografia de cena de ‘Supervixens’. Esperava muito mais do podcast. Ouvi de coração aberto, esperando que vocês não caíssem no lugar comum que todos os sites de cinema caem. Falar dele como sendo original, sem entender da onde vem tudo o que ele rouba descaradamente. O Tarantino numa entrevista para a Playboy disse que se ele fosse um fã ainda, e alguém fizesse o que ele faz com os filmes, ele não iria gostar do cara, pois já teria visto tudo antes em outros filmes. Por isso que não chamo ele de hipócrita, ele brinca com a ingenuidade de quem trata ele como Deus mesmo.

 

Recomendo iniciar procurando um site chamado ‘The Quentin Tarantino Files’. Eles estão aos poucos completando um guia que mostra todos os filmes que ele pegou algo, e comparando se está parecido, se foi só homenagem, se foi cópia descarada, e afins. Um pesquisador de filmes antigos nos EUA, pupilo do mestre Danny Peary, disse que por baixo ele consegue apontar nos dois Kill Bill uma média de 200 filmes, sendo que pelo menos 1/4 destes filmes houve não citação, mas algo que poderia ser encarado como plágio mesmo, por exemplo a cena de luta de espadas ao som de Don’t Let Me Be Misunderstood, ou a parte do escalpo que é idêntica ao filme Lady Snowblood. Como eu disse, o site ali é de um grupo de fãs de Tarantino, que estão fazendo isso pois reconhecem que o cara não é genial por criar algo, mas que faz filmes que são uma colagem de outros filmes, e faz isso ficar legal.

Vejo até cinéfilos, como vocês, que reconheço que manjam muito de cinema, puxando o saco dele. Sério, fiquei com vergonha de ouvir o podcast, foi erro atrás de erro, omissão atrás de omissão. O caso é que a sorte dele, é que seu gosto é peculiar. Ou seja, ele viu milhares de filmes, que quase ninguém viu, e daí dá para copiar, e o pessoal cai como um patinho. Eu sou doida por cinema obscuro, pois meus primos moraram na Europa a trabalho, e quando voltaram para cá nos anos 90, começaram a me bombardear com filmes que eles conseguiram copiar num cineclube ilegal que tinha na cidade deles. Conheci pouca coisa boa daí, mas me abriu um desejo por cinema deste estilo. Filmes de ação B dos anos 70, filmes trash, blaxploitation, filmes de perseguição, kung fu, e por aí vai. Estou pensando em tentar levar um projeto que tenho para alguma editora, e lançar um dicionário em Português sobre este tipo de cinema, para mais pessoas terem contato. Quem sabe assim ao rever Kill Bill, por exemplo, as pessoas saibam que a arrancada de olho foi copiada nos mesmos ângulos usados em um filme chamado “Thriller – en grym film”, de 74. Este é só mais um exemplo.

 

Por sinal, se quiserem já ir buscando mais sobre coisas assim, recomendo que corram atrás de um filme chamado “Quel maledetto treno blindato”, que nos EUA ganhou o título de Inglorious Bastards. Assim vocês não serão pegos tão de surpresa ao se depararem com a nova farsa (de uma forma positiva) do Tarantino. Vocês já vão poder até saber o que o Mike Myers vai estar fazendo no filme de 2009.  Acreditem, muitas vezes (eu diria até quase todas, mas sou suspeita), os filmes originais são bem melhores que os filmes do Tarantino, justamente por lá estarem em sua raiz, justificados. As cenas foram feitas para lá, não foram coladas em outro filme (por mais que fique ótima esta colagem).

Beijos rapaziada do melhor site de cinema do Brasil!”

É, nem tudo é o que parece…
Tarantino é original?

Jurandir Filho
@jurandirfilho

Compartilhe

Saiba mais sobre


Notícias Relacionadas


  • Caraca.. perdi meu chão!

  • Bravo Paula! Bravo!

    No seu excelente email você conseguiu traduzir exatamente o que sinto por Quentin Tarantino, as pessoas têm que abrir os olhos, o cara não é Deus! É só alguém que joga 120 min de referências e chama de filme!

    E porque não, parabéns também ao Jurandir por trazer o seu email e mostrar onto ponto de vista.

    • Allyson

      Concordo veementemente que Tarantino não é Deus. Deus jamais faria filmes tão bons.

      • Allyson

        O Tarantino já declarou que a vilã Elle Driver foi inspirada na protagonista do filme “Thriller – en grym film”, que tem um olho apenas e usa um tapa-olho. Mas nele nao tem nenhuma cena de olho sendo arrancado, e sim perfurado com um bisturi. A cena de kill bill na qual o olho é arrancado nada tem de semelhante como é sugerido no comentário. Conhecer os filmes nem sempre significa tê-los assistido.

      • Daniel

        hahaha boa Allyson

  • Guilherme

    Discordo de maneira veemente do e-mail. Tarantino de fato não é Deus, e é um fato que grande parte dos filmes são referencias a diversas outras obras cinematográficas. Porém o que me encanta no jeito “Tarantinesco” é como ele trás as referencias de maneira a acrecentar na história. Porém, a maior contribuição de Tarantino para mim vem da vontade que ele me trouxe a procurar tais filmes, tais referencias. Se não fosse esse diretor/roteirista, nunca tomaria conhecimento de filmes japoneses, ou até mesmo de westerns que hoje sou realmente fã. Ele não mostra filmes repicados, mas mistura difersos estilos diferentes em um só, e é essa a sua grande qualidade. Ele nunca falou que era 100% original, sempre comentou das referencias. O grande mérito de Quentin Tarantino é de me fazer, a cada filme, procurar mais e mais o cinema.

  • Juras, o e-mail da ouvinte Paula Schekn ficou excelente. Muito bem feito mesmo. Muito bem argumentado. E quase inquestionável.
    Contudo, tudo o que foi dito por ela a respeito do que ela chama de plágio já é de conhecimento da grande maioria dos cinéfilos fãs de Tarantino.
    Eu sou fãzaço de Tarantino desde Pulp Fiction. Na época, eu realmente ignorava completamente essas centenas de referências que ele faz nos demais filmes. Mas depois que comecei a buscar mais sobre ele e descobri que nem tudo era original em sua essência, acabei tendo de fato a certeza de sua originalidade. Ok. Vou explicar.
    A originalidade de alguém não pode ser medida pela quantidade de obras que cria do zero. Se assim fosse, ninguém iria ter criado nenhuma obra do zero. Nem mesmo Charles Chaplim, cujos filmes refletiam bastante suas atuações no teatro.
    A originalidade de alguém deve ser medido pela capacidade de criar algo que se eternize a partir das coias que já existem.
    A ouvinte Paula Schekn enfiou o dedo na ferida da originalidade para tentar provar que Tarantino não é nenhum tipo de gênio. Mas é aí que eu digo: um pintor pode ser considerado original simplesmente por saber colocar as cores já existentes no lugar certo da tela. O mesmo pintor, para ser considerado original, não precisa criar novas cores para isso.
    Muita gente considera Steve Jobs original por suas criações inovadoras. Mas por que chamamos de inovador se tudo o que ele cria se baseia em algo que já existia? É inovador porque, mais do que criar do zero, ele sabe criar a partir do que já existe.
    O que dizer da arte da culinária!? Existem verdadeiros gênios da cozinha espalhados pelo mundo. Seria justo eu dizer que eles precisam inventar um novo elemento (ingrediente) para serem considerados originais? Ou será que a mesclagem de ingredientes diversos que resultem em uma experiência gastronômica única não pode ser chamado de genial, ou, mais humildemente, original?
    Hoje as comunidades acadêmicas das diversas áreas possuem uma vasta quantidade de artigos que foram escritos com o passar dos anos, e ninguém começa uma pesquisa (que pode acabar se tornando algo genial) sem antes começar do ponto onde outros chegaram.
    Tarantino não é um gênio ou original por criar coisas do zero, simplesmente porque quase ninguém o é por essas razões. A originalidade de Tarantino está na sua capacidade de ver aquilo que já existe de uma forma única que ninguém mais consegue ver. E isso, meus caros, pode sim ser considerado um trabalho genial.

    Gostei muito do e-mail da ouvinte e respeito muito a opinião, mas Tarantino, embora parta de obras existentes, sempre criou obras fantasticamente originais, e não apenas “divertidas”.

    Paula Schekn, parabéns pelo ótimo texto. Embora eu não concorde com a sua opinião e nem mesmo com suas argumentações, acho que você escreveu e fundamentou muito bem, muito embora eu acredite que você realmente não tenha pensado no termo “original” da forma como eu pensei e relatei aqui.

    Original não é apenas aquele que criou a batata frita. Ou aquele que criou o sanduíche. Ou mesmo aquele que criou o refrigerante. Original é também aquele que percebeu o tanto que seria bom juntar tudo e resolveu vender os três em forma de combo!

    Grande abraço!

    • Giordano Bruno

      Uma das melhores matérias que já li no site.
      Os comentários da Paula e do Max se complementam, como se um se originasse do outro.
      Para mim, Tarantino faz homenagens. nada de plágio, pois ele mesmo assume que pega a ideia de vários filmes e condensa em um só (vi uma entrevista dele, num video do youtube, que ele diz isso sem cerimônias).
      Não sou de comentar no site, apesar de ser visita constante, mas dessa vez tive que participar.
      Aronofsky, por exemplo – todos os seus filmes esbaldam originalidade sem ao menos serem originais. São sutis, singulares, á ponto de nos enganarmos: “puxa, nunca vi filme igual!”. E realmente, nunca viu filme igual – cada um possui seus atores, suas falas, sua estrutura – cada um é um “show” à parte.
      Plágio pode ser considerado crime quando usado descaradamente à favor do autor – como o Dan Brown, p. ex. – como se ele próprio tivesse “criado” aquela ideia. Mas quando se faz homenagens, mesmo que implícitas, não pode ser considerado crime mas sim um incentivo para os espectadores procuram novas obras, muitas das vezes obras completamente obscuras.

    • Caro Max,

      Acho interessante a sua argumentação, porém não posso concordar com ela, pois vejo que vc está confundindo (ou tentando nos deixar confusos) inspiração e influência com plágio.

      Chaplin, Steve Jobs, Mestres da Culinária, todos foram insipirados e criaram suas obras a apartir de algo que já existia, é verdade. Porém, criaram coisas novas sim, pois adcionaram elementos novos e criaram coisas superiores à existentes, daí seu reconhecimento. Baseado no seu argumento, eu seria um Chef original e inovador, apenas se criasse um prato com Césio 137, por exemplo, pois se trata de ingrediente novo nunca antes utilizado na culinária mundial.

      Veja bem, a Paula citou exemplos claros de Plágio! Plágio é quando você copia algo na íntegra e assina como sendo obra sua. E isso é exatamente o oposto da originalidade que você tanto defende, e é também uma prática corriqueira de Tarantino.

      Digamos que fosse eu, um completo desconhecido, assistisse o obsucuro “City on Fire” e achasse maneiro. E daí resolvesse juntar uma meia dúzia de amigos, refilma-lo copiando tudo, só que agora no meu idioma, e o lançasse como Cães de Aluguel de Juliano Oselame, você me idolatraria? Diria que sou original? Claro que não, pois tudo que fiz foi roubar a obra de alguém, nunca lhe dei nenhum crédito, e coloquei meu nome.

      Eu sei que como fã você quer defender seu ídolo, mas também não podemos e virar a cara e fingir que os defeitos não estão lá, pois estão, o cara roubou, copiou e não ligou. Niguém, aparentemente, ligou.

      Um pintor pode ser inspirado pela obra de Leonardo da Vinci, mas ninguém irá copiar a Monalisa, esperando ser chamado de original. Como disse, existe diferença, entre inspiração e plágio.

      E quanto ao seu desafio, é óbivo que ninguém irá conseguir realiza-lo, pois considerando sua visão, ninguém é ou será original, pois todos os filmes, por piores que sejam, sempre irão compartilhar algum aspecto em comum.

      Abraço!

      • Juliano, releia o comentário do Max… Vc com certeza não entendeu o que ele disse….

    • Denise Cardoso

      Te aplaudo de pé , Max!
      Você disse o que eu ia dizer em outras palavras!

      O meu querido bad ass mother fucker Tarantino é tão gênio de pegar cenas incríveis de filmes distintos e colocar em um filme só. O cara é genial.
      E eu não diria plágio, mas sim referências ou homenagens. Uma vez ouvi Jurandir Filho e Mau Sandanha dizerem que quando o cara sabe que vai dar certo não tem medo de fazer referência.
      E ver o vídeo de comparações com Kill Bill só me fez achar ele mais genial ainda!

  • Não concordo totalmente com o email. Afinal, tarantino é o unico que consegue juntar 200 filmes (como dito ) em um só. E o filme ainda fica fera demais.

    Po, qual diretor consegue fazer isso?

  • Posso realmente ser surpreendido (e até quero), mas faço aqui um desafio.

    Citem obras cinematográficas de qualquer país datados pelo menos de 1990 para cá que sejam totalmente originais.

    Gostaria de ser surpreendido com uma lista de pelo menos UM!!!! Mas eu realmente não acredito que isso vai acontecer.

    O fato, é que, muitos filmes podem ser considerados originais, mas nenhum deles vai conseguir ser algo que não lembre nenhum outro filme.
    Um verdadeiro artista é aquele que consegue deixar pelo menos um pouco de si em suas obras. E as obras de Tarantino transbordam Tarantino!

  • Tarantino pode não ser original, mas nenhum de nós somos. Somos feitos de idéias compradas de outras pessoas e passamos as mesmas adiante. Tarantino merece o reconhecimento justamente por misturar varias referências em seus filmes, como se fosse uma ‘coletânea” de melhores cenas que ele teve a oportunidade de ver. Certamente ele já sabia que tais referências (ou cópias) viriam à tona algum dia, por isso não podemos considerar como plágio, na minha opinião.

    No mundo do entretenimento, é normal ver histórias contadas com sob uma nova perspectiva e com diversas adaptações, mas isso não quer dizer que sejam plágios. Exemplo disso são que TODAS novelas seguem o clássico dilema de ‘romeu e julieta’, nem por isso as pessoas consideram uma cópia da outra. No cinema já disseram que o ‘rei leão’ que o Jurandir tanto gosta (e é meu filme favorito) é um ‘cópia’ de hamlet. O que também não faz sentido, já que as enormes ‘adaptações’ à história fazem desse filme 99% original.

    Desse modo, até certo ponto, não podemos considerar tudo que consumimos como plágio, mas sim como adaptações ou referências culturais. Como o próprio Tarantino faz.

    Abraços! Ótimia matéria!

  • Eduardo

    Email bem feito, aparentemente pesquisado no google e no site que a autora citou.
    nao desmerecendo a autora mas vi alguns pontos que ela tambem falou coisas que não sabia bem.

    consegui duas conclusões

    1 a autora sabe muito de cinema antigo, mais que muitos críticos desse site, porem parece levar sua opniao em relaçao ao tarantino um pouco para o pessoal

    2 a autora talvez (talvez) nao tenha assitido Quel maledetto treno blindato para citar o filme aqui

    finalizando falando, tarantino e original sim
    originalidade nao significar inventar algo do zero

    e preciso ser MUITO FÃ de cinema e MUITO ORIGINAL para juntar 200 trechos de filmes distintos em um unica historia.

    ele nao cita o nomes do filme pq alem de ser muito, ele nao homenageia os filmes, homenageia o cinema
    tarantino e fã de cinema, faz homenagem ao cinema como um todo qnd usa cenas de outras filmes. mas que isso, que é atento ou viu documentário de selton melo percebeu que ele juntou todos filmes do cinema e criou um próprio mundo cinematografico, onde seus filmes sao feitos.

    • Danilo

      Concordo. Apesar de tudo, Tarantino não homenageia os filmes, homenageia o cinema.

  • Olha só todos os filmes citados como plagiados nunca viriam ao conhecimento de ninguém se TARANTINO não os tivesse visto, guardado todos na sua cabeça grande, e fizesse filmes com o melhor de todos….ou “seje” Tarantino não é um copiador ele é um sintetiza-dor!!! Ele faz sínteses geniais de vários filmes e os junta em um só. Falar mal de Tarantino é jogar pedra na cruz, é heresia!! é perder seu tempo…o cara é foda!

    Não existe originalidade, uma idéia sempre surge de uma referencia. Com certeza o cara do filme chinês citado pela Paula tem uma referencia. Até Martin Scorsese possui referencias, ou ele é original ao contar histórias de máfia? ele inventou a Máfia?

  • Minha opinião, é que por bem ou por mal, saber pegar dezenas de recortes e transformar eles en algo bom pelo todo, não merece o seu mérito? Realmente vale desmerecer o cara como diretor só por isso? Talvez isso seja o “ponto de originalidade” do próprio, desde o inicio todos sempre souberam que a grande jogada do Tarantino era ser um cinéfilo, e essa é a forma de “direção cinéfila” dele. Fica ai pra refletir, até onde copiar e colar pode ser falta de criatividade ou originalidade.

  • Esqueci de mencionar no comentário anterior que enviei: Alguém ai se incomoda, se dói, ou tem algo a dizer dentro desse post sobre Aronofsky e as cenas de perfect blue?

  • Arthur

    Obrigado! Depois de ler essa reportagem fiquei ainda mais fã de Quentin Tarantino e seus magníficos filmes.

  • E alguma história não bebe de referências anteriores? Se alguém conhecer, me conte. Fora isso, é preciso separar a figura do diretor e do roteirista. O último parágrafo do comentário do Eduardo define bem a situação real. O cara sabe se divertir. Tem quem se divirta com ele. Tem gente que não. Parece simples.

    Abraços!

  • E me diz : Como ser original quando todas as idéias já parecem ter sido pensadas e contadas ?
    Eu já vi um monte de idéias originais minhas que já foram para o saco devido a outros que já a realizaram primeiro. Se você quiser fazer uma descoberta no campo da matemática, por exemplo, é aconselhável para não ir guiar-se às cegas e frustrar-se com descobertas já feitas ir primeiro se instruir do que já existe, para dessa forma explorar o que ainda não se sabe e se evidenciar progressos ou avanços numa determinada área inerte.
    Outro dia criei um personagem chamado MadMan, com fisionomia de David Bowie ” John Constantine lembra alguma coisa ? ” e descobri que a Dark House já possuia um herói com o mesmo nome. FAIL
    Em outra vez, Pensei em publicar um dia livros de poema com frases retiradas diretamente Twitter – que vim a fazer a pouco tempo -, e como o lapso de criação foi-se também a duração de originalidade dessa idéia. O escritor Fabrício Carpinejar já fez isso, e por uma questão de bom senso acho que prefiro nem querer levar adiante essa idéia. Todo aquele triunfo de ser o primeiro se foi, e pra mim a literatura não merecia ser imolada com algo que ela já tem. Ela precisa se enriquecer de algo que ainda não tenha ou ainda é pouco consistente. Como dizia no monólogo Paulo Coelho para o seu livro O Alquimista.
    Para Quem almeja procurar ser singular em meio a tanto comum acho que só resta para estes presa ! ter a idéia e fazer dela prática logo antes que ela já se torne obsoleta.
    Alguns podem até já ter homenageado a filmes porém Tarantino cria uma nova categoria que é a inovadora ” Homenagear sem escrupulos, demasiadamente, excendente e por já nesses aspectos já ter inserido uns 200 filmes – Isso é um recorde – e por que não dizer ‘Genialmente !”

  • Jurandir, permita-me dizer não só que discordo do e-mail da Paula, como ela comete um erro grosseiro em confundir referências com cópia. Além de postar boatos malucos como essa história da tese de mestrado, coisas impossíveis de se comprovar. É só fazer algumas buscas no Google. Não achei sequer uma menção ao tal diálogo roubado.

    Para dizer se Tarantino é ou não original, precisamos, primeiro, entender sua proposta. Tarantino não é um cineasta de filmes-pipoca (embora seus filmes façam sucesso), sua proposta é meio “pós-moderna”. Ele mistura gêneros, quebra paradigmas e atira cenas de violência aparentemente desnecessárias na cara do espectador. Pulp Fiction, Kill Bill e outros filmes dele quebram a linearidade da narrativa (inclusive ele foi um dos primeiros a fazer isso no cinema). Não sei se Tarantino reinventou o cinema, mas ele criou um estilo próprio através destes e outros recursos, e isso poucos – muito poucos – conseguem fazer!

    Sobre as referências, que alguns podem confundir com plágio, elas são usadas por tarantino como uma colagem. Quem conhece Andy Warhol sabe do que estou falando, e não é à toa que são contemporânceos. Tarantino tira cenas clássicas de contexto e as recoloca nos seus filmes. E isso sem ficar forçado ou comprometer a história! Quem acha que ele pega filmes “desconhecidos” e copia pedaços para se dar bem com o trabalho dos outros, é porque infelizmente não viu tantos filmes quanto ele. Porque ele conhece, E MUITO, da história do cinema (como 99% dos grandes diretores). Quem me dera sacar da história do cinema 1% do que Tarantino, Scorsese ou Walter Salles conhecem.

    Finalizando, a originalidade PURA na arte hoje em dia é quase que impossível de ser alcançada. Mesmo as experiências mais ousadas de revolução na arte datam de uma ou duas décadas atrás. O que caras como Tarantino, Almodovar, James Cameron Mitchell, etc, fazem é reinventar o passado e os gêneros clássicos para ver se sai algo diferente.

  • Juliano

    Essa é uma discussão totalmente desnecessária já que o próprio Tarantino diz que copia mesmo, na cara dura.
    O negócio é que ele tem seu estilo próprio de dirigir, editar, criar personagens, etc., o que distancia seus filmes daqueles que ele referencia.
    Na mão de qualquer outro diretor, essas “homenagens” acabariam com qualquer filme.

  • Realmente, temos argumentos bem interessantes. E sou fã do Tarantas, então sou suspeito ao falar. Mas seguinte: Ainda que várias cenas dos seus filmes sejam praticamente colagens de outros tantos, Tarantino não se resume a isso. Tarantino é trilha, personagens, sacadas, fotografia, montagem… Taranrtino é a RELEITURA de vários filmes, e o ENCONTRO dessas releituras. Existe o brownie e o sorvete, separadamente. Tarantino é o petit-gateau. 😉

    • Denise Cardoso

      Palmas, Amenar! Palmas!
      Tarantino é genial, isso é indiscutível!

  • Georgenor

    Alguém conseguiu encontrar o site “The Quentin Tarantino Files”? Quero muito vê-lo! Se alguém souber, obrigado! Abs.

  • Alfeu

    Se fosse fácil copiar qualquer idiota seria Tarantino

  • Rodrigo Serrano

    Plágio? se forma alguma.

    Original? com certeza, Tarantino tem um estilo único de direção, de edição, tem o dom de resgatar músicas antigas e fazer a gente acreditar que as ouvíamos desde sempre, sabe amarrar seus roteiros para nos deixar sem folêgo ao final da projeção(e durante também).

    Ele reverencia sua escola de cinema, ou seja, os filmes que passou a vida inteira assistindo, todas as pessoas tem uma influência, não há como fazer cinema sem ter visto um filme. O que faz uma pessoa ser diretor de cinema, é ser apaixonado pelo CINEMA!!! e naturalmente reverenciar e agradecer suas fontes de inspiração!

    Tarantino é sim um Deus, um Gênio da 7ª arte, vai estar para sempre em meu coraçãoe minha pele (4 filmes tatuados). E se um dia eu fizer um filme, vou resgatar algo de seus filmes!!

    E MAIS: – em relação aos filmes que ele homenageia, alguém assistiu a todos? são filmes fáceis de achar, vendem na Americanas, tem torrent? me digam, pois adoraria assisti-los. Com exceção de alguns(Bruce Lee, Kurosawa, Westerns), a maioria eu nunca ouvi falar, portanto pra mim é algo novo sim!!!

    Abraços

  • Pra mim plágio é aquilo que fazem nas sequências dita comédia do Todo mundo em pânico.

  • E mesmo se fosse Tarantino um plágio, alguém desconsidera ser algo inovador agregar tantas referências de filmes tão obscuros ?
    Ele é quase um jurista do cinema, buscando no dicionário de filmes as palavras e referências mais ‘misticas’ e desusadas as trazendo a tona para um público maior que talvez não tenha a mesma paciência, como ele, de cinéfilo a desvendar o imenso catálogo fílmico.
    Me desvende ou te devoro ! Tarantino buscou essa esfinge que ninguém se arriscou a ir.
    Parabens aos argumentos da Paula, corretissimos, mas acho que por tudo que fez Tarantino é sim um Deus inovador de sua arte ! E que rompeu alguns limites que abriram espaço a outros, como a obra de Alan Moore “Watchmen” já fez.

  • Ele é praticamente o Victor frankenstein do cinéma.

    • Não queria vim aqui pra comentar erros eventuais de ortografia, mais porém por favor não leiam cinema com acento. Me excedi na preguiça por uma revisão.

  • Guilherme

    Paula, parabéns, você descobriu a pólvora! Todo mundo que se interessa por cinema ou por Quentin Tarantino sabe que diversas cenas dos seus filmes são reconstruções de outros filmes. Vc só não precisava ter contado mentiras para defender sua tese de que Tarantino é um vigarista de marca maior.Por exemplo, eu duvido que vc tenha visto o filme “City on fire” pois vc disse que o diálogo sobre a Madonna está no filme e isso não é verdade; o filme é extremamente parecido com “Cães de aluguel”, inclusive as cenas, mas o diálogo não está lá. Não precisava tb ter inventado o site “The Quentin Tarantino Files”, pq, minha amiga, se realmente existisse, o Google achava. Há vários sites destinados a catalogar as referências dos filmes do Tarantino, não precisava ter indicado um site que não existe. Vc cita que a cena de luta de espadas ao som de Don’t Let Me Be Misunderstood é copiada, mas não fala de qual filme, assim é fácil.
    Não tem como tirar os méritos do Tarantino. Vc pode me dizer qual filme de gangster os bandidos conversam como pessoas normais sobre banalidades antes de cometerem crimes e de que filmes o Tarantino extraiu os diálogos de Pulp Fiction e dos seus outros filmes?
    Qual outro filme de kung fu usa a ambientação de faroeste como em Kill Bill?
    Qual outro diretor tem o cuidado e o gosto do Tarantino para selecionar as músicas das trilhas sonoras?
    Em qual filme sobre a segunda guerra mundial a história é complemente e descaradamente desvirtuada como em Bastardos inglórios?
    Enquanto umas pessoas dizem gostar de Tarantino para parecer cool, parece que agora há um movimento contrário, de pessoas que não gostam para parecer mais cool ainda, com alegações de plágio e de completa falta de originalidade que não se sustentam.
    Se o Tarantino fosse só o plagiador como você fala, ele já teria algumas dezenas de processos nas costas e, acredite, teria perdido, pq a justiça nos EUA não é igual a do Brasil.

  • D.A.M.

    “Não existe nada realmente puro ortodoxo, é um caldeirão antropofágico…Assim é a vida”.

  • Cristinao

    Quarentino disse: “Eu aprendi cinema vendo cinema” – Ele disse!
    É espetacular pegar tantas idéias e montar um produto “novo”

    Sabe quais outras pessoas fizeram isso tão bem quanto Tarantino?
    Steve Jobs e Bill Gates, com seus respectivos sistemas operacionais MAC (um monte de ideias da Atari e da Xerox) e o windows (com ideias do MAC).

    Ele tem seu valor.

  • Lilyan

    Sempre soubemos que a ideia de Kill Bill era homenagear os filmes de artes marciais e westem. Nada de novo no front! Tarantino rocks!

  • fernanda alyssa

    bom nao li todos os comentários, nao vou emntrar em nenhuma discução…
    o que eu tenho a dizer é:
    Fantástico! Com plágio ou homenagem ainda acho o Tarantino o cara! Ele usa todas as referências que ele pode! alguém vai negar q kill bill é um bom filme? e pulp fiction? e bastardos inglórios? só filmaço! isso sem falar dos outro mais trashs ivertidissimos!

  • Leandro Barros

    Prestem atenção que ela não fez juízo de valor da obra do Tarantino.

    Com relação a obra do Tarantino, ela apenas fez constatações. Apenas isto. Não fez qualquer julgamento. Por que alguns parecem ter ficado incomodados com isso? Ninguém pode dizer que o cara copiou literalmente personagens, cenas e histórias?

    Eu também acho que fazer uma análise da obra do cara e não mencionar as referências mais marcantes, é tornar rasa a análise.

    Parabéns pelo texto, Paula.

  • Leonardo Cruz

    Simplesmente falar que o Tarantino só copia é fácil. Mas tirar o mérito dele como diretor é foda, ele ainda precisa ser um bom diretor pra executar as referencias dele e transformar aquilo em um filme de qualidade.

    Ele pode não ser Deus, mas é um grande diretor sim.

  • Leonardo Cruz

    Outra coisa, Tarantino não é o unico que faz isso, deem uma olhada em “Os caçadores da Arca Perdida” e comparem com seriados e filmes de aventura antigos. Também tem cenas escaradamente “copiadas” pelo proprio Spielberg.

    E o proprio Tarantino falou nos extras do DVD de Kill Bill que ele vê Kill Bill como “Os Caçadores da Arca Perdida” dos filmes de Kung Fu. Ou seja, ele não tava enganando ninguem, ele tava assumindo que tava copiando.

    Eu só acho meio tosco colocar o cara como um aproveitador que tá enganando os fãs, a maioria de quem “idolatra” ele, sabe muito bem que ele faz esse tipo de coisa.

    • Leonardo Cruz

      Pra complementar, se alguem não acredita no que falei sobre o Spielberg e seu Indiana Jones, deem uma olhada nesse video do James Rolfe, o Angry Nintendo Nerd, ele faz algumas comparações dos seriados antigos com os filmes.

      http://www.youtube.com/watch?v=BkNHxQ3aqAg

  • Me desculpe a autora mas acho que ela cometeu alguns erros:

    1)Ela diz que Tarantino fez “apenas” filmes divertidos.Se todos os cineastas fizessem filmes pelo menos divertidos,o cinema seria muito melhor.

    2)Ela despreza a capacidade de síntese.É claro que a capacidade criadora é superior,mas uma verdadeira capacidade de síntese é algo que pouquíssimas pessoas tem no planeta.

    “… disse que por baixo ele consegue apontar nos dois Kill Bill uma média de 200 filmes”

    Foi engraçado utilizar isso como desabonador a Tarantino,eu gostaria de ver algum cineasta sintetizar 200 filmes em um e ter como resultado algo que é sucesso de crítica e público.

    3)O resultado de uma síntese é sempre uma coisa nova.Se mesmo eu que sou um zero a esquerda pegar dois filmes que eu assisti e “juntar”,o resultado já será algo diferente de cada um dos dois filmes.A própria ordem da junção poderá ter um significado.Se esta ordem for invertida terá outro resultado.

    4)A autora diz que Tarantino se aproveita de seus conhecimentos de filme B,exploitation,porque acha que vai enganar os “patinhos”.Esse foi o erro mais crasso do e-mail na minha opinião,Tarantino não quer enganar e sim homenagear esses filmes,foram filmes CAROS a ele em sua adolêscencia.Muitos desses filmes foram trazidos a tona,valorizados ou revalorizados graças em parte a QT.

    5)Foi triste também a autora dizer “enganar patinhos”,porque a grande maioria de fãs do Tarantino conhece pelo menos as refêrencias a Lady Snowblood,Punhos de aço,a música Flowers of Carnage em KB;e a autora acha que inventa a roda ao “abrir os olhos dos patinhos”,sendo que a grande maioria dos patinhos já sabia disso.

    Resumindo:Quentin Tarantino cria através da síntese,é cinema autoral através da síntese,se ela ou alguém acha fácil fazer o mesmo eu bem que gostaria de ve-los tentar.

  • Essas “tecnicalidades” exacerbadas no email me deixaram enjoado…
    Tarantino é GENIAL, faz filmes super divertidos. E daí que tem cenas parecidas ou até identicas a outros filmes ? Vc escuta música ? Os acordes tem que ser 100% originais ?
    Tarantino ATÉ A MORTE !!!!!
    ^_^

  • …..A obra prima de Quentin Tarantino que esta marcada como um dos melhores filmes da decada tem uma forca e personalidade sem igual estabelecendo-se como o melhor filme de vinganca ja feito. Ele fez algo nunca antes visto conseguiu fazer 2 filmes que contam uma historia em sequencia so que cada um com sua particularidade com o seu estilo fazendo assim dois filmes praticamente independentes na sua estetica audiovisual.

  • Rodrigo Melo

    Todo Mundo Certo Tarantino o “Genios do Plagio”, Maiis espera ai!!! se cópiar e genealidade minha Cópiadora é um genio?
    Abraços…

  • Philipe

    O video eh mto bom,mas nem tudo pode ser plagio
    Há mtas cenas citadas q nao tem nada a ver uma com a outra,e há outras q claramente é uma homenagem,e ainda ha cenas dos proprios filmes do Tarantino,isso eu n cosidero plagio,por exemplo a cena do porta malas,ele faz isso em todos os seus filmes,eh apenas um estilo dele.
    Embora esteja dizendo isso eu ainda acho q ele nao é original,mas nao podemos dizer q os filmes dele sao colagens de outros filmes.

  • Homer

    Foda-se se ele copia alguma coisa ou não,eu sei que seus filmes são exelentes e não devem ser desvalorizados,se ele é considerado um dos melhores autores e diretores é por que ele merece.
    O que acontece é que ele busca inspiração em filmes antigos para fazer as suas proprias misturebas,que dão certo e virão obras primas,filmes de muitissima qualidade.
    Nada se cria tudo se copia.;D

  • Will Fernandes

    Claro que o Tarantino é original! É a única pessoa que pode até usar 200 cenas de filmes diferentes em um e torná – lo Fantástico! Ou alguém conhece outro?

  • Daniel

    No cinema, na academia, onde for, nada é original, sempre alguem escreve uma idéia a partir de algo que se vivencia ou vê. Hoje em dia só existem colagens e mais nada.

  • Acredito que Tarantino conquistou um grande status como cineasta por exatamente isso que estamos discutindo,na originalidade de criar algo novo e contar uma história com algo que ja vimos, acredito que todos consiguam ver que o trabalho dele tem referenscias a diversos outros ele mesmo ja disse isso.Gosto muito do trabalho dele por isso, é uma visão original e moderna, juntar varios aspectos culturais de outros “cinemas” para assim criar o dele.

  • @Nilsinho*

    Isso não é 1 email, é 1 inteiro! Que Textão hein? Meus Parabéns!!! Agora eu queria saber… em 2008 a Paula Schekn era tão viciada assim em cinema, como ela está hoje em dia? Ela tem vida social? Ela vive meu deus do céu? Ou so quer saber de cinema? Isso é LOUCURA!

  • Vini Kr

    Ótimo e-mail da Paula… infelizmente quando a gente não conhece, tende a dar os créditos à pessoa errada.

    Eu achava a história de Lost muito criativa… pessoas que caem numa ilha misteriosa e cada episódio vai contando a história de cada uma delas através de flashbacks…

    Até conhecer o japonês “Battle Royale” e perceber que Lost é uma versão americanizada do filme e principalmente do mangá.

    Sobre o Tarantino, ele não é gênio. Ele é um comediante. Acho que nem ele se leva a sério… tem fã que leva, mas no fundo ele tá rindo deles (e ganhando dinheiro)

  • Brunof

    Não há como negar que o texto da leitora é um dos mais fantásticos que já li. Agora não tiro o mérito do Tarantino, mas dá uma outra visão para seus filmes. É como se ao invés de músico fosse um ótimo DJ, ta não é bem assim, mas só pra dar uma ilustrada. Bom, sinto que ele é ainda mais ousado em fazer isso. Podia ser que vários de nós nunca víssemos essas cenas, tudo bem que é ignorância nossa, mas que bom que ele veio popularizar esses grandes filmes e podemos ir procurar os originais. Parabéns para leitora!

  • Willtage

    Cara, se só esse trecho que a menina falou for verdade, Tarantino de um dos melhores diretores dos anos 90, passa a ser um cara que é esperto e inovador. Sabe editar como ninguém.

    “Quentin Tarantino faz filmes divertidos. Fatos! Mas ele só foi “original” em ‘Pulp Fiction’ (pela parte técnica do filme, não pelas idéias). ‘Cães de Aluguel’ é cópia descarada de um filme chinês de 1987 chamado ‘City On Fire’. Não é birra, é cópia MESMO. Este filme chinês tem até diálogos roubados. O famoso diálogo sobre a música da Madonna está no filme chinês completinho, tanto que um grupo que premia as melhores frases do cinema tirou o prêmio do Tarantino por ele, depois que isso veio a tona. As cenas são iguais. As resoluções são as mesmas. Se tem algo de diferente nos filmes só foi os personagens mudarem de nome para Mr. Algumacor. Esta farsa já foi até tese de mestrado, que seria publicado em um livro nos EUA, mas a Miramax pagou o cara para o livro não sair.”

  • Diogo

    o massa é que ele consegue se auto plagiar,como pode?
    argumento falho

  • Eu li todos os comentários e o texto da Paula e não concordo em nada com ela, eu vejo que ela está misturando referência com plágio, Scott Pilgrim a HQ é um plágio aos jogos de fliperama e também pelo nome né já que é o nome de uma música da banda Plumtree. Mas não é porque tem a sua história e tem referências a esses jogos e a essa música só isso. Não sei se foi a Paula que enviou esse vídeo mas se foi OML esse vídeo é muito tosqueira, tem certas cenas que se aquilo é plágio andar no deserto e perseguições de carro no cinema serão plágio também.

    “Vocês falando sobre grindhouses quase me deu um ataque cardíaco. Vocês já viram algo do gênero? Já viram blaxploitations? Já viram filmes slashers de baixo orçamento dos anos 70? Já viram acid movies dos anos 60? E road movies dos anos 70 e 80?”

    ” Sabe aquela cena das garotas espancando o vilão no final do filme, é a mesma coreografia de cena de ‘Supervixens’. ”

    Então sobre as citações acima o Tarantio e o Rodriguez explicaram mil vezes que Grindhouse era exatamente uma HOMENAGEM aos filmes dessa época e aos cinemas que passavam sessão dupla com filme de terror e ação, nada melhor que pegar referências do tipo de coreografia e clichês desse filme para caracterizar o filme.

    OBS1: Não achei o The Quentin Tarantino Files se alguém achar posta o link aqui.

    Sabe o que me diz a parte dos 200 filmes que Kill Bill usa? Que o que será apontado é cena da Uma olhando pro pé, ai uma cena dela sorrindo, cena dela andando, cena dela sentada, cena dela na igreja toda ferrada, cenas de luta e etc. Coisas que por sinal são normais ou é proibido fazer essas coisas. E sobre as músicas o Tarantino usa músicas prontas na maioria das vezes eu acho (ele não manda um artista fazer pra ele no caso) e apenas modifica uma coisa ou outra sabe ou não e usa no filme. Sabe eu não vejo nada demais nisso porque o filme é um conjunto de som e imagem então uma música igual a de outro vídeo não quer dizer nada se a imagem deste é muito melhor e combina mais com a história. Kill Bill é uma homenagem dita pelo Tarantino aos filmes de ação B e Trash, aqueles bem sangrentos antigos e aqueles de kung-fu “fantasiosos” antigos.

    “Sim, ele rouba diversas cenas de filmes do gênero sem tirar nem por. Aquela cena na loja de roupas foi tirada de um outro filme por exemplo.”

    Se um filme tem uma cena em uma loja de roupa outro não pode ter nada parecido é bom que não tenha nem cena em loja de roupa né, fikdik.
    Achei o texto da Paula bem argumentado quando ela mostra os pontos dela, no entanto achei falho por usar referências que eu fui buscar na internet e não achei portanto não acredito (se não está no google não existe). Ficar falando de cenas é muito meia-boca porque a ultima coisa que filme é feito é de cena, você não ve o filme assim
    Cena 1: Ai passa a cena
    Cena 2: Ai passa a cena
    Nós vemos o filme em algo continuo então ter uma ou outra coisa que já apareceu em outro filme mas num contexto diferente, em uma fotografia diferente, atores diferentes, trilha sonora diferente, cortes diferentes, ângulos diferentes, ângulos iguais em ordem diferentes. Tudo isso é o que faz a diferença de ser plágio ou não, é necessário ver o filme TODO e não ficar catando cenas para falar que é plágio, veja o filme todo e depois assiste o que diz ser plágio desde e se você quando terminar sentir que viu a mesma coisa em todos os aspectos técnicos ou não do cinema ai você chama de plágio. Essa sim é a minha visão de plágio e não é só o Tarantino mas todos os filmes que são ditos plágios de bons diretores.

  • Vou fazer um comentário bem breve e, talvez, um pouco ignorante, para não precisar me prolongar muito. Quentin Tarantino é um gênio, pois somente um gênio conseguiria ‘copiar’, como todos o estão acusando, filmes totalmente desconhecidos (por um motivo óbvio) e transformá-los em sucessos de crítica. Jackie Brown talvez seja o único filme não tão aclamado, porém olhem os outros. Quem é fã do cara sabe que ele homenageia, e mesmo assim endeusa ele, com razão. Parafraseio um comentário acima, ‘Quentin Tarantino não é Deus; Deus nunca faria filmes tão bons…’

  • Diogo

    Quando o cara faz um filme como Pulp Fiction, eu sei que ele é um gênio.

  • Pedro Ivo Lemos

    Todo mundo que acompanha a carreira do Tarantino sabe muito bem que ele faz essa tipo de colagem(ou plágio para alguns, tanto faz), isso não é surpresa. O que realmente me deixou com a pulga atrás da orelha foi o fato da Paula ter dito(com muita certeza de esta certa) que Cães de Aluguel é copia descarada do tal filme chinês de 1987 colocando, inclusive, o famoso diálogo sobre Like a virgin da Madonna no rol das partes “roubadas”.Eu não assistir “City on Fire” mas já estou baixando e vou adorar ver um bando de chineses de 1987 conversando sobre like a virgi da Madonna. Eu sempre soube que a grande inspiração do Tarantino para Cães de Aluguel foi O Grande Golpe (The killing) do Stanley Kubrick, inclusive já vi entrevistas do próprio Tarantino afirmando isso. Fui pesquisar para vê se encontrava qualquer coisa com alguma credibilidade sobre esse suposto roubo de diálogo ou mesmo sobre o tal “associação do pessoal que premia melhores diálogos do cinema” e que tomou o premio do Tarantino ou mesmo sobre a tal tese de mestrado que a Miramax pagou para não ser publicado(essa teoria inclusive já tinha escutado antes), desnecessário dizer que não encontrei absolutamente nada sobre, a não ser mais teorias sobre teorias(o fabuloso mundo da internet).O que encontrei de concreto e relevante, foi um artigo da Contracampo que tem como um dos temas exatamente o “Cães de Aluguel/City on Fire/The Killing” – http://www.contracampo.com.br/59/fforfuck.htm – Vale a pena conferi. Quanto a critica sobre Bastardos Inglórios eu nem relevei pq ela escreveu o texto(muito bem escrito, por sinal) em 2008 e o filme foi lançado em 2009. Minha opinião sobre os plágios do Tarantino? “Concordo veementemente que Tarantino não é Deus. Deus jamais faria filmes tão bons.”

  • Daniel

    A garota perdeu um pouco da credibilidade ao afirmar que o diálogo sobre a Madonna foi roubado de City on Fire. Acabo de ver o filme e não há uma linha sequer sobre Like a Virgin.
    Quanto os outros aspectos, o argumento é válido. Cães de Aluguel é nada mais que a segunda metade do filme asiático, vertida em um roteiro completo.

  • Felipe

    Um artista original é aquele cara que faz algo que até mesmo os leigos reconhecem o artista por trás daquela obra. E todo mundo há de concordar, quer goste ou não, que os filmes do Tarantino são bem “Tarantinos”, você reconhece ele nos filmes, e se isso não é ser orinal, bem… Eu não sei o que é.

    • Felipe

      E sem falar que o texto esquece todos os méritos do Tarantino como roteirista e diretor. Mesmo que ele fosse um plagiador de idéias, ele ainda seria um dos melhores roteiristas e diretor da atualidade.

  • Leo

    Tem varias cenas q nao tem nada ver ser dito como referencia ou como plagio
    Que o caso das cenas envolvendo a noiva e a mia elas so mostram que sao a mesma personagem ou a cenas dos pes q esta relacionado com fato do Tarantino ser podolatra e assim vai

  • Elismar

    Plagiou bonito e fez sucesso, isso é Tarantino, foi tudo de propósito lógico.

  • floyd johnson

    Não é fácil aguentar a puxação de saco dos fãs do Tarantino!Porra,tudo bem, sei que o cara é gente fina, participou de uns filmes legais (Um drink no Inferno), mas não é um gênio do cinema. Não pode ser comparado a Hitchcock, Orson Welles, Glauber Rocha e Sady Baby.

  • Alex de Siqueira

    O email já começa bem, mentindo sobre o diálogo da Madonna.
    No final não fala nada, o texto é tão genérico que me surpreende ter sido publicado no site. A discussão sobre originalidade é um tema interessante, quando discutido entre pessoas que saibam diferenciar plágio/cópia de releitura/homenagem.

    Tarantino é original, e qualquer um pode encontrar os filmes que ele faz referência, são sempre ótimos e ao ver ficará claro que não há plágio, apenas haters.

  • Isadora

    O Quentin Tarantino nem tinha pêlo no saco e muitos outros cineastas já utilizavam referências em suas obras. Se eu não me engano, algumas mortes do Sexta-feira 13 parte 2, por exemplo, eram idênticas as mortes de um filme italiano. Além disso, o próprio Star Wars – Uma nova esperança tinha a mesma sequência de cenas de um filme de guerra.

    Enfim… Não é errado fazer referência, porém é engraçado (para não dizer triste) os fãs “zumbis” endeusarem um cineasta que é bom, mas muito longe de ser genial.

    Tarantino é apenas mais um competente diretor que assistiu religiosamente na infância filmes do Bruce Lee, ficção científica B e muita coisa que hoje os “críticos sérios” amam odiar. Colar tudo isso aí em um filme não faz de ninguém um gênio.

    E não adianta afirmar que “só ele sabe fazer essa salada de fruta pop” porque aí é ignorar a existência de um monte de gente que, antes dele, já efetuava tais misturebas e de forma muito mais discreta e menos com cara de plágio.

  • Carlos eduardo

    “floyd johnson
    Não é fácil aguentar a puxação de saco dos fãs do Tarantino!Porra,tudo bem, sei que o cara é gente fina, participou de uns filmes legais (Um drink no Inferno), mas não é um gênio do cinema. Não pode ser comparado a Hitchcock, Orson Welles, Glauber Rocha e Sady Baby.”
    Se eu bem li todos os posts, e eu li. Não me lembro de ter visto ninguém comparando Quentin Tarantino a nenhum outro cineasta!Como já foi dito antes essa discussão se torna até boba já que todo mundo que conhece um pouquinho só de cinema sabe que o Tarantino nunca escondeu e até divulga as referências que faz em seus filmes! É muito mais prático e menos vergonhoso dizer que não gosta do diretor do que ficar dando essa desculpa idiota de que ele plagia x ou y.Li ótimos textos bem estruturados acima de pessoas que realmente tem algum discernimento do que é cinema. Pra facilitar pra Isadora o filme Sexta Feira 13 parte 2 (1981, de Steve Miner) recria sim as sequências de assassinato do filme Banho de Sangue (1971, Mario Bava).

    “”Star Wars – Uma nova esperança tinha a mesma sequência de cenas de um filme de guerra.””

    Na verdade George Lucas recriou e, na linha Tarantino de ser, colou várias cenas de vários outros filmes na saga Star Wars:

    http://www.youtube.com/watch?v=Z-HuenDPZw0

  • Lucas Santo

    Muitos diálogos ele copiou. O diálogo entre o Hanzo e o careca em Kill Bill (claro) foi tirado de um blaxploitation chamado Black Samurai.

    O jogo dele é esse, nós vemos o filme, e com nossa “cinefilia extremada”, descobrir de onde ele tirou o quê.

    A cópia não tira o mérito dele. Só o põe no lugar de respeito que muitos dos seus heróis não tiveram a oportunidade de estar. O Quentin representa todo o grindhouse num cenário mainstream. Não é por menos que nenhum dos diretores que ele homenageou se incomodou com o que ele fez.

    Enzo G. Castellari – diretor do filme italiano de onde Tarantino roubou o título pra Bastardos Inglórios – disse sentir admiração por Quentin por ter homenageado um trabalho tão desvalorizado pela crítica.

    É ele quem me apresentou muitos filmes que talvez eu nunca viesse a conhecer. Foi ele quem me fez apaixonado por cinema.

    A propósito, quem gosta de falar que ele copiou o título do Bastardos Inglórios, engula suas palavras pois ele comprou os direitos do filme e até poderia fazer um re-make se quisesse. O filme é dele, portanto, faz o que quiser. Aliás, o título possui um erro de grafia: IngloUrious BastErds.

    Assistam aos filmes que ele tanto homenageia.

  • Oureste Batista

    Chocado sobre a informação de Cães de Aluguel!

  • J.M Bach, Lord of Chaos

    Caro Jurandi.
    Tarantino é só mais um desses diretores badalados por no máximo quatro décadas, assim como você é uma pessoa falada só por enquanto.
    Quero mais que ambos se fodam.
    Você é tão merda quanto esse diretor.

    • Gosto mesmo é do Batema

      NAO FALA ASSIM DO MEU JURANDIR

    • Deixa o Sr. Não-gosto-de-pobre-no-cinema em paz

  • Carool Rodrigues

    A verdade é que nada se cria, tudo se copia. Concordo que é ingênuo pensar que Tarantino inventou todas as cenas,diálogos e etc. Mas na boa?Os cinéfilos amam Taranta pela forma como ele consegue mesclar cenas de outros filmes com elementos opostos,criados por ele. E isso é sim, uma forma de homenagear tais filmes. Mas essa homenagem só é entendida por quem entende de cinema. O que mais diferencia um filme do Taranta dos demais, é justamente a forma como ele faz referências a outros filmes. Tarantino é com certeza, sem tirar nem por, um dos maiores cineastas da atualidade.