Cinema com Rapadura

Críticas   sexta-feira, 10 de janeiro de 2020

Drácula (Netflix, 2020): sangue amargo [MINISSÉRIE]

Novo estudo sobre a existência de um dos maiores monstros da dramaturgia fica presa num caixão de ideias vazias, sofre com o ritmo inconsistente e a falta de originalidade.

Criado por Abraham ‘Bram’ Stoker, que o apresentou pela primeira vez no famoso romance homônimo de 1897, o personagem Conde Drácula já serviu de inspiração para um série de adaptações, especialmente para o cinema e o teatro. No hall das obras mais conhecidas que beberam da criatividade do escritor irlandês encontram-se “Nosferatu“, “Drácula“, “O Vampiro da Noite“, mais adiante o glamouroso “Drácula de Bram Stoker“, que conta com uma porção de atores consagrados no elenco e, segundo o diretor Francis Ford Coppola, é o primeiro filme fiel ao livro, e a comédia pastelão “Drácula: Morto Mas Feliz”, com o hilário Leslie Nielsen. Existem ainda algumas aparições esquecíveis em “Drácula 2000“, “Blade Trinity” e “Drácula: A História Não Contada“. Diante de tantas abordagens, trazer sangue fresco é mais do que essencial para qualquer nova empreitada envolvendo o Lord das Trevas. E “Drácula“, minissérie da Netflix, ameaça entrar para o escalão das produções relevantes do vampiro, no entanto, após um início promissor, a narrativa perde fôlego e originalidade, tornando-se repetitiva e refém de clichês do gênero.

Desenvolvida por Mark Gatiss e Steven Moffat (responsáveis por “Sherlock“), essa série televisiva produzida pela BBC e inspirada no romance homônimo de Bram Stoker, narra a história do Conde Drácula num espaço de 123 anos, desde os dias recluso em seu castelo na Transilvânia até o tempo presente, quando chega a Londres para desfrutar de jovens presas, preparar o seu império e também enfrentar novas ameaças. Dividida em três episódios de 1h30min cada, a produção de Gatiss e Moffat indica logo em seu capítulo de abertura – A Regra das Trevas – um estudo mais profundo nas virtudes e fraquezas do vampiro bem como suas motivações, utilizando como ferramenta para tal uma entrevista com o sobrevivente Dr. Harker (John Heffernan), conduzida pela misteriosa freira Agatha Van Helsing (Dolly Wells). O resultado é um começo animador e intrigante, ditado por bons diálogos, uma ambientação intimidante (que poderia ser melhor aproveitada) e atuações convincentes de figuras empenhadas que ganham a companhia de um protagonista enigmático, a quem o ator dinamarquês Claes Bang serve com charme e notável desenvoltura.

No episódio subsequente – Sangue a bordo – é possível perceber o começo da queda vertiginosa da qualidade. Mantém-se aqui a mesma estrutura de seu predecessor, fazendo uso de uma entrevista para entender o que leva o personagem principal a cometer suas atrocidades e tentar de alguma maneira encontrar algo que de fato possa amedrontá-lo. No lugar do entrevistado, ninguém menos do que o próprio Drácula, enquanto a investigação fica por conta da Irmã Agatha Van Helsing. Em meio a uma conversa amigável, a narrativa rememora os dias do vampiro a bordo da embarcação Deméter junto de outros tripulantes, entre eles a Duquesa, o médico e sua filha surda-muda, o intruso, o casal recém-casado e seu criado, o capitão e o cozinheiro do navio. Estabelecida a ambientação assim como os elementos que a habitam, o roteiro falha miseravelmente no desenvolvimento do jogo de gato e rato que deseja propor ao espectador. Demonstra zero inventividade para criar conflitos interessantes, apresenta uma série de coadjuvantes inofensivos e apáticos, além de abusar da descrença do público para manter a ameaça intacta até o final.

Com bastante estilo (jogo de luzes inebriante que evocam sedução e ameaça) e pouco conteúdo, a minissérie chega ao terceiro ato de sua saga – denominado Bússola Sombria – lenta e sem direção. Aqui, a narrativa abandona o até então eficaz sistema de entrevistas e investe nas aventuras de Drácula depois que este chega, enfim, a tão sonhada Londres. O que vem a seguir é uma sucessão de decisões equivocadas, problemas de continuidade e um argumento truncado que parece não saber o que fazer com o bebedor de sangue quando este encontra-se rodeado pelas modernidades do século XXI. A introdução de novos personagens, como a garota Lucy Wenstera (Lydia West) e o jovem Dr. Jack (Matthew Beard), que em tese deveriam alimentar a trama e suscitar discussões, surge quase como um Deus Ex Machina para a conclusão da história e a tentativa de formar uma ligação com os acontecimentos passados termina debilitada por conta da desorganização e a ausência de identificação com personagens rasos. Para completar o revés, próximo de seu encerramento, um anticlímax embaraçoso.

Veredito

Dando vida a um personagem que já foi interpretado por grandes nomes como Jack Palance, Christopher Lee, Gary Oldman e Béla Lugosi, o ator Claes Bang vai bem como Drácula e é o único responsável por despertar a empatia do público e carregá-lo, ainda que de maneira forçada até o derradeiro episódio. Sabotada por um roteiro em constante busca por saídas fáceis, inábil em conceber um arco narrativo coerente, confrontos desanimados, humor inconstante, excesso de clichês e sequências que extrapolam a necessidade de descrença que normalmente acompanha as fantasias (a sequência da praia logo no epílogo é prova irrefutável de insulto ao intelecto do espectador), a versão mais recente de Drácula insinua algo diferente, mas aos poucos vai drenando nossa paciência e por fim deixa um gosto de sangue amargo.

Renato Caliman
@rapadura

Compartilhe

Drácula (Netflix, 2020)

- Criadores: Mark Gatiss e Steven Moffat

Em 1897, na Transilvânia, o conde que bebe sangue traça seus planos contra a Londres vitoriana.

Roteiro: Mark Gatiss e Steven Moffat

Elenco: Claes Bang, Dolly Wells, Morfydd Clark, John Heffernan, Lydia West e Matthew Beard.

Compartilhe