Cinema com Rapadura

Críticas   quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Uma Segunda Chance para Amar (2019): romântico na medida

Uma história de amor embalada pelas composições de George Michael e pela doce e cativante voz de Emilia Clarke, cada vez mais distante da persona fria da mãe dos dragões.

A vida de Kate (Emilia Clarke) daria um filme. Ela passou por maus bocados na época mais festiva do ano, o Natal, e se recuperou milagrosamente. Porém, a seu ver, o presente divino saiu pela culatra e a sua vontade de continuar com os mesmos planos futuros também. Dessa forma, tudo o que Kate precisa agora é “Uma Segunda Chance para Amar”, título conveniente para servir mais como uma referência à autoestima da protagonista do que às suas ciladas românticas e armadilhas do coração.

Desde que se recuperou de uma doença que todos pensavam ser fatal, Kate passou a trabalhar em uma loja de artigos decorativos natalinos, comandada por Santa (Michelle Yeoh), nome oportuno para uma personagem que avalia se a protagonista foi uma boa menina ou não. Aliás, é justamente a pose rebelde e muitas vezes blasé de Kate que a torna alguém difícil de ser decifrada. Tanto a autoestima quanto os sonhos estão abalados, como dentro de um limbo, e nada do que ela faz parece tirá-la desse castigo.

Entretanto, é claro que mais alguém a tiraria de um torpor de sentimentalismo e de autopiedade. A mãe, Petra (Emma Thompson), a faz voltar à infância tantas vezes que a enorme bolha materna parece ter se instaurado mais uma vez em sua existência. Portanto, a presença materna é mais um tijolo que constrói o marasmo moral abraçado por Kate, mas é justamente por se tratar de sua mãe que algo a incomoda. Daqui, então, surge um leve questionamento.

Como em uma boa comédia romântica natalina, não são somente as reflexões de Kate a respeito de sua própria vida que constroem o filme. Há a presença de um par romântico, Tom (Henry Golding), que gera um desencontro proporcional ao romance que se instaura entre ambos. Dessa forma, as cartas estão dadas e o que poderia ser apenas mais um exemplar do gênero… o é. E isso não é um defeito.

A direção de Paul Feig, acostumado a comédias como “A Espiã que Sabia de Menos”, “As Bem-Armadas” e “Missão Madrinha de Casamento”, parece ter encontrado o tom certo para não deixar a história descambar para uma sucessão de clichês mal encaixados e resultar em um projeto dispensável. Ao contrário disso, a condução narrativa é leve e muito bem estruturada, deixando os atores dominarem cada cena e a beleza do espírito natalino, de fato, tomar conta dos quatro cantos da tela.

Enfim, o que talvez cause maior impacto ao trabalho do cineasta é mesmo o roteiro, escrito pela iniciante Bryony Kimmings e pela veterana Emma Thompson (sim, ela costuma atuar quando escreve também). O adocicado humor desse tipo de filme encontra a direção de alguém adepto de comédias escrachadas, além da fina escrita de Thompson, que sabe encontrar a humanidade dentro de cada um de seus personagens. Com isso, a união de artistas de escolas diferentes deu tão certo quanto a premissa da obra: uma homenagem às canções de George Michael.

Com a doçura de seu olhar, Emilia Clarke interpreta com eficiência a típica desajustada que precisa se encontrar. A bela voz da atriz acompanhará o espectador muito depois d o fim da sessão. Por sua vez, Henry Golding está encontrando um espaço dentre os novos galãs de filmes norte-americanos, algo que explorou bem em “Podres de Rico”. Já o elenco feminino veterano se diverte com suas respectivas participações, servindo de base aos protagonistas ao mesmo tempo que encontram o tempo de cena necessário para desenvolver suas personagens.

Em suma, essa é uma experiência que agradará aos mais doces corações. É uma produção repleta de momentos otimistas, que fazem o público se perguntar quanto ao que estão fazendo com o seu tempo na terra. Colocar tantas questões existenciais em uma narrativa marcada pelas composições de George Michael é uma demonstração de coragem e tanto por parte dos realizadores. É um filme água com açúcar que deixará o gostinho de quero mais, mesmo que você já saiba o final da história.

Denis Le Senechal Klimiuc
@rapadura

Compartilhe

Uma Segunda Chance para Amar (2019)

Last Christmas - Paul Feig

Kate (Emilia Clarke) é uma jovem inglesa cuja vida é uma bagunça. Ela trabalha como elfo em uma loja temática de natal o ano todo. Quando ela conhece Tom (Henry Golding), o que parecia impossível se torna realidade, conforme o rapaz enxerga através de todas as barreiras que ela construiu.

Roteiro: Emma Thompson

Elenco: Emilia Clarke, Henry Golding, Emma Thompson, Michelle Yeoh, Patti LuPone, Rob Delaney, Lydia Leonard, Sue Perkins, Rebecca Root, Jacqueline Ramnarine, Jade Anouka, Laura Evelyn, Ingrid Oliver, Liran Nathan, Amit Shah, Peter Serafinowicz, Boris Isaković, John-Luke Roberts, Peter Mygind, Sara Powell

Compartilhe