Cinema com Rapadura

Críticas   quarta-feira, 07 de novembro de 2018

Tudo Acaba em Festa (2018): festa de obviedades e alguns risos fáceis

Produção nacional se perde nos clichês e, ao invés de arrancar gargalhadas, tira apenas sorrisos de canto de boca.

Quem já trabalhou em uma grande empresa sabe que todos os anos são oferecidas aos funcionários grandes festas de confraternização. A famigerada “festa da firma” é amada por uns e odiada por outros, mas vira a fofoca preferida nos corredores e refeitórios após sua realização. Isso porque todas as intenções, escusas ou não, não concretizadas durante os dias de expediente podem vir à tona entre uma bebedeira e uma dança. Pensando em todos os elementos cômicos presentes nessas situações, os roteiristas de “Tudo Acaba em Festa” criaram uma espécie de “Zorra” em longa-metragem seguindo os esquetes de humor típicos do programa global, mas ligados por um fio narrativo.

A trama segue Vladimir (Marcos Veras, “Porta dos Fundos: Contrato Vitalício”), um funcionário de Recursos Humanos que precisa organizar uma festa a fim de unir as pessoas da empresa – separadas pelo ódio típico entre os seus setores –, ao mesmo tempo em que luta para salvar seu relacionamento com a bela Aline (Rosanne Mulholland, “Entre Idas e Vindas”), e tenta controlar a estagiária um tanto quanto maluca Priscilla (Giovanna Lancellotti, “Entre Abelhas”), que o está ajudando. Além disso, o presidente da companhia Senhor Takai (Nelson Freitas, “Os Saltimbancos Trapalhões: Rumo à Hollywood”) está sempre no seu pé para que tudo saia perfeito.

O filme apoia-se em seu elenco – além de muitas improvisações – para tentar tirar alguma graça das piadas formulaicas lançadas a esmo na tela. Marcos Veras possui certo carisma ao criar um Vladimir inocente, atrapalhado e charmoso, levando boa parte dos créditos pelos breves momentos que geram genuínas risadas. Giovanna Lancellotti é uma graça com o sotaque caipira e otimismo acima da média de sua Priscilla. Já a Aline de Rosanne Mulholland serve apenas como incentivo de ação para o personagem de Veras, não tendo qualquer momento útil reservado para si.

No entanto, o que mais incomoda no longa dirigido por André Pellenz (“Minha Mãe É uma Peça”) são os inúmeros clichês relacionados às profissões: os nerds do TI são antissociais e usam roupas fora de moda; os atendentes de telemarketing conversam no gerúndio mesmo quando não estão falando com um cliente; e o responsável pelo laboratório de pesquisa se veste como um cientista maluco. Evidente que clichês não são proibidos, já que são praticamente impossíveis de se evitar. Pede-se apenas um trabalho mais elaborado em subverter esses lugares-comuns ou acrescentar algo novo que os destacassem. Um bom exemplo vem do próprio filme ao fazer com que os motoboys cheios de gírias e palavrões também sejam evangélicos, criando algumas piadas ao chocar o mundo gospel com o das ruas.

Para quem gosta de histórias descompromissadas e leves e não se preocupa com elementos de roteiro ou mesmo questões estéticas, vale a ida ao cinema junto com um enorme saco de pipoca e refrigerante. Só não é possível dizer que todos irão rir de rolar no chão ou que lembrarão qualquer coisa sobre o filme depois do término da sessão. Também é preciso dizer que é possível ser leve e descompromissado com mais substancia e competência, afinal, a arte não precisa ser vaga para ser entendida pelo grande público.

Rodrigo Miguel
@rapadura

Compartilhe

Tudo Acaba em Festa (2018)

Tudo Acaba Em Festa - André Pellenz

Vlad é um dos funcionários do setor de Recursos Humanos de sua empresa. Com o fim do ano se aproximando, ele se torna o responsável por organizar a "festa da firma", uma festa de fim de ano para levantar o moral do quadro de funcionários, abalado profundamente por causa de uma sequência de demissões. Determinado a provar seu valor para sua ex-namorada, ele aceita o desafio. Tudo começa bem, mas as coisas acabam saindo do controle de Vlad, que terá que fazer o possível e o impossível para resolver todos os problemas e fazer a festa dar certo.

Roteiro: André Pellenz, Danilo Gullane, Sylvio Gonçalves, L.G. Bayão

Elenco: Marcos Veras, Rosanne Mulholland, Giovanna Lancellotti, Nelson Freitas, Stepan Nercessian, Victor Leal, Diogo Vilela, Aramis Trindade, Maria Clara Gueiros, Pablo Sanábio, Paulo Mathias Jr., Malu Valle, Amaury Jr

Compartilhe