Cinema com Rapadura

Críticas   sexta-feira, 21 de setembro de 2018

O Paciente: O Caso Tancredo Neves (2018): as desditas de um país

Relevante para tempos de crise democrática, a boa narrativa e o detalhado trabalho de reconstrução histórica nos permitem espiar o passado desse drama político.

“Se fosse fácil, não seria a história dessa pátria” – diz Tancredo Neves, primeiro civil no Executivo após 21 anos de ditadura militar, ao ser internado com fortes dores abdominais apenas alguns dias antes da posse. O presidente-eleito sabia que carregava a República nas costas e que, sem ele, o país corria o risco de não efetivar sua longa transição democrática: “no Brasil, não basta vencer a eleição, é preciso ganhar a posse!” – dizia. Com roteiro de Gustavo Lipsztein, a partir de livro de Luis Mir, “O Paciente: O Caso Tancredo Neves” mergulha nos nebulosos acontecimentos entre 14 de março e 21 de abril de 1985, os trinta e sete dias de sua Via Dolorosa até a morte.

“Eu não merecia isso” – diz o presidente à certa altura, em atuação comovente de Othon Bastos (“Deus e o Diabo na Terra do Sol”). Ator muito experiente, ele se entrega à vulnerabilidade do personagem em cenas memoráveis e generosamente cede espaço às outras importantes figuras que guiam a narrativa. Dois deles merecem menção, pois conduzem o embate central a trama, progressivamente dando a ela um tom de drama médico: são os doutores José Pinotti (Paulo Betti, de “Lamarca”) e Pinheiro Rocha (Leonardo Medeiros, de “Lavoura Arcaica”). Seus confrontos se dão em meio à confusão das decisões políticas, médicas e familiares que envolveram o acontecimento, demandando dos médicos o salvamento não apenas do paciente Tancredo, como também do Presidente: “de tanto pensar no presidente, eles vão acabar matando o paciente” – mau agoura um dos médicos convidados ao caso. O impacto de cada decisão médica, assim, de cada procedimento cirúrgico ou profilático influenciava os rumos de toda a nação.

Evidente que tamanha tensão e até certo despreparo da equipe de assessores e da própria estrutura hospitalar de Brasília desdobraram uma crise sem precedentes, que demandou muito esforço político (de figuras como Ulysses Guimarães e Fernando Henrique Cardoso, que aparecem no filme em imagens de arquivo) para garantir a transição democrática, ruidosamente efetivada com a posse do vice-eleito, José Sarney, que havia sido aliado do regime. Mas não é a dimensão dos bastidores políticos que o roteiro de Lipsztein propõe destacar, embora ele tergiverse toda a narrativa. Ainda que desperdice algumas boas oportunidade de se aprofundar mais nos joguetes políticos que envolveram o caso, o tom de drama médico desdobra-se numa comovente tragédia familiar, sustentado com qualidade pelos atores desse núcleo. Destaque a Ester Góes (“O Espantalho”), que apresenta uma memorável Rizoleta, esposa de Tancredo Neves, à altura do que a personagem histórica merecia. Não apenas assumindo a trama em certos momentos, a ex-futura-primeira-dama é representada com suas múltiplas camadas, ora tomando decisões políticas, ora sustentando a combatividade da família, além de permanecer como uma esposa apaixonada: “47 anos [de casamento] é pouco. Eu quero mais” – ela diz ao combativo marido, já cansando de guerrear.

Outros personagens interessantes também orbitam a narrativa, como o neto do político, Aécio Neves (Lucas Drummond), retratado com um promissor político, à época. Outros são apenas mencionados, como o último general do regime, João Figueiredo, que paira na narrativa da mesma forma obscura com que pairava sobre as cabeças dos brasileiros naqueles tempos, como uma sombra. Momentos de ápice dramático são oferecidos a atores que entregam o que se demandava, como Emilio Dantas (“Berenice Procura”), interpretando o assessor de comunicação de Tancredo Neves, o jornalista Antonio Britto. Por fim, a cobertura da imprensa e a comoção nacional são reconstruídos com cenas de arquivo, mas também com encenações, oferecendo uma linguagem híbrida que dá a narrativa ainda mais verossimilhança. Reconstrução histórica, especialmente em termos cenográficos, nem sempre são empreitadas fáceis, por isso vale destacar que aqui um bom esforço de produção ofereceu ao filme um mise-en-scène bastante rico.

Nos permitindo espiar um dos acontecimentos mais emblemáticos de nossa história política recente, o experiente diretor Sergio Rezende (“Zuzu Angel”) compõe mais uma obra de seu cinema político e engajado, e seu timing não poderia ser mais adequado. Demonstrando, assim, uma perspicácia invejável e também muita habilidade técnica, seu filme é rico em sua potência histórica de nos explicar o presente, à medida que nos ensina sobre o passado.

Vinícius Volcof
@volcof

Compartilhe

O Paciente: O Caso Tancredo Neves (2018)

- Sergio Rezende

Os últimos dias da vida de Tancredo Neves, o primeiro presidente civil, eleito pelo colégio eleitoral no Congresso Nacional, depois da ditadura militar. Toda a expectativa da população brasileira e a doença de Tancredo, que depois de 39 dias de internação, morreu no dia 21 de abril de 1985, nunca sendo empossado.

Roteiro: Gustavo Lipsztein, Luís Mir (livro)

Elenco: Othon Bastos, Paulo Betti, Luciana Braga, Pedro Brício, Rod Carvalho, Emilio Dantas, Elcir de Sousa, Lucas Drummond, Leonardo Franco, Ester Góes, Mário Hermeto, Leonardo Medeiros, Otávio Müller, Priscila Steinman

Compartilhe