Cinema com Rapadura

Críticas   sábado, 01 de setembro de 2018

As Herdeiras (2018): uma jornada de autoconhecimento

Um dos destaques do Festival de Berlim, “As Herdeiras” é um filme que dialoga com uma geração normalmente negligenciada pelo cinema. Entre a sensibilidade das personagens e o pragmatismo visual, a obra é um delicado retrato sobre se conhecer mesmo com a idade avançada

A terceira idade raramente é vista como personagem principal no audiovisual. Para cada filme com protagonistas acima dos sessenta anos é possível encontrar milhares de produções que nem ao menos utilizam personagens idosas com alguma relevância para a trama. Desta forma, quando um diretor se propõe a trabalhar com um núcleo composto essencialmente por pessoas mais velhas, é possível enxergar a obra como uma forma de resistência. E, na sua essência, resistir é o que motiva a protagonista em “As Herdeiras”.

Chela (Ana Brun) vive com Chiquita (Margarita Irun), e as duas se veem obrigadas a venderem os bens herdados da família para conseguir sobreviver à crise financeira. A situação se agrava quando Chiquita é presa por não quitar algumas de suas dívidas. Chela precisa então lidar com a solidão e os problemas financeiros, ao passo que percebe nunca ser tarde para se conhecer melhor.

Desde o começo do filme é possível notar uma postura passiva e, ao mesmo tempo, de resistência por parte de Chela. É ela que, ao início do longa, observa escondida estranhas invadindo sua casa para adquirir seus bens. Essa abertura nos diz tudo o que precisamos saber sobre ela. O mesmo olhar a acompanha ao longo da obra, ganhando um leve brilho ao se deparar com novas descobertas e ao se permitir ir além do seu pequeno mundo de aceitação.

Isso faz de Chela a protagonista perfeita para a trama. É ela que precisa dar o próximo passo rumo ao crescimento pessoal. Por outro lado, Chiquita parece nem ao menos se importar com a vida que a espera na prisão. Sua independência é forte e tão bem demonstrada a todo momento, que não há estranhamento na forma como ela parece se sentir tão confortável na cadeia quanto se sente em sua própria casa.

E nesse sentido, a resistência de Chela é dupla. Ela parece não querer mudar. Se conforma com seu lugar no mundo. O tédio das longas horas quando ela espera uma cliente ao começar o trabalho como “taxista particular” é encarado com certa tranquilidade. Ao mesmo tempo, ela resiste à sociedade em que vive: não precisa se afirmar, mas não demonstra em momento algum a forma como está ligada à Chiquita.

E a maneira como tudo isso é guiado pela direção cuidadosa e muito particular de Marcelo Martinessi (que também assina o roteiro) busca fugir de convenções. Relações homoafetivas são sugeridas, mas nunca explicitadas. O protagonismo feminino também é tratado não como um objetivo, mas como uma consequência. Martinessi consegue com isso realizar um filme cujo elenco principal é totalmente feminino, sem assumir qualquer fundamentação no movimento feminista. Seu projeto tem apenas a preocupação de olhar para estas personagens sem o preconceito que o cinema às vezes parece demonstrar.

Essa abordagem é reforçada pela fotografia, que opta em sua maior parte pelo uso da câmera parada e contemplativa. Se por um lado isso torna o filme lento, por outro nos faz olhar diretamente para as personagens. Não é possível escapar dos olhares pesados ou da melancolia de uma cena. Somos observadores limitados pelo enquadramento, da mesma forma como Chela é limitada pela fresta da porta por onde observa as pessoas que vem à sua casa comprar sua herança.

O diretor de fotografia, Luis Armando Arteaga, também utiliza uma pequena profundidade de campo para quase todas as cenas, na tentativa de não tirar a atenção do público daquilo que realmente importa: as personagens. O roteiro não busca contar uma história que não tenha as personagens como centro. E Arteaga trabalha para que o olhar do público não se perca ao que está fora do raio de ação deste meio.

Embora careça de ação e dinamismo explícito, “As herdeiras” é um filme que busca falar sobre como é possível viver novas experiências a qualquer momento. O olhar para a protagonista é sempre de curiosidade e contemplação, permitindo que o público possa admirar sua evolução na tela. Quando Angy (Ana Ivanova) surge na projeção, ela é mais uma força que busca oferecer um novo horizonte para a protagonista do que uma tentativa de criar um embate entre gerações. Porém, mesmo servindo como ponte para novas experiências, não há qualquer mudança de olhar. A obra consegue assim se manter consistente na narrativa. É um jornada sobre se permitir viver e vencer nossas inseguranças.

Robinson Samulak Alves
@rsamulakalves

Compartilhe

As Herdeiras (2018)

Las herederas - Marcelo Martinessi

Mulher de boa posição, herda dinheiro suficiente para viver confortavelmente. Mas aos sessenta anos ela percebe que esse dinheiro herdado já não é suficiente.

Roteiro: Marcelo Martinessi

Elenco: Ana Brun, Margarita Irún, Ana Ivanova, Nilda Gonzalez, María Martins, Alicia Guerra, Regina Duarte, Raúl Chamorro, Ana Banks, Inés González Guerrico, Javier Villamayor, Yvera, Chili Yegros, Lucy Yegros, Beto Barsotti

Compartilhe