Críticas   sábado, 11 de Fevereiro de 2017

Cinquenta Tons Mais Escuros (2017): um perigoso desastre

Existem três modos de enxergar esse "Cinquenta Tons Mais Escuros", segundo filme da trilogia iniciada em "Cinquenta Tons de Cinza", baseado no livro homônimo de E.L. James. Ele pode ser visto como um drama erótico fracassado, uma comedia involuntária bem-sucedida ou como uma obra perigosa que justifica e romantiza o comportamento machista e possessivo.

Embora o elenco principal desta continuação não tenha se modificado, nem a diretora do original, Sam Taylor-Johnson ou a roteirista Kelly Marcel retornaram para este “Cinquenta Tons Mais Escuros”. O comando da produção passou para o diretor James Foley (da série “House of Cards”) e o guião foi assinado por Niall Leonard, marido da própria criadora da franquia, E.L. James, que, mesmo trabalhando como roteirista desde 1987, assina aqui seu primeiro trabalho para cinema. Ou seja, não é à toa que por várias vezes a produção mais pareça um filme ruim feito para TV, mesmo que isso não explique a inabilidade do diretor em entregar aqui ao menos uma establishing shot razoável.

Na trama, alguns meses após os eventos do capítulo anterior, Anastasia (Dakota Johnson) e Christian (Jamie Dornan) reatam seu enlace, com ele tentando explicar para a moça os motivos do seu sadismo na cama. Enquanto isso, Anastasia é perseguida por uma ex-submissa de Christian (Bella Heathcote, de “O Demônio de Neon”), confronta Elena (Kim Basinger,”Sentinela“), mulher que iniciou Christian no mundo do BDSM e, finalmente, tem de encarar uma situação de assédio por parte de seu chefe, Jack Hyde (Eric Johnson, de “Smallville”).

Colocando deste modo, até parece que muita coisa acontece durante a projeção, mas não é bem assim. O longa tem 118 minutos que passam sem engatar nenhuma trama. Os conflitos são apresentados, desenvolvidos e resolvidos (uso esses termos no sentido amplo) em um espaço de tempo tão curto que simplesmente não há tempo para o público notar a existência destes, quanto mais ter qualquer tipo de catarse com suas resoluções – um incidente envolvendo um helicóptero marca bem esse problema.

Chega a ser um insulto ver Kim Basinger desperdiçada em uma participação que dura, literalmente, quatro cenas. Sim, AQUELA Kim Basinger, que estrelou “9 1/2 Semanas de Amor”, um thriller erótico seminal, tem apenas cinco minutos em tela, sendo que sua Elena, do ponto de vista narrativo, deveria estar lá para nós falar mais sobre Christian e representar um obstáculo real para o “romance” do casal central. O ápice da participação da atriz no filme é quando jogam um drinque na sua cara e lhe dão um tapa, em uma sequência digna de uma paródia de novela mexicana.

E o que dizer de Jack Hyde. É difícil não imaginar E.L. James se sentindo extremamente inteligente ao referenciar “O Médico e o Monstro” de maneira tão “sutil”. O “vilão” interpretado por Eric Johnson se transforma de chefe interessado em estuprador louco em menos de duas cenas. Não há nenhuma nuance na interpretação canastrona de Johnson, ele simplesmente se transforma.

Detalhe que o filme usa Hyde para justificar a postura de Christian em tratar Anastasia como sua propriedade. Ao impedir que a moça vá em uma importante viagem de negócios com o chefe, ele não está exercendo seu domínio de “macho alfa” ou defendendo sua propriedade, mas sim protegendo Anastasia. E isso sendo que na única cena na qual Christian e Hyde dividem a tela, eles se apresentam como “O Namorado” e “O Chefe”, praticamente se digladiando para ver quem tem mais controle sobre Anastasia.

E nisso temos a pobre Leila, vivida por Bella Heathcote. A moça, além de óbvios problemas mentais (causados por conta do seu relacionamento anterior com Christian), também possui habilidades ninja. Sim, pois só isso explica ela conseguir invadir o fortificado condomínio de Grey sem ser notada pela equipe de seguranças do bilionário ou entrar no apartamento de Anastasia para ver o casal dormindo e sair sem levantar suspeitas.

Todos esses pontos – o chefe assediador, o relacionamento com uma mulher mais velha e experiente ou os danos causados pelo estilo de vida de Christian às suas submissas – seriam plots que poderiam fazer a relação entre Christian e Anastasia soar mais interessante e dariam aos atores material dramático com que trabalhar. Nenhum dos três funciona e, enquanto Dakota Johnson até que se esforça, Jamie Dornan novamente nos brinda com uma performance digna do Cigano Igor.

No entanto, o problema que mais chama a atenção neste desastre é a estrutura adotada por Foley e Leonard, que se resume a diálogo brega/cena ruim de sexo com música da moda/diálogo brega. O longa aposta tudo nos encontros sexuais entre Anastasia e Grey, filmados de um modo tão pobre que faria corar o mais tosco dos filmes exibidos no extinto Cine Privé da Rede Bandeirantes. As cenas de BDSM não causam frisson ou excitação, mas evocam a mais profunda vergonha alheia.

Não há química (física ou dramática) entre Johnson e Dornan, com o filme se tornando moderadamente divertido apenas por conta da péssima entrega dos diálogos horrorosos proferidos no decorrer da narrativa (“Você me ensinou a f****, mas ela me ensinou a amar!”). Até mesmo as tentativas de mostrar as raízes dos problemas de Christian são apresentadas de uma forma tão cafona que se torna impossível levar a sério a trama, apesar do filme nos implorar para fazê-lo.

No início do longa, Anastasia é mostrada como uma jovem adulta independente e que conseguiu escapar de sair de um relacionamento nocivo. Ao longo da projeção, o público se vê forçado a torcer para que ela volte para um homem que não tem nenhum senso de privacidade e cuja noção de romantismo se mistura com a de possessão.

Por mais que ultrapasse frequentemente e involuntariamente a fronteira do hilariante em sua breguice, “Cinquenta Tons Mais Escuros” é um filme retrógrado e perigosíssimo, que, ao mesmo tempo em que cita Jane Austen e Charlotte Brontë, reforça e romantiza uma cultura de dominação masculina e a noção de que o lugar da mulher é servindo o seu macho provedor.

“Eu não sou um pássaro; e nenhuma rede me prende; eu sou um ser humano livre com uma vontade independente”
.
Charlotte Brontë, em “Jane Eyre”

Thiago Siqueira
@thiagosiqueiraf

Compartilhe

Cinquenta Tons Mais Escuros (2017)

Fifty Shades Darker - James Foley

Quando um Christian Grey ferido tenta seduzir uma Ana Steele cautelosa de volta a sua vida, ela demanda um novo arranjo antes de dar uma nova chance a ele. Conforme os dois começam a construir confiança e encontrar estabilidade, figuras sombrias do passado de Christian começam a assombrar o casal, determinadas a destruir suas esperanças de um futuro juntos.

Roteiro: Jacob Estes, Akiva Goldsman, David Loucka

Elenco: Dakota Johnson, Jamie Dornan, Eric Johnson, Eloise Mumford, Bella Heathcote, Rita Ora, Luke Grimes, Victor Rasuk, Max Martini, Bruce Altman, Kim Basinger, Marcia Gay Harden, Andrew Airlie, Robinne Lee, Amy Price-Francis, Fay Masterson, Ashleigh LaThrop, Paniz Zade, Carmen Dollard, Bill Dow

Compartilhe


  • Thais Mendonça

    Apesar de ter lido o livro, quando vi o primeiro trailer, deu pra perceber que o estavam “vendendo” como uma trama recheada de suspense e possíveis explicações sobre o passado de Christian. Foi um recurso para atrair os céticos e os que detestaram o primeiro filme. Não deu certo. Para piorar, cortaram a cena do psiquiatra de Christian que ajudaria a explicar os problemas emocionais dele. Três plots desperdiçados, cenas mal editadas e erros graves de continuidade. Concordo com você Thiago. Foi triste ver Kim Basinger desperdiçada daquela forma. A personagem tinha muito a contribuir na trama. Mas, que trama? Um grande abraço.

    • kezya araujo

      Eu vi o filme e só conseguia pensar no quanto faltaram coisas importantes do livro e no quanto às cenas estavam absurdamente erradas… O primeiro filme foi ruim, mas esse foi péssimo

      • Noranei Valentim

        Eu só tenho medo da 3º sequência, pois só que piora. O roteiro é péssimo, disponta para uma sequência de falas sem sentido. O Cristian Grey apresentado neste filme é inseguro, infantil e dependente total, não constratando com o mesmo descrito no livro.
        Cenas pobres, infelizmente estou com certo receio de ver o último filme.
        Conseguiram deixar essa sequência pior que a primeira.
        A E. L. James nunca deveria ter deixado que transformassem seu livro neste resultado pequeno e sem sentido.

        • Minha querida que importa a ela e os milhões que vai entra na conta dela

  • Betotruco

    Geralmente concordo com o Sica nas suas criticas, mas NUNCA concordei tanto com ele como nessa!!
    Que filme horroroso!! Hipócrita, de um misogenismo imbecil, enganador…
    O que James Foley fez com a carreira dele??
    Nunca foi um dos grandes mas pelo menos tinha dignidade!
    Que casal sem carisma, sem química, sem nada!!
    Mickei Rourke foi o que deveria ser Grey hj..
    Quem não assistiu, CORRA para ver 9 1/2 semanas de Amor! Aquilo sim tem erotismo, dominação, sadismo e no fim, libertação feminina de verdade e de qualidade!!

  • Nathália Lu

    Finalmente alguém com cérebro.
    Agora amor com caráter e dignidade é sadomasoquismo (nojo), dominação, carro importado, helicóptero, roupas de grife, perdão, segundas chances, hipocrisia e submissão na vida e na cama.
    Pior, o vilão da trama é estuprador e o inocente é o lixo Grey que destruiu a vida da desequilibrada Leila.
    Pior ainda: a história é considerada de amor porque tem casamento e mudanças….
    Homem com caráter não precisa mudar por amor, pois tem essência bom. Sadismo lixo não é um dom, é uma escolha.
    Homem com dignidade não bate em mulher, nem se ela pedir ou deixar.
    Homem com valor não desconta seu fracasso pessoal de abandono e abusos passados em mulheres.
    Se o lixo Grey merece ser feliz porque sofreu abusos, então os pedófilos que sofreram abusos também merecem.
    Nojo da autora lixo.

    • Leninha Gomes

      👏👏👏👏👏👏

    • Paulo Silva

      Leila é a típica mulher conservadora da extrema direita.

    • ganhou meu respeito parabéns

  • Findman Returns

    Ruim assim?

  • Findman Returns

    JACK HYDE! PQP”

    HUAHUHAUAHUAHUA

  • Paulo Silva

    O filme tem um público sedento por pornografia, mas conservador demais para assinar um site e assistir em casa com o marido e vice-versa, na verdade a indústria de pornô sofre com algo que eu chamo de “maximização das coisas”, eles ficam fazendo filmes cada vez mais hardcore, onde se perde o capricho de uma boa sedução, não basta mais uma história de casal, tem que ser um gangbang com 50 jirombas esfolando todos os buracos da mulher. Esse filme vem pra cobrir um tipo de filme que era muito comum nos anos 80 e no Cine Prive. 50 Tons não é o filme que pedimos, mas é um filme que precisamos num tempo onde a sedução tem se perdido em nome de uma arte gráfica pesada e monstruosa.

    • Patricia Albuquerque

      Engraçado o seu comentário, porque estava pensando nisso esses dias. Mulheres também curtem erotismo, mas os filmes pornôs são terríveis. Ademais, o que uma mulher passa em um filme pornô é atroz e doloroso. Mulher sabe que não é daquele jeito que uma mulher sente prazer. Aquelas atrizes devem viver no médico. Daí vem filmes como Cinquenta Tons de Cinza que nem é um bom filme, nem é realmente erótico, é um disfarce. Nem é bom como erótico, nem como romance, nem como drama, nem em qualquer categoria de ficção, mas a raiz de seu sucesso tem exatamente a ver com o que você disse.

      • Paulo Silva

        Verdade, sempre pego minha namorada assistindo aqueles filmes da Tele Cine Action, um dia estava até passando Tinto Brass, um cara que é expoente dos filme chamados porn soft.

      • Nathália Lu

        50 tombos de lixo: $$$$$ hipocrisia

    • Dinho

      Filme pornô é chato pra caramba. Prefiro o bom e velho amador “caiu na net”.

      • Paulo Silva

        bruninha do objetivo, CRÁSSICOOOOO!!!

  • Omelete 4 OVOS hahahahahhaha jesus..

    • Rafael Anunciacao

      Sério eles deram isso ou é zueira?

      • Sério!!!

        • Douglas

          Os 4 ovos realmente foi de zueira. Para quem assistiu a crítica deles no you tube o Marcelo (que escreveu a críyica também na versão textual) comenta no final do vídeo que: para um filme de comédia dou 4 ovos.

      • Layne Cris

        foi zueira!! Como foi o omeletetv que fizeram.

  • Só discorda da parte do machismo, a mina escolheu ser bancada pelo cara, não foi imposto.

  • Leandro JF

    Eu vi o primeiro e achei bem fraco, pelas críticas esse é pior.
    Agora, Siqueira, qual sua nota para Ninfomaníaca? Eu achei muito bom, daria fácil 8/10.

  • Thais Campos

    Para quem nao leu o livro, o filme realmente deve ser ruim, fica meio sem sentindo,mas para quem leu esta tudo ali, desde o começo ate o fim, todas as cenas e os enredo encaixam-se perfeitamente, sim, tem algumas alterações, para que a historia faça um pouco mais de sentido para aqueles que nao leram ou nao lembram do livro cinquenta tons mais escuros. Me senti dando vida as minhas imaginações do livro, mas é claro o Cristian Grey da minha imaginação vai ser sempre melhor! eu amei o filme ja vi 2 vezes, e sou apaixonada pelo livro, nao sou nenhuma filmóloga, mas vale apena SIM assistir o filme , aguandando anciosamnete a versão extendida sair 😉

    • Thais

      Concordo totalmente com você!! Já li todos os livros, e os dois filmes se encaixam bem com os livros e são maravilhosos!! Amei o filme!! Muitos dos que se dizem “críticos” nunca nem se quer viram a capa dos livros.

      • graça a deus tem certas coisas que não precisamos ver ou ler pra saber que aquilo é ruim,sem contar que pra gostar de um filme não é obrigatório vc procurar o material fonte.

    • Jessica

      Olha eu li todos os livro e quando eu assiti o filme me decpicionei pra.caramba espero que próximo livro e filme seja bom ❤

    • Jéssica Guimarães

      Não li o segundo livro, para não ficar mt triste de não ter mais cenas no filme. AMEI o segundo filme, e eu achei q eles tinham química sim, e pelas poucas cenas, comparando-se ao livro, o filme foi bem abordado. Lembrando que, o filme é só para ILUSTRAR algumas cenas do livro, pois se colocasse tudo do livro, o filme teria umas três partes, correto? Apesar que eu gostaria se tivesse. (risos)
      Desde o primeiro filme, eu estou preferindo ver qualquer filme primeiro e depois ler o livro para entender melhor todo o conteúdo. E fazendo isso, não venho me decepcionando com as histórias.

    • Gabriel Martins

      Bom dia meninas, fico lendo essas críticas e pensando qual tipo de público esse filme atrai, se puderem me contar qual o principal interesse que desperta em vocês, o que realmente sentem por gostar tanto dessa história, ficaria muito agradecido se me tirassem essa duvida por favor, abraços.

    • Nathália Lu

      Conheço inúmeras mulheres que leram os livros lixos e não concordam e não aprovam sadomasoquismo lixo. Os fins não justificam os meios e homem com caráter não precisa mudar por amor.

    • Christiane Boaventura

      Eu li os livros e gostei. Agora o filme é simplesmente ridículo, totalmente sem pé nem cabeça. Senti vergonha.

  • SCriss

    Li os livros e assisti ao primeiro filme, mas infelizmente, tenho que concordar com as críticas. Também me decepcionei com o segundo filme. Tive exatamente a mesma sensação descrita na crítica. Diálogos pobres, cenas de sexo sem o menor frisson, sequências e atuações simplesmente lamentáveis. A atuação de Jamie Dorman nesse filme foi digna do cigano Igor, como bem lembrou o crítico. Apenas os hits da trilha sonora salvaram-se em meio ao caos. Sam Taylor, a diretora do primeiro filme se saiu muito melhor que o James Foley. ⭐⭐⭐👎

  • Vicecônsul

    Pior que arrecadará milhões e farão o 3 que possivelmente virá com a mesma falta de “tom”, ou quem sabe um terceiro parte 1 e 2.
    Mesmo assim boa sorte para os fãs que ainda tem esperança.

    • Gesiane Mota

      Arrecadará não, arrecadou milhões, só no Brasil, na primeira semana foram 22. E farão o 3 não, ele já foi gravado junto com o 2

      • Vicecônsul

        Pois foi disso que eu falei e se o 3° foi gravado junto com o 2º, já da para ter uma ideia de que a sequencia não terá nenhuma evolução, correndo risco de ser ainda pior, já que esse 2° o foi.
        Mas para alguns fãs mais fervorosos,isso nunca foi ou será importante, para outros nem a fidelidade dos filmes com o livros e são muito felizes apenas pelo fato do livro ser representado nos cinemas.

  • Osvald

    Pessoal do politicamente bobo chorando pelo filme que tem a proposta bem clara desde os livros. Mulherada empoderadas, existe diversos gostos sexuais, tem gente que até gosta de comer fezes. Eu sei a porcaria da proposta do filme, passo longe, mas não vou reclamar de quem vai gostar.

  • Crisley

    Li o livro e amei 50 tons mas escuros so que quando assistir o filme fiquei chocada pq nada a ver com o livro eu esperava pelo menos 1hora e meia DE filme simplesmente detestei faltou muita coisa nao foi excitante PRa um filme de sexo …nem estou empolgada pro 3 filme

  • Andrea Santos

    Sempre que alguém faz qualquer crítica sobre Cinquenta tons de Cinza (livros e filmes todos aí incluídos) eu simplesmente me questiono como alguém espera qualidade de algo que nasceu de uma fanfic de Crepúsculo e que, em sua origem, atendia pelo título de MESTRES DO UNIVERSO. Quer dizer, algo que nasceu tão errado não tem como ser bom.

  • Edson Teixeira 

    Dormi em algumas partes do filme 😀

  • Gesiane Mota

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Sabem porque tanta crítica????? Por causa do sucesso de bilheteria, do sucesso de livros vendidos. Criticar o que não tem público não tem graça. Criticaram Crepúsculo, criticam 50 tons e vão continuar criticando tudo que fizer muito sucesso. É o velho caso da cobra que queria comer o vaga-lume porque não suportava ver ele brilhar!
    Para os que leram e reclamam que todas as cenas não estão lá é uma ADAPTAÇÃO. Assim como Harry POtter, Senhor dos Anéis, Jogos Vorazes, entre outros não tem como ter TODAS AS CENAS. Só se fizesse uma série do livro.

    • Valenada

      Nem tudo que é sucesso é bom.

  • Bell

    Os livros são uma bost@ e os filmes também.As titias mal comidas podem chorar na cama que é lugar quente e não se esqueçam de levar os pepinos.Até o Cigano Igor tem mais talento do que esse Jamie Dornan,o cara parece um frango,sem sal,sem graça.

  • Solange Silva Melo

    Nem sei porque assisti isso, kkkk. eita filme ruim, mas valeu como comédia pra dar umas risadas.

  • Simoni Mary Kay

    Concordo que os filmes são um lixo, pois Dakota e Dorman não transmitem p nós espectadores a paixão e tesão de seus personagens conforme o livro. Mas lixo maior é o terceiro livro 50 Tons de Liberdade, tendo em vista que a escritora E.L. James deixa de lado toda paixão e sexo do casal Grey, excluindo, literalmente o casamento, nascimento do primeiro filho, construção da casa dos sonhos e foca apenas nas situações ruins como: acidente do pai de Ana, Jack sequestra mia, Ana em coma, nisto ela perde muitas paginas. Enfim, o felizes para sempre p os Grey passou bem longe.

  • Rommel Andriotti

    Thiago, concordo que o filme é ruim, mas a sua resenha deveria ter se concentrado mais nos aspectos técnicos, de ritmo e roteiro, e menos no aspecto ideológico. Por favor, deixe que cada um tire suas conclusões quanto a mensagem ideológica que o filme deseja transmitir. Por favor, poupe-nos do discurso pasteurizado do politicamente correto.