Críticas   sábado, 28 de janeiro de 2017

Lion – Uma Jornada Para Casa (2017): O Google salva?

Com personagens mal explorados e uma Índia estereotipada, o longa que conta a incrível história de um jovem em busca de sua casa através do Google Earth padece de uma boa direção.

Em 1986, um garotinho indiano chamado Saroo, dormiu acidentalmente em um trem vazio e passou dias viajando pela Índia. Mil e seiscentos quilômetros depois, o menino atônito que só falava o idioma Hindi, desceu em uma estação em Calcutá abarrotada de gente. Sem conseguir se comunicar – na cidade, o idioma oficial é o Bengali, um dos 400 dialetos falados na Índia – Saroo passou a viver de restos de alimentos jogados nas ruas e a dormir em um papelão amassado. Com o tempo, ele foi levado para um abrigo de menores e mais tarde foi adotado por um casal de australianos que o levaram para morar no país deles. No ano de 2011, quase vinte e cinco anos depois, o agora rapaz tenta refazer o caminho de volta pra casa com a ajuda do novíssimo Google Earth.

A insólita história real de Saroo Brierley (Sunny Pawar, quando menino e Dev Patel, de “Quem Quer Ser um Milionário?”, quando adulto) foi transcrita para o livro de sucesso mundial “Lion: Uma Jornada Para Casa” e em 2016, foi adaptada para o cinema pelo diretor australiano Garth Davis (da minissérie “Top of The Lake”).

Com um ponto de partida tão surpreendente e instigante, Davis e o roteirista Luke Davies (“Life – Um Retrato de James Dean”) precisavam apenas encontrar uma forma de transpor essa incrível narrativa real para as telas e dar o estofo necessário aos personagens, a fim de nos compartilhar as variadas emoções que os afligem durante toda a história. Com a obrigação de dar vida ao conflito do protagonista, tanto a relação do garoto com sua mãe biológica, quanto com sua família adotiva, tinha que ser muito bem explorada. Porém, o caminho escolhido pela dupla não convence e o desenvolvimento, principalmente de Saroo com a sua família australiana, é explorado de maneira absolutamente rasa. Você não os conhece e nem se importa com eles, sendo, pois meros obstáculos ante à esperada conclusão da trama.

Outra escolha equivocada é a criação de um interesse amoroso forçado do protagonista por uma colega de curso (Rooney Mara, de “Carol”). Além da falta de química entre o casal; basicamente em todos os momentos “românticos” em que eles aparecem juntos, a narrativa, ou “empaca” ou descamba para diálogos sem sentido e que pouco têm a acrescentar a história.

Contudo, a direção falha ao mostrar a Índia de maneira absolutamente unilateral, como uma terra de miséria e de pessoas más ou indiferentes. Excetuando Saroo e sua pequena família, praticamente todos os indianos retratados no filme são traiçoeiros ou pervertidos. O menino passa todo o tempo fugindo e necessitado em seu país de origem, coisa que some absolutamente quando ele vai para o “primeiro mundo” onde pessoas estranhas parecem absolutamente generosas. É a velha e requentada percepção superficial de um país pobre, pelo prisma de um outro mais rico.

Apesar de trazer uma gostosa sensação de déjà vu, todo o primeiro ato e parte do segundo, são muito parecidos com o sucesso “Quem Quer Ser Um Milionário”, principalmente no aspecto visual. Algo que muda radicalmente do meio para o fim, particularmente na solução visual encontrada para dar a urgência emotiva na busca do rapaz por sua casa.

Se o elenco indiano brilha com sua simplicidade e simpatia, o mesmo não pode ser dito de Rooney Mara que, apesar de já ter se mostrado ótima atriz, vêm repetindo a maneira de atuar em seus filmes mais recentes. Já Dev Patel entrega uma atuação concisa e emocional, digna de sua indicação ao Oscar. Se existe uma peça que não encaixa bem é a atriz Nicole Kidman (“O Mestre dos Gênios”) interpretando a mãe australiana do protagonista. Além das perucas estranhas que ela precisou utilizar para ficar mais semelhante com a personagem real, sua atuação está muito abaixo do que ela é capaz de fazer e suas cenas trazem muito pouca emoção para a trama.

Com uma história rica e interessante, que por si só já é praticamente um roteiro de um filme de sucesso, “Lion: Uma Jornada Para Casa”, apesar do final lacrimejante, não consegue suplantar o próprio plot e escorrega no aspecto que deveria ser o mais importante em sua concepção: empatia.

Rogério Montanare
@rmontanare

Compartilhe

Lion – Uma Jornada Para Casa (2017)

Lion - Garth Davis

Quando tinha apenas cinco anos, o indiano Saroo (Dev Patel) se perdeu do irmão numa estação de trem de Calcutá e enfretou grandes desafios para sobreviver sozinho até de ser adotado por uma família australiana. Incapaz de superar o que aconteceu, aos 25 anos ele decide buscar uma forma de reencontrar sua família biológica.

Roteiro: Luke Davies

Elenco: Sunny Pawar, Dev Patel, Rooney Mara, David Wenham, Nicole Kidman, Abhishek Bharate, Divian Ladwa, Priyanka Bose, Deepti Naval, Tannishtha Chatterjee, Keshav Jadhav, Nawazuddin Siddiqui, Benjamin Rigby, Riddhi Sen, Rita Boy, Pallavi Sharda, Arka Das, Emilie Cocquerel, Sachin Joab, Menik Gooneratne

Compartilhe