Críticas   segunda-feira, 31 de julho de 2017

O Mínimo para Viver (2017): conscientização do público

Como cinema, o filme não chama atenção. Contudo, a mensagem que passa sobre a anorexia é passada com eficácia.

Alguns filmes têm o objetivo de transcender sua narrativa para o fim de conscientizar o público – não raras vezes, em detrimento da própria narrativa. “O Mínimo para Viver” não se destaca na sétima arte, mas tem uma mensagem de conscientização muito relevante sobre anorexia.

A protagonista do longa é Ellen (Lily Collins), jovem anoréxica que já tentou diversos tratamentos, sem sucesso. Sua última tentativa será com o dr. Beckham (Keanu Reeves), cujos métodos heterodoxos podem salvá-la da doença – desde que ela também faça a sua parte.

Lily Collins (de “Espelho, Espelho Meu”) dedicou-se bastante ao papel, apresentando resultado bem convincente: magérrima, a atriz faz de Ellen uma jovem irritadiça e por vezes antipática – o que ela deixa claro já no prólogo. A participação de Keanu Reeves (de “De Volta ao Jogo”) é pequena, provavelmente apenas escolheram um ator de renome para aquilatar o elenco. O que acabou sendo prescindível, já que dois coadjuvantes se destacam mais.

O primeiro foi o iniciante Alex Sharp como Luke, um britânico extravagante cujo charme reside no figurino esquisito e na personalidade expansiva – como quando insiste em ajudar Ellen a melhorar ou quando canta antes da refeição. O encanto de Luke chama a atenção de Ellen, todavia, isso nem sempre é bom. Luke é uma das personagens mais interessantes do longa por ter um arco dramático pessoal bastante claro, exceção à exclusividade de Ellen. Também Carrie Preston (de “Ruth & Alex”) se destaca como Susan, a madrasta de Ellen. Ela não tem más intenções, apenas não sabe como lidar com a anorexia da enteada, unindo a isso seus próprios preconceitos. O elenco conta ainda com Liana Liberato como Kelly (de “Se Eu Ficar”), que, no pouco espaço que teve, ratificou o talento que já apresentou anteriormente.

O grande acerto no roteiro é expor a anorexia como ela é, sem embelezamentos. É a verdade nua e crua, exposta assim para cumprir o escopo de conscientização. As vítimas da doença tomam laxantes, provocam o próprio vômito (no caso da bulimia, mencionada por ser uma moléstia similar) e cometem absurdos que o longa retrata sem pudor. No caso específico da protagonista – aparentemente, essa é a regra –, a dificuldade no relacionamento familiar é engrenagem que conduz a anorexia da qual ela padece. Em síntese, ela não tem apoio familiar nenhum, cabendo à madrasta cuidar da sua saúde, na ausência dos pais. Entretanto, a partir da segunda metade, a narrativa se perde, tornando-se cansativa e sem foco. O mote instrutivo dá lugar a um texto desnorteado, que piora de forma crescente, tendo um encerramento bizarro e decepcionante. O desfecho é inexplicável.

A responsável pelo roteiro e pela direção é Marti Noxon, que tem um currículo bem mais extenso como roteirista. Recentemente, ela trabalhou como showrunner da série “Sharp Objects”, tendo sido diretora apenas no ano 2000, em alguns episódios da quinta temporada da série “Buffy, a Caça-Vampiros”. Ou seja, é uma diretora bem inexperiente. Não obstante, em “To the Bone” (nome original de “O Mínimo para Viver”), existem algumas cenas que mostram potencial em seu trabalho, como a que Ellen e sua meia-irmã Kelly conversam à noite – o diálogo é introspectivo, então, a fotografia é escurecida e a cidade é vista pelo alto e ao longe, algo que fica esteticamente aprazível. O ápice é numa cena em que os pacientes do dr. Beckham ficam na chuva, filmados na contraluz, ao som de “Water” (Jack Garratt), um momento belíssimo do longa. Tecnicamente, o único defeito substancial reside na montagem elíptica, que abusa de jump cuts, criando saltos abruptos exagerados, retirando a naturalidade do recurso e tirando o espectador da diegese.

Sendo “O Mínimo para Viver” um filme temático que objetiva, como dito, conscientizar o público, o resultado não é de um primor artístico. O longa consegue ser chocante em alguns momentos e ensina bastante o espectador que não tem muito conhecimento sobre o tema. Isto é, passa a mensagem com eficiência. Porém, como cinema, não chama muita atenção.

Diogo Rodrigues Manassés
@diogo_rm

Compartilhe

O Mínimo para Viver (2017)

To the Bone - Marti Noxon

Uma jovem (Lily Collins) está lidando com um problema que afeta muitos jovens no mundo: a anorexia. Sem perspectivas de se livrar da doença e ter uma vida feliz e saudável, a moça passa os dias sem esperança. Porém, quando ela encontra um médico (Keanu Reeves) não convencional que a desafia a enfrentar sua condição e abraçar a vida, tudo pode mudar.

Roteiro: Marti Noxon

Elenco: Lily Collins, Carrie Preston, Lili Taylor, Keanu Reeves, Alex Sharp, Liana Liberato, Brooke Smith, Leslie Bibb, Kathryn Prescott, Ciara Bravo, Maya Eshet, Lindsey McDowell, Retta, Joanna Sanchez, Alanna Ubach, Hana Hayes, Michael B. Silver, Rebekah Kennedy, Dana L. Wilson, Don O. Knowlton

Compartilhe