Cinema com Rapadura

Críticas   sexta-feira, 16 de novembro de 2018

O Quebra-Cabeça (2018): a composição de muitas peças que se perdem em uma excelente premissa

A vida de uma mulher cuja epifania a faz deixar de lado a gigantesca sombra de uma vida sem propósito

A experiência de Agnes (Kelly Macdonald, “T2 Trainspotting”) em sua vida como dona do lar se resume a cuidar da organização e limpeza de sua casa, além de alimentar pontualmente marido e filhos. Enquanto o patriarca supre as necessidades financeiras da família, em sua oficina mecânica, com a ajuda do primogênito, o mais novo engata um romance com uma jovem vegana e budista. Estas são as peças deste “O Quebra-Cabeça”.

A vida de Agnes precisa de uma epifania, e isso está claro no olhar significativo desta mulher. Em seu aniversário, quando deixa todas as peças de sua própria festa fixadas em um belo retrato, metafórico, de sua vida perfeita, Agnes ganha de presente de sua tia um quebra-cabeça. Aos poucos, ela descobre seu talento matemático em identificar formas e padrões e, desta forma, montar rapidamente o objeto de mil peças.

Mas as peças de sua vida estão soltas, como o olhar não esconde, contando com interpretação magistral de Macdonald. Ela capta as nuances da simplicidade daquela mulher, acostumada às obrigações religiosas, não perdendo sequer um horário de jantar. É por isso que a peça coringa de seu novo passatempo tem tanto significado para as mudanças que a personagem passa a se permitir.

“O Quebra-Cabeça” é uma daquelas produções que nos leva diretamente ao protagonismo não somente da atriz principal, mas, sobretudo, ao cerne da história. Aqui adaptada pela novata Polly Mann e por Oren Moverman (“The Beach Boys: Uma História de Sucesso”), a narrativa culmina em mudanças que atingem o casamento da personagem principal, o relacionamento com os filhos e a amizade com Robert (Irrfan Khan, “Inferno”), aspirante a montador profissional de quebra-cabeças que procura por uma parceira de jogo.

Aliás, é justamente quando Agnes e Robert passam a ensaiar a montagem de diferentes quebra-cabeças que a epifania passa a rondar a protagonista, transformando cada peça de sua vida em uma sucessão de questionamentos. Desta forma, é plausível que o casamento com Louie (David Denman, “Logan Lucky: Roubo em Família”) tenha suas cores divididas entre peças harmoniosas e conformistas, pois o niilismo em que Agnes se enquadra não a deixa mais se encaixar com seu dia a dia. Desta forma, não existe mais uma casa com organização, limpeza e alimentação devidamente cronometrados.

Esta é a beleza deste “O Quebra-Cabeça”. A simplicidade de uma protagonista questionadora leva o espectador diretamente ao lado de Agnes, que poderia ser a vizinha, tia ou até mesmo esposa de quem assiste ao longa. Enquanto as partes do novo passatempo dela se encaixam com o passar dos ensaios, as peças de sua vida passam a tomar outro formato, levando-a a novos caminhos.

Mas, apesar da bela premissa deste roteiro, a direção de Marc Turtletaub (produtor de “Loving” e “Meu Nome é Ray”) peca ao apresentar três personagens carismáticos que não possuem conflitos aprofundados, como é o caso de Louie, enquanto este cria tridimensionalidade em tela, levando, muitas vezes, o espectador a compreendê-lo mais do que à própria protagonista; o mesmo, por sua vez, é representado pelas intenções de Robert, criando interesse por mais sobre o personagem, quando isso, na verdade, não acontece.

Portanto, Turtletaub promove uma bela composição estética entremeada por um roteiro repleto de boas premissas, mas que peca ao não conseguir promover mais do que os principais questionamentos da protagonista. Enquanto somos apresentados ao trio de ótimos atores, seus respectivos personagens decaem no segundo ato, culminando em um atrapalhado início do terceiro, cuja mensagem é claramente a epifania de Agnes enquanto esta encontra a peça que faltava para, de fato, concluir seu passatempo: o quebra-cabeça de tomar a frente de seu destino aceitando seus fracassos e dores, sem perder, sobretudo, o talento para encontrar suas próprias formas e padrões.

Denis Le Senechal Klimiuc
@rapadura

Compartilhe

O Quebra-Cabeça (2018)

Puzzle - Marc Turtletaub

Roteiro: Oren Moverman, Polly Mann

Elenco: Kelly Macdonald, Irrfan Khan, David Denman, Bubba Weiler, Austin Abrams, Liv Hewson, Daniel Stewart Sherman, Helen Coxe, Mandela Bellamy, Lori Hammel, Lawrence Arancio, Sebastian Chacon, Barry Godin, Matthew Shifrin, Myrna Cabello, Audrie Neenan, Mhari Sandoval

Compartilhe