Cinema com Rapadura

Críticas   quinta-feira, 09 de maio de 2019

O Outro Pai (Netflix, 2019): quarteto fantástico, história nem tanto

Acertando na conexão e na química entre as protagonistas, nova comédia familiar da Netflix escorrega no roteiro preguiçoso.

Um dos plots mais usados nas comédias é a busca por uma recompensa ou fortuna. Para que o personagem ou um conjunto deles conquiste tal prêmio, deve passar por desafios e descobertas capciosas, no estilo de uma gincana. A Netflix chega com uma produção espanhola no mesmo estilo, em que tira todo o potencial cômico que poderia arrancar de um quarteto talentoso para apostar num drama barato. “O Outro Pai” narra a jornada de quatro irmãs que são surpreendidas com a morte da mãe. Na leitura do testamento, a matriarca deixa um vídeo revelando que elas não são filhas biológicas do pai que sempre conheceram. Para receberem a tal herança, precisam encontrar seu pai (ou pais) biológicos, sendo praticamente forçadas a conviveram juntas.

Assim, as quatro se unem numa mistura de road movie com filme de superação, dispostas a encontrar seus verdadeiros pais, à medida que aprendem umas sobre as outras, além da própria identidade. Se existe algo em que o filme acerta é na escola de seu elenco, refletido nas belas, poderosas e distintas personalidades das filhas. Sara (Blanca Suárez, da série “As Telefonistas”) é a mulher de negócios centrada, objetiva e que saiu de sua casa em busca de um sonho, Lucia (Macarena García, “Palmeiras na Neve”) é a caçula inconsequente e portanto a que foi menos próxima da mãe, Sofía (Amaia Salamanca, “Desaparecida”) é a artista que foge de compromissos sérios, enquanto Claudia (Belén Cuesta, “La Llamada”) deseja manter um retrato tradicional e conservador de si mesma, saindo de uma casamento que já estava fadado ao fracasso. Separadas são independentes e demonstram posições de poder em áreas profissionais, amorosas e sexuais, juntas apresentam boa química e se complementam apesar das diferenças.

O filme de Gabriela Tagliavini (“A Fronteira”) deixa claro que apesar de a busca pelos pais mover a trama, a importância está nas descobertas emocionais, mesmo que a trilha sonora exagerada em certos momentos emule um drama desnecessário. O texto escrito a oito mãos entre estreantes e experientes, passeia entre uma clara e evidente tentativa de imitar comédias americanas e um tom novelesco sem nenhum apelo narrativo. Se rende boas sequências nas conversas fluídas, dinâmicas e naturais entre o quarteto, perde na tentativa forçada de engajar figuras excêntricas. A sequência do carro por exemplo, reafirma o poder dessas mulheres – para logo depois uma ação impensada de uma delas destruir completamente o que foi construído.

“O Outro Pai” levanta conflitos de interesse e desejo sobre a busca do sonho por alguém ou o abandono dos mesmos sonhos por uma pessoa, que acabam não rendendo o que poderiam e se resolvem de forma rápida, também devido à curta duração do filme. A personalidade dos pais se confunde com a das filhas, fazendo com que um texto que tentou ser imprevisível a todo instante se cercasse de previsibilidade, principalmente próximo aos minutos finais quando um pequeno plot twist já estava mais do que na cara desde o início. A força está na interação das protagonistas e qualquer coisa fora dela, incluindo um romance nada atrativo, torna a dramédia desagradável.

Tiago Soares
@rapadura

Compartilhe

O Outro Pai (Netflix, 2019)

A pesar de todo - Gabriela Tagliavini

Após a morte da mãe, quatro irmãs descobrem um assustador segredo de família e partem numa jornada para descobrir a verdade sobre suas origens.

Roteiro:

Elenco: Blanca Suárez, Amaia Salamanca, Macarena García, Belén Cuesta, Rossy de Palma, Marisa Paredes, Maxi Iglesias, Juan Diego, Carlos Bardem, Emilio Gutiérrez Caba, Joaquín Climent, Tito Valverde, Ana Iglesias, Álex Hafner

Compartilhe