segunda-feira, 11 de Abril de 2011

RapaduraCast 230
Influência, Bullying e a Violência

Fique a vontade para participar do nosso debate, porque aqui você sabe: "Assistir é apenas o começo"!

Aperte o Play para começar o RapaduraCast Aperte o para começar o RapaduraCast

1x 1.5x 2x
0:00:00

Depois de uma grande tragédia causada por mãos humanas, principalmente se for comandada por um jovem, a discussão sempre aparece: será que o cinema ou o entretenimento influencia nesses casos? E depois que a discussão, combate e polêmica sobre o bullying ganharam o mundo, todos querem dar o seu pitaco. Dessa vez, mesclamos vários assuntos e damos as nossas opiniões.

Jurandir Filho (Juras), Maurício Saldanha (Mau) e Affonso Solano (Affonso) conversaram sobre bullying, influencia do cinema e finalizaram com o politicamente correto. O que está acontecendo com a nossa sociedade? Isso que está acontecendo hoje é uma novidade ou vem de outras épocas? O problema é das pessoas ou do sistema educacional? Como podemos testar se aceitamos o bom e velho humor negro (conhecido como politicamente incorreto)?

Faça como a gente, dê a sua opinião.

COMENTADO NO QUADRO DE E-MAILS
Imagem: Foto do evento do #rapaduracast na Saraiva
Vídeo: Dublagem clássica do final de De Volta para o Futuro 2
Vídeo: Newton da Matta faz um tour pelos estúdios Herbert Richers

LINKS IMPORTANTES SOBRE O PROGRAMA
Blu-ray: Diário de Um Adolescente
DVD: Tiros Em Columbine
Vídeo: Zangief Kid na escola
Vídeo: Entrevista com o Zangief Kid
Vídeo: Bullying entre animais
Vídeo: Marilyn Manson falando sobre Tiros em Columbine
Site: Teste do politicamente incorreto! Vai arriscar?

ESCUTE O RAPADURACAST 72
Podcast: Cinema Influencia ou Não?

Duração: 76 min

ENDEREÇO DIRETO DO PODCAST
Acesse aqui: www.rapaduracast.com.br

SUGESTÕES, CRÍTICAS, DÚVIDAS E CHUTES NO SACO
Envie e-mails para: rapaduracast@cinemacomrapadura.com.br

RSS, FEED E ITUNES
Adicione o nosso feed: feeds.feedburner.com/rapaduracast

INFORMAÇÕES
Aperte o botão PLAY abaixo ou clique em DOWNLOAD (clique com o botão direito do mouse no link e escolha a opção Salvar Destino Como) o arquivo no formato MP3 na MELHOR QUALIDADE para o seu PC. Desfrute! 😉

Compartilhe

Participantes

Affonso Solano
Affonso Solano
@affonsosolano
Jurandir Filho
Jurandir Filho
@jurandirfilho

Ouça Também


  • Daniel Almeida-Cubatão-SP

    Nossa q sorte, passando por aqui e um cast novinho em folha, muito bom e diferente esse tema, mas Juras, esse ano não terá o cast Summer Movies??? Baixando jaaaaa…

  • Que alegria em ver mais um rapaduracast saindo do forno, parabéns!

  • Vamos ver como vai ficar meu cast preferido 😀

    • Caraca essa postagem ja tem dois milhoes de comentários haueahueua (tenho que confessar que na primeira vez eu tinha caído) eu pensava que tinha td isso de comentarios mesmo LOL

  • Sam

    bom! um rapaduracast com responsabilidade social. show de bola!

  • ô vigilia incansável. Valeu pelo presente a essa hora Jurandir. Pena que tenho que acordar cedo.

  • Ruan de Freitas

    Tema super polêmico e que deve estar muito bem explicado nesse podcast que é o melhor do Brasil 😀 Baixando …

    • Ruan de Freitas

      Juras meu velho, será que você consegue fazer um cast convidando Wendel Bezerra em um futuro outro cast sobre dublagem 😉

      • Está nos planos! 😉

        • Renato

          O Oberdan junior tambem seria uma boa, ele parou de dublar devido a baixa qualidade das dublagens que estão surgindo. E este é um assunto que deveria ser mais aprofundado em um futuro cast.

          • Esse cast com o Wendel Bezerra tem que ter o Barretão, e tem que botar os dois pra falar “Oi, eu sou o Goku.” um em seguida do outro!!!
            😀

          • Rafael oliveira

            tem que chamar o Marco ribeiro..o dublador do iusuki urameshi e jim carrey.

          • Phillipe Forte

            “Ah eu tou maluco”.rs

          • Esse sim, seria uma excelente pedida, principalmente pela liberdade que tiveram no anime YuYu Hakusho, já tive oportunidade de fazer uma pergunta pra ele num evento aqui em Brasília, ele é 10!

  • Luh

    Boa pedida esse cast 😀
    é muito saudável debater sobre isso!

  • davi chaves

    baixando!!! e de luto pelo rio!!

  • Adrian B.

    Tema excelente.
    Escutarei com o maior carinho do mundo. Abs!

  • Erik HCT

    Não gosto de comentar sem antes ouvir, mas sério? Agora semanalmente teremos os assuntos polêmicos do momento, disfarçando que é um Podcast de Cinema. Não, não é “Trollagem”, é opinião.

    • Teremos sim. Abs.

      • Erik HCT

        Juras, faltou o Siqueira, me presente representante.

    • Raphael Quetelle

      Erik, respeito sua opinião, mas não sei se você percebeu que na sinopse do podcast foi escrito o seguinte: “…será que o cinema ou o entretenimento influencia nesses casos?” Acho que isso já indica que, por mais que seja um assunto polêmico a ser discutido, o cinema está aí, sim. Além disso, a importância e o alcance que esse podcast tem tornam essa escolha ainda mais louvável e admirável, independente de o cinema ser ou não o foco principal deste podcast.

    • Nao concordo com a sua opinao, pois dublagem esta muito ligado a cinema, e o mesmo digo do podcast desta semana!

      • Erik HCT

        Deixei claro que é meu comentário sem ouvir, me incomoda temas polêmicos em alta.

    • Sinceramente não sei porque esta discussão tonta ainda continua. Princípios básicos: – TUDO pode ser ligado ao cinema.

      Não vejo motivos de bater sempre na mesma tecla, não é possível que ninguém aqui que está comentando e tem o mínimo interesse em cinema nunca viu um filme que tem algo de bullying…

      Já cansam estes comentários, se estão cansados do RC ou algo assim é só buscar outro Cast ou melhor… produzir um prá ver o trabalho que dá.

      Forte abraço.

      • Erik HCT

        Anderson, não vejo problema algum, qualquer discussão é valida, mas pra min é uma discussão que não cabe do RapaduraCast.

        • Ouça o cast, você vai perceber que tem muita coisa a ver com cinema.

          É além do mais cabe sim ao rapadura cast esse tipo de discussões,aonde mais eu iria ouvir a esse tipo de discussão seria e ao mesmo tempo falando de cinema !

        • Erik, quem decide o que cabe ou não ao RapaduraCast é a gente. Se um dia a gente falar da Barbie, é pq achamos que vale a pena um tema sobre ela. Mais do que um podcast sobre cinema, o RapaduraCast é um programa sobre a nossa (incluindo apresentadores e ouvintes) relação do mundo com o cinema.

          • Fernando de Moraes

            PodCast da barbie jááááá, auauhuhaa,eh nada Juras, eh que adorei a resposta, e respondendo ao Eric, o Cast ficar indiferente a assuntos polêmicos, principalmente quanto a uma tragédia desse porte, que pode ser facilmente relacionada a uma influência da cultura na qual vivemos, cultura essa que abrange desde religião até cinema, definitivamente não é a cara do RapaduraCast, portanto acho muito coerente o tema, inclusive quando filmes há tempos vem falndo sobre isso, como os citados “Tiros em Columbine” e o maravilhoso “Elefante”.

          • Erik HCT

            O “Cinema” Rapaduriano é bastante distorcido, parece mais a Tv sensacionalista, Cinemão.
            A Barbie têm longas animados ótimos.

          • Fernando de Moraes

            Bom, eu não vi nenhum filme da Barbie, e eu posso discordar de várias coisas que são faladas no RapaduraCast, como os próprios integrantes discordam entre si, você falar que eles estão disfarçando que isto é um PodCast de cinema, quando no mesmo o Mau cita filmes que envolvem o universo escolar e a prática do bullying (Elefante e Entre os muros da escola) e que nesses casos de chachinas em escola, sempre falam sobre a influência de várias pontos de nossa cultura, incluindo o cinema, isto pode até ser um ponto de vista limitado seu, já que a distinção entre o cinema ser consequência e possível causa do que ocorre em nossas vidas é um ponto constante nos casts, acho que você deve ter liberdade de falaro que pensa, agora se você acha que o Rapadura é distorcido e sensacionalista, não perca seu tempo aqui, procure outro Podcast de cinema tão humano, espontâneo, não deixando de ser conhecedor da filmografia sobre qual comenta, volte e nos conte qual é, ficarei agradecido, o que mais atrai os seres rapadurianos é a constante relação cinema e vida e não algo puramente técnico, se você ouve o Cast há algum tempo já deveria ter percebido isso. Bye

          • Erik HCT

            Não queria entrar nessa discussão, só queria dar meu feedback sobre o tema da semana, sou muito fã do RapaduraCast, já o conheço há muito tempo, pensava que as pessoas eram abertas pra receber o Feedback tanto negativo quanto o positivo. Eu queria muito que o Tema tivesse sido levado mesmo pro Cinema, citando filmes de Bullying como: “Te Pego Lá Fora”, e o seu “Buddy Revell”, vários, como até “De Volta Para o Futuro” e o seu Biff, evidenciando que o cinema já tratou do tema muito, e em vários filmes. Queria também que citassem filmes que influenciaram como: “Laranja Mecânica”, “A Outra História Americana”, “Trainspotting”, “Clube da Luta”, Citassem filmes que foram taxados de perigosos, e foram proibidos em vários países, que causou certa polemica, etc. Enfim aproveitar melhor o tema encaixando no contexto do Podcast.

            Não tenho intenção de ofender ninguém, muito menos criticar quem gostou, peço desculpas a quem se ofendeu, e ao Jurandir, só queria dar minha opinião (fecal). .point

          • Não diminua a sua opinião dizendo que fecal, pois assim não tem como levar a sério.

            Acho justo o seu posicionamento e esse era o nosso objetivo com o programa. Mas nem sempre conseguimos controlar o rumo da discussão. E ela acabou ficando tão interessante, que preferimos ir nela, já que fizemos referências a milhares de filmes sobre influencias e tudo no cast 72 (ouviu lá?).

            O objetivo acabou virando não repetir e dar um posicionamento diferente sobre as coisas.

          • Erik HCT

            Nenhuma opinião é absoluta, é sempre relativo, (o “fecal” foi referência ao MRG).
            Já ouvi o cast 72, e nele, vocês não destacaram tudo que eu sugeri, Acho que tudo pode estar ligado ao cinema, já que o mesmo aborda vários temas, o que quero, é; na hora que o tema seja tratado no Rapaduracast, seja trazido pro universo do cinema, não adianta ser só suas visões de cinéfilos sobre o tema, têm que contextualizar, mostrar como isso afeta o cinema, esquecer o que já foi dito, e tentar outra abordagem do tema, um bom exemplo é o Cast 121.
            E o melhor, é escolher melhor os participantes, Affonso neste Cast não dá, acho que assim que não dá pra levar a sério.

          • Tu é que está diminuindo o Affonso, como se ele não pudesse participar de um tema sério. O cara é muito inteligente, talvez vc conheça apenas a faceta engraçada dele.

          • Erik HCT

            Jurandir, você mesmo disse que os participantes são escolhidos dependendo do tema em questão, não estou diminuindo ele(acho ele ótimo). Você mesmo já disse (em algum Cast) creio eu, que Affonso combina com temas mais POP, (não foi com essas mesmas palavras).

            Você e Maurício, já vimos muitas vezes falando sério sobre um tema sério… Affonso não, sim ele é um cara inteligente, mas pra esse Cast por mais que ele tente, sempre vamos esperar uma piada a cada fim de uma frase.

            Teria mais coerência com os Casts passados o: Juliano D’Angelo, ou até o Bruno Mendonça.

  • Raphael Quetelle

    Assunto delicado e importantíssimo! Parabéns pela escolha! Espero que sirva para que todos os ouvintes pensem cada vez mais na importância de se respeitar o próximo, de se respeitar a vida! Devemos, a cada dia, exercitar nossa paciência, nossa tolerância para que possamos conviver de forma sadia e sem causar mágoas, tristeza, dor ou danos piores àqueles que nos rodeiam. Isso não é texto de “auto-ajuda”, é a minha opinião. Espero poder ouvir esse podcast o quanto antes.

    Até mais!

  • Deixei a preguiça de lado e estou comentando pela primeira vez 😉 Estou baixando agora, mas vejo potencial no tema. Sempre achei um assunto que deve ser debatido, nao so no cinema, como na televisao e nos games. Vou ouvir e retorno para comentar.

  • Marco Tulio

    Nossa, que papo mais wathever…depois de vários dias só falando disso na TV e na net, vou seco esperando um papo divertido sobre cinema…ai lá se vem de novo.

    aff

    Qdo a pauta não tiver pronta é melhor mandar aqueles casts de nostalgia, especulações….

    que seja…vou lá ouvir de novo a Trinca Pânico.

    =D

    • Erik HCT

      Tô contigo Marco, pra ver isso é só ligar a TV.

      • Alan Ongaro

        [3] .point

        • Marcelo

          [4].point

          Concordo plenamente.

          • Marcelo

            *[4] .point

      • A mídia te passa uma visão distorcida, meu caro.

    • ?

      É? E daí?

      • Cleiton

        Alguém te obrigou a ouvir o podcast? o rapadura foi o único podcast que falou sobre o assunto. Se não fossem eles o acontecimento ia passar batido como se nada tivesse acontecido.

  • Daniel Almeida-Cubatão-SP

    Juras responde aí, esse ano ainda teremos um cast sobre os Summer Movies do ano, é que me baseio nele pra saber os lançamentos mais aguardados por mim no ano…

  • Gabriel Martins

    Ainda não escutei o tema é bom mas o que me ja chamou a atenção é:

    DA ONDE É ESSA MUSICA DO INICIO DA LEITURA DE E-MAILS?

  • Opaaa NO prazo!

    Agora não posso baixar, mas amanha logo cedo baixando e conferindo!

  • Gabriel Victor

    bullying realmente não é nada além de um termo novo, pq a pratica…

    eu concordo com o mau q os nossos educadores precisam ser mais presentes e “criativos”. qdo eu era pequeno era gordo sofria chacota da sala inteira (umas 30 crianças).

    as professoras, os inspetores, enfim, não faziam nada além de dizer “gente parem de infernizar o gabriel”, ou traduzindo: “ae macacada, o ultimo a zoar o gordo é bicha!”

    qdo eu comecei a bater em quem me sacaneava a conversa mudou, sempre me pegavam pelo braço e diziam “olha o seu tamanho e olha o dele”! q qdo alguem me chamasse era pra eu falar com a professora ou com algum inspetor!! (só pode ser brincadera né? era o q eu pensava)

    um dia eu fui levado pra sala da diretora se nao me engano e ela veio com essa conversinha de novo. eu virei e disse “olha só, eu ja cansei de fazer isso e nao fazem nada! eu bato sim, se vier de novo eu bato de novo e em quem tiver junto”!

    tive que criar atitude e resolver as coisas por conta propria, pq ao q parece, varios adultos nao conseguem controlar 30 crianças tao bem qto uma unica criança.

    • Anderson

      é assim mesmo, ne. Sempre que eu batia num mané desses eu ficava de castigo. Eu sou o mau pq eu ganhei, se tivesse apanhado era inocente? esse povo de colégio… xP

      • Guilherme

        Na verdade, se a briga for em ambiente escolar, tem de se punir os dois, três, dez, sei lá quantos estiverem envolvidos. Apurando para saber o motivo da briga, recebendo o causador ou causadores, uma punição maior, mas isso é praticamente utópico, já que as “crianças” atualmente, andam muito problemáticas. Nos meus tempos de primário e até de segundo grau, o pior era alguém sair no murro com outro e na maioria das vezes ficava por isso mesmo, mas hoje em dia, as consequências se tornaram pra lá de impresíveis.

        • Anderson

          era nessa de punir os dois que eu me ferrava. Não vazia nada, tinha que brigar pra não apanhar, e ainda era punido por não ter apanhado quieto.

  • Firefox

    Muito bom o cast, infelizmente nossa sociedade atual, pelo menos na grande maioria dos países, está sendo arquiteta de sua própria destruição, os pais irresponsáveis passam a bola da educação para a escola que possui um defasado método de ensino, uma política de não educar para criar melhores pessoas, mas sim de ensinar o básico para criar mão de obra barata. Isso gera um efeito cascata que a cada geração transforma a geração seguinte num nível abaixo de sabedoria em prol de um nível acima de conhecimento, muitos hoje sabem mexer num computador, mas mal conseguem escrever uma redação sem erros de português, muitos hoje sabem mexer em máquinas complexas, mas não sabem dialogar numa reunião. Isso tudo veio da educação que empurra conteúdo e apenas isso. Mas como mudar isso, bom, poderíamos ter a esperança de mudar isso com atitude e responsabilidade, mas quando um país como o nosso, elege para cargos altos um Tiririca, sabemos que isso não vai mudar pelo menos pelos próximos 100 anos, pois já geramos a geração de pessoas que não se responsabilizam por nada e nem querem.

  • Fernando de Moraes

    Não ouvi, mas gente que sofre bullying, ou seja é zuado, tem mais é que ser que nem o Gordinho Zangief, depois fica se sentindo humilhado o resto da vida e guarda essa humilhação e raiva consigo, tentando se vingar das maneiras mais absurdas possíveis. Não seja passivo como o personagem Jesus Cristo, quem cede a outra face sempre vai apanhar, eu estou falando sério, infância e adolescência é algo que nos marca pra sempre e o ser humano expressa sua maldade para com seus colegas de escola ou rua mais sem discernimento nesta fase, não estou falando que a violência é a resposta para a violência, mas a criança ou o adolescente tem que saber lidar com a hostilidade alheia seja com o humor, sabendo se impor com palavras e em último caso a la Gordinho Zangief, mas acima de tudo acho que precisa de um mínimo de autoestima que vem quando os pais demonstram amor, respeito, pelos filhos, vários fatores podem gerar uma tragédia como a desta semana que imagino que seja o que mais motivou o cast, mas pais que não ouvem e respeitam seus filhos com certeza é o fator na maioria dos casos, o cristianismo fala para honrar pai e mãe, mas o que infelizmente mais acontece é que há tempos, os pais não honram seus filhos. Não quero ofender ninguém com minha opinião, tudo isso é sincero e de nenhuma forma ressentido, bom agora ouvirei o cast.

    • Fernando de Moraes

      Acabei de ouvir, gostei muitodo modo como foi abordado e com relação ao que o Solano disse de seu colega procurar encrenca, como passar pelo corredor cheio de jogadores e tals, considero apenas como uma forma de tentar se sentir livre na escola, isso não é uma provocação, nem procurar encrenca, é apenas poder ir e vir, o que ele deveria ter feito, se refugiar, ficar trancado na classe? Gosto de você no cast, Solano, mas não acho que ele estava procurando encrenca, apenas querendo se sentir livre, isso não é difícil de entender.

      • Acho que tem muita relação com inocência mesmo.

        • Fernando de Moraes

          Acho que possa também ser inocência, e infelizmente, acho que seria melhor para essas crianças ou adolesecentes serem mais realistas em relação ao ambiente em que vivem, é triste desejar que elas sejam menos inocentes, mas eu desejo isso, acho que esta “malícia” ou tato poderia funcionar como uma defesa. Fazendo uma ligação com o cast da Classificação Indicativa é triste ver que os filmes nos quais os adolescentes poderiam se enxergar de forma realista e não apelativa como no melhor filme do mundo(uauhauha) Magnólia e Elefante, os dois ganham R da merda da MPPA e Amigas de Colégio que é um filme extremamente sensível, delicado e encorajador nem passou pela classificação, mas de certo ganharia um R ou um NC-17, ou seja quando cineastas tem a vontade de falar para e de adolescentes, os próprios acabam encontrando empecilhos nesta merda de classificação, mas minha sobrinha de 6 anos na época me perguntou porque os pais da Isabela Nardoni tinham jogado ela, é infelizmente a vida é bem mais dura e trágica do que qualquer coisa que o cinema possa produzir, e os supostos especialistas não veem que ele também pode nos salvar. Sem muita tietagem, emocionado por você ter respondido, obrigado. Abraço a todos e estamos esperando o Forever Magnólia, porque neh até sair algo do PTA vai demorar, mas ainda bem que a Megan Ellison, filha do Larry Ellison, que só é o fundador do Oracle e foi listado como o 5º homem mais rico do mundo em 2011, vai produzir os dois filmes emperrados do Paul, e quando começou essa p… da Universal largar o projeto, pensei: não existe um milionário que goste de cinema e queira abrir mão de uns milhões pra investir no Paul? Bom apareceu a filha de um bilionário, que é melhor ainda, mas até sair né, vai demorar, bom já não tem nada a ver neh, mas então é isso,parabéns a todos. Bye

        • Fernando de Moraes

          Putz, escrevi um monte e esqueci de citar o “Escritores da Liberdade” que eu gosto muito, com a minha futura esposa Hilary Swank, huauhauha, e empora tenha sido PG-13 nos USA, aqui pegou 16.

          • Também vi Escritores da liberdade, na escola a ocasião. .lol Concordo com você em tudo e odeio essa maldita classificação indicativa. Não pela avaliação que razoavelmente faz sentido – Tipo, Rambo First Blood diz que esse filme não é indicado para menores de 12 anos, não exagera muito. Mas a odeio por que ela tira muito desses adolescentes ( na qual eu me incluo e busco me desatar ) .
            Que jovem hoje não seria alguém melhor se conhecesse ao Mestre John Hughes ? ou se motivasse vendo Sociedade dos Poetas Mortos ?
            Férias Frustradas tem um humor ótimo, conduzido com primor, delicado e agradável, e envolto numa trama sobre uma familia aliás ” coisa fragmentada hoje em dia ” … familia, isso existe hoje ?
            E da forma que o John compreendia a nós adolescentes ele tratava de imprimir isso aos seus filmes, por isso aprecio ele. .lol
            Revi Dirty Dancing faz pouco tempo pela Sessão da Tarde, permanece indelével e ainda trás lições que na futilidade dessa geração nunca se poderia ter.
            E não é só por que o jovem é americano que sejamos muito diferentes deles ” em kick-ass se vê isso, afinal, fomos enlatados U.S.A ” porque : familia ( férias frustradas ), amizade ( Conta Comigo ) e até um pouco de bobagem ( porky’s ) podíamos aprender em filmes americanos, cheios de ousadia, morbidez, tinham palavrões, eram meio chulos mas eram a despeito disso tudo ” Humanos ” e realistas como disse você.
            Eu consigo me encontrar na aflição do Ferris Bueller mas não entendo realmente os dramas vividos por essa geraçãozinha Malhação. Mesmo namorando desregradamente são eles os mais cheios de tabus sexuais, pode ?
            * É horrível essa geração que deseja crescer mais rápido e tem ao invés da malícia uma estupidez de quem, diferente de I DON’T WANT TO GROW UP, quer sim crescer, e se tornar um bruto, um adulto cheio de problemas e contas pra pagar e filho para criar.
            *¹ No desenho do mascara Skillit, que rouba a juventude das pessoas, diz algo sobre essa patologia adolescente ” crianças querem se tornar adulto mais cedo.”

          • Eu não, se pudesse ficaria pela eternidade na minha infância, me arriscando num jogo de Jumanji. 🙂

          • Eu amo John Hughes e que eu conheça ele quem melhor retratou de um jeito fácil, porém profundo, ser criança e/ou adolescente, eu fiz 25 anos agora, você deve ter no máximo 17 acho, mas não acho que sua geração é uma merda, bom talvez na sua escola a maioria pode ser idiota e as bandas e filmes de agora sejam piores, não sei se foi coincidencia, mas eu tenho vários amigos mais novos que eu, porque eu tinha uma banda de rock, agora é outra, mas na antiga o guitarrista tinha 14 anos e sempre vinha uns amigos deles aqui e não sei se o rock abriu a cabeça deles de alguma forma, mas acho eles bem menos preconceituosos que os meus amigos da minha idade, talvez os supostos ícones da sua geração sejam uma merda, mas isso não faz necessariamente dela uma merda também, mesmo todo mundo metendo o pau nos emos e afins, considero eles (não as bandas) menos idiotas que os da minha geração, não por causa da música, até porque com raras exceções eu não de gosto de hardcore, gosto de várias coisas que se entende por Rock, mas Oasis e Marilyn Manson é o que mais acho foda dos anos 90 e de 2000 tb, de agora do Brasil eu não gosto de nada, acho MPB um revival do que já não era bom, mas gosto de White Stripes (embora tenha acabado), Arctic Monkeys um pouco e falando de cinema, todo mundo gosta de falar de Orson Welles etc, falando que o cinema de agora é uma merda, mas pra mim, uma geração que tem como cineastas atuantes e em alta como Paul Thomas Anderson, Darren Aranofsky, Spike Jonze, David Fincher, Michel Gondry, Jean Pierre Jeunet, Tarantino,Wes Anderson, Charlie Kaufman (mesmo todos tendo começa a fimar na década de 90, mas se tornaram grandes na década de 2000) não deve nada para o cinema dito clássico, só estou escrevendo isso que acho que você não deve achar que todo mundo é tão igual quanto parece, se você se acha diferente dessa geração, com certeza há vários que também se enquadram nisso, talvez o acaso não te fez encontrar tantas pessoas assim, o que eu acho que realmente piorou é a caretice evangélica que se espalhou no Brasil (eu fui 5 anos um dito evangélico) fazendo com que muitos tenham uma mentalidade medieval, mas por outro lado como você disse existe uma suposta liberdade que nna verdade é uma pressão de “coma todo mundo, ganhe dinheiro e se considere moderno”, eu vejo que seja de que lado for as pessoas são condicionadas a seguir alguma coisa e não a elas próprias, acho que isso q nunca esteve tão fora de moda: PENSAR POR SI MESMO.
            P.S.: Você falou de livros chatos e tal, concordo, acho que a cultura Pop às vezes pode ser muito mais profunda que um monte de livros, mas se você quiser ler algo foda, leia “Assim falou Zaratustra” ou “O AntiCristo” do Nietzsche e o que este pode livro pode nos ensinar não é a pensar como Nietzsche, mas sim pensar por nós mesmos, abraço, valeu por comentar sobre o que eu falei, vi que você é bem participante nos comentários.
            P.S.2: Vou ver os filmes coreanos que você falou que gostou no outro comentário, e talvez e provavelmente você seja mais esperto do que eu, mas na minha concepção eu só aprendi o que é Rock And Roll ouvindo os discos Definitely Maybe e (What’s the Story) Morning Glory? do Oasis e vendo e lendo as impagáveis declarações dos irmãos Gallagher e também o Plastic Ono Band do John Lennon, que é o que o Oasis queria ser (uhauhauha), e lógico preste atenção nas letras, a música eu acho foda, mas quando você vê as letras principalmente do Lennon que você vê o quanto foda é, principalmente em “Mother”, “Working Class Hero”, “God”, “Isolation”.

          • Nietzsche ?
            Boa menção, tenho anelado ou pelo menos fitado com curiosidade sobre o nome imponente do Ecce Homo, tanto pelas boas referências, pela pequena Miss Sunshine e pela própria recorrência do nome que é imensa. Seus livros são um cult bastante respeitado hoje, talvez nós o façamos ¹mister(necessário) ” não li, abandono a hipótese” . Digo isso pois houve que em um dia, sempre, numa discussão sobre o rebuscado linguajar “¹supérfluo” do Judiciário, de acontecer de vir alguém que, para demonstrar logo ser formidável leitor e critico, dizendo ler Nietzsche e ser assíduo da ‘mpb’ – que é mais ou menos o que você disse mesmo no comentário : o ‘renascimento’de um zumbi que já não era muito vivo. De Nietzsche até me vali duma frase dele outro dia ” Todos vós, que amais o trabalho desenfreado, o vosso labor é maldição e desejo de esquecerdes quem sois.”
            Eu inteligente ? Não, sou um vil, sou a palavrinha que usou com cadencia, um indecoroso nerd de ‘merda’. O máximo que posso ter dessa agudeza foi algo que aprendi com Shakespeare : Se pode com todos um pouco se aprender.
            Ele entendeu isso e muito fez, e foi por isso que o sagram um gênio, não é o meu caso que desafio goethe e sempre perco nos meus versos infames, mesmo assim, são conselhos que muito me enriquecem.
            Obrigado pelo retorno ” ainda mais por esse pouco apurado de escrito “, e por reconhecer minha assiduidade – Pois se alguém me notou, decerto escreverei mais por isso. ” Uma resposta mitigou toda uma sofreguidão que tinha e acho ser partilhada por todos que escrevem algo, que ficam logo após emitir seus pensamentos num rito de angustia, ou aguardando somente com espírito socrático por qualquer resposta que expresse o que outros pensam da sua ideia: Seja essa boa ou ruim é válida sua interrogação, como as deixadas por Ozzy Osbourne e Marilyn Manson, o Antichrist Superstar. Com eles toda essa religiosidade burlesca, que embuça de uma maldita treva a mente das pessoas, foi denunciada e foram para mim reveladas seus segredos, só não o de Da Vinci – Aliás, sob a aparência de um católico “feito a você” furtivo estudo magia, leio Vertigo, tenho como guia a ciência e simpatia pela razão luciferiana, me embasbaco com grimórios cheios de símbolos e nem ligo para as restrições religiosas, pois para mim, quanto mais perigoso melhor.
            Sobre essa proliferação religiosa doentia é lastimável ” como sinto o sertanejo universiotário” o pior é que nem conhecem a Lutero seu implícito padroeiro. Só não arrenego totalmente com a religião pois é ela quem educa as ovelhas estúpidas, não é o único instrumento para facultar esses valores mas o único usado, infelizmente, e hipocritamente eficaz. Não se arrenego mais pois também sei que sua ausência é mais desastrosa que sua presença, poderia levar a dias funestos vindos do Niilismo, notório pensamento consagrado por Dostoeivstky.
            ” antes o tempo onde Igreja na cidade só havia e a ilusão era menos pouca.”
            Sobre o entretenimento em geral desse eu gosto. Não acho nossa geração retardada em nada, é até excedente em cores, criatividade … só em filmes de terror que isto perdeu-se, acho que se tornaram muito nojo e pouca criatividade, o terror da repugnância. E dos coloridos só me incomoda o fato de haver tanto fã para tanta frivolidade. Fora isso só a ditadura das rádios e a tv que manipula ferozmente a opinião pública, decidi a política, dita valores, decidi a preferência das pessoas, julga o que é honesto e quem é pérfido, pensam por elas, só isso me aborrece. .lol
            Sobre o cinema acho sim que houve ali uma inovação positiva que ‘cala’ figuradamente os meus aplausos para o cinema mudo; a vivacidade jovem dos filmes e a estupefata interação entre as mídias, a cultura pop e as redes sociais é espantosa, é uma identidade própria que hoje me enleva de orgulho de pertencer a geração que viveu do alvoroço causado por matrix, cresceu junta aos atores de Harry Potter e amadureceram com eles e hoje fica extasiado vendo ótimas adaptações de HQ’s. E sem esquecer, tivemos Senhor dos Anéis como tapete primeiro dessa majestade.
            E se não temos uma Cindy Lauper ser diferente é possível como sugere a Lady Gaga ” Cantora que não gosto muito mas que já fez coisas geniais e impávidas que são dignas de meu respeito ” . Tenho 15 anos só ilustrando.
            Esses diretores novos realmente me alegram : Gosto de Matthew vaughn, Edgar Wright, Christopher nolan, Zack Snyder, Tarantino, David Fincher ( esse nem tanto, já fazia nome com clube da luta sem esforço ), o próprio Aronofsky. Acho que eles dão uma cara jovem ao cinema, uma rebeldia de filme experimental, uma liberdade, uma ousadia sem precedentes desse que o Batman Darknight, junto A Origem, me fizeram ver e avaliar que o cinema pode ainda guardar ótimas surpresas !
            Sobre as pessoas recentemente estou numa grande venturança de amigos, até na internet a afinidade aumentou. Na escola, por sorte, tenho a quem conversar sobre estudos, mangas e animes, literatura, ócio, poesia e garotas, rock n’ roll, cinema, mtv, esboços de roteiro, etc.
            Me perdoe a tardança por responder, fui atalhado várias vezes e só hoje consegui consumar o comentário. ” Fora de contexto : Sim, o rock n’ roll nos liberta do preconceito, da caretice. Ver, eu acho, caras como mick jagger, Axl Rose, a pinta deixada pelos trejeitos soltos de Chris Robinson, do Black Crowes, muito phoda aliás, me fizeram despreocupar-se totalmente com aspectos caretas oriundos de uma mente fechada, imatura. Nem ligando para isso nos tornamos instantaneamente mais adultos [ aqui no bom sentido ], deve ser isso que ocorreu ao seu guitarrista.”
            Valeu mesmo e parabéns por fazer rock n’ roll de verdade nessa nação ! Te considero a voz da resistência em meio a distorção do que é entendido por rock investida pelos coloridos. E irei adotar a dica do Oasis e do Assim falou Zaratustra.
            Valeu !

          • Não só perigoso mas desavergonhado de confessar-se não um bruxo, mas um mais humano. 😉 Há até em uma HQ da Marvel, dos anos 90, uma cena onde a Ororo andava nua por sua casa e a Jean Gray nela assomou, vendo aquilo lança a ela uma critica por estar nua, e Ororo redarguiu com algo como :
            “ – Por que tenho de ter vergonha do meu corpo ? ”
            Não houve de Jean resposta.
            Aludo aqui por Nietzsche pois
            dei a graça à leitura de uma de suas obras – Crepúsculo dos ídolos – , dias atrás, que preconiza tanto ( ou máximo ? ) o que você disse muito bem “ pensar por nós mesmos ” e mais um ‘pouco’ – Que omitirei por duas razões : 1. Estou ainda pelo final de ” O problema de Sócrates “.
            2. Corro o risco de ser prolixo como dantes.
            A divagar e mais breve, queria me dizer agradecido por ter deixado nobres indicações em seu recado, uma das que aproveitei – o rock n’roll do Oasis – , que, compatível com as minhas pretensões preenchidas antes só de Guns N’ Roses, me auxiliou a moldar o gosto musical. – Que já se inclinava ao maldito, negro e abismal do Rock quando ouvia Mutantes ( da Rita Lee ) e Ozzy, mas que padecia por ‘este’ sopro inda; e valeu pelo ‘blues’ do The White Stripes, fino demais ! Alucinado, agonizante, soturno, esganiçado, subversivo, áspero nos instrumentos – Um mero Divino ! Me foi a luva conforme. 🙂
            Do OldBoy, todos os méritos para o Alan.

  • Dionelson/Dino’s

    (Affonso Solano mode on)Meuuuuu Deus!!!(Affonso Solano mode off)
    Veio a pancada de vez essa semana. Explico: Zangief Kid, Monstro de Realengo e a busca implacável da imprensa de tentar entender os motivos que o levaram a fazer o que fez(que me causa tanta revolta quanto o ato em si!), CQC dessa segunda(data de publicação do cast) com uma reportagem sobre video games influenciarem crianças e o Rapaduracast sobre Bullyng e a MERDA do politicamente correto. Tema polêmico abordado com maestria e bomhumor graças a Deus por Juras, Affonso e Mau. Sofri de “brincadeiras” de mau gosto até os 14 anos(não gosto do termo bullyng, pois ele é usado mais como termo da moda do que significado de atos) por ser tímido, gordo(até hoje e com muito orgulho)e diferente do nosso amigo Solano, por desenhar e preferir gastar meu tempo desenhando do que fazendo piadinhas com pessoal mais novo e coisa e tal. Por ter nascido em 89 ainda peguei um pouco do “Espirito Anos 80” e vi filmes que hoje são trucidados pela censura(ou como eles gostam de disfarçar “Classificação Indicativa”), lembro de ter visto Exterminador do Futuro com 7 anos e de ver todas as lutas do Tyson depois que ele saiu da prisão. Lembro que o 1º jgo que joguei no meu Snes foi Final Fight 3, popularmente chamado Briga de Rua, conheci Mortal Kombat logo após issoe todo aquele sangue e tripas jorrando não me fizeram um maníaco psicótico. Hoje em dia jogo God of War, Manhunt, Assassins Creed, GTA(qualquer versão) de forma natural por que tenho consciência de que aquilo é um jogo(ou como o Affonso muitas vezes diz no MRG(quando volta em definitivo?)faço daquilo meu “mundinho” onde extravaso todo o stress do dia a dia). Deixaria meu filho(quando tiver 1) jogar esses jogos hoje? Talvez não, seguraria um pouco, soltaria de pouco em pouco de acordo com a idade, não por querer ser certinho, mas por entender que o mundo hoje não é o mesmo de quando eu nasci e cresci até agora. Mau diz que a escola deve educar e o Juras diz que quem educa são os pais, concordo com o Juras, a educação deve vir da família, cabe a escola ensinar o que deve, pois cada familia é uma familia diferente, e a base de toda pessoa, social e psicologicamente começa pela familia. O Mau contra argumenta dizendo que o professor deve questionar sobre o que os alunos fizeram no fim de semana, mas se nem mesmo os professores conseguem se educar tanto pelo lado familiar quanto pelo lado acadêmico(não todos mas…). Mau também diz que o sistema educacional deve mudar – Concordo plenamente, escola tem de ser tempo integral, das 7 da manhã até as 18 horas, pois assim as crianças podem render mais tanto no ensino acadêmico, como no social; mas por que isso não acontece? Por que nossos maravilhosos governates perdem dinheiro, pois assim, essas mesmas crianças ao saírem da escola e não irem brincar nas ruas, não serão aliciadas ao trafego, não serão atropeladas, não serão maltratadas, para haver protestos e com isso o governo querer implantar projetos que custem milhões para construir clínicas de reabilitação, hospitais, cadeias, e eles desviaram os seus 70%(chutar por baixo)para seus bolsos. Zangief Kid virou herói por que ele fez aquilo que todo mundo(eu me incluo nessa parcela)queria fazer e não fez e caiu na rede, pois é possível que outros já tenham revidado, mas por não ter a tecnologia ao seu alcance ou ela não ter ainda chegado ao ponto que está hoje, fez com que ficasse somente no momento e na lembrança de quem estava no ocorrido.Sobre o politicamente correto só enho uma coisa a dizer:FODA-SE A MERDA QUE É O POLITICAMENTE CORRETO!!! não vou deixar de ser aquilo que sou por que um outro fica ofendido se brinco com um amigo, com um parente, com a minha irmã ou com meus pais. SE FAÇO ESSAS BRINCADEIRAS SÃO PORQUE ELES NÃO LIGAM, BRINCAM DE VOLTA E ME DERAM A LIBERDADE DE BRINCAR ASSIM COM ELES. AGORA A PARTIR DO MOMENTO QUE ELES FALAREM PAROU A BRINCADEIRA ACABOU, PARA NA HORA.

    Caraca, hoje eu escrevi… No mais, senti falta do grito do Mauricio, mas por um lado foi bom, pois não acordei meu pai com o barulho. Faltou o Siqueira e mais Affonso Solano na leitura de e-mails. E se você que leu esse comentário inteiro, entrou no JesusManeiro e não deu risada, tenho pena de você…
    Vlw rapaduras aquele abraço e até semana que vem.

    Ps: Não falem palavrões, senão Jesus fodem com vocês!!! Até +

    • “escola tem de ser tempo integral, das 7 da manhã até as 18 horas”
      Cara,você concorda que educação vem da familia,mais com esse tempo de escola quase nem vai ter tempo pra familia.:P
      Brincadeiras a parte,acho que deveríamos ter a escolha das aulas,por exemplo substituir 1 de física por 1 de filosofia(que todos na minha classe dizem servir so pra vestibular,mas ao contrario disso penso que é o que é o conhecimento que irei levar pra toda profissão que eu for),por isso acho que o tempo de aula pode ser das 7 ate as 15 horas,as aulas normais de manhã e a escolha de aulas a tarde,ou você escolher de ambos os horários.

      • Opa: coloquei 1 que é ,a mais. desculpa.

      • Dionelson/Dino’s

        então diminui a carga horaria de trabalho semanal, pois o horario que coloco de exemplo, é o horario normal que as pessoa trabalham e o tempo de sair do trabalho, pegar filho na escola e ir pra casa fica +/- fechadinho, e sobre substituir as aulas como você disse é uma boa também. mas entendi seu ponto assim como acho que você entendeu o meu. vlw?

        • Guilherme

          Fala sério, escola nesse tempo todo é quase um regime prisional, ainda mais com um sistema educacional arcaico, com métodos de ensino e uma penca de atividades um tanto questionáveis.
          É muito complicado aguentar isso, já achava difícil as 6 horas, fico me imaginando passar esse tempo todo na escola, ia acabar matando muito mais aulas do que matei.

          • Dionelson/Dino’s

            Já acho que esse poderia ser muito bem utilizado desde que seja de uma maneira não prisional como você coloca. Poderia ter aulas de informática, desenho, atividades físicas, bem mais aproveitoso do que sair chegar em casa, não ter o que fazer e ir pra rua fazer qualquer coisa…

          • Guilherme

            Poderia ser, mas em educação infelizmente (ou felizmente?) não há receita de bolo, as medidas não irão funcionar com todos, ideal seria a escola oferecer as opções e que cada um fizesse aquilo que realmente se estivesse afim, sem que fosse obrigado a isso.

    • Alex

      Sobre o “Jesus Manero”… Tem um outro site muito legal também, é o “Um sábado qualquer”. Pra quem não conhece, tai o link:

      http://www.umsabadoqualquer.com/

      Abraço rapadurianos!

  • Luis

    Quando vao fazer o Forever : O Exorcista???

  • Major Meatbone

    Tenho interesse no assunto. Acredito que será um bom cast. Vou escutar e volto para comentar.

    CUIDADO COM O BULLYING NOS COMENTÁRIOS! 😀

    • Major Meatbone

      É… Eu falei que o tema era interessante, pois existem vários filmes que retratam o bullying no cinema como “bang bang você morreu” entre outros, nos games e na literatura.

      Mas na minha opinião de merda, acho que a discussão acabou indo mais para o lado do que já está se vendo na TV. Mais do mesmo!

      Poderíamos ter usado essa oportunidade para falarmos da enorme lista de filmes que tratam de bullying (Meninas Malvadas, Ponte para Terabítia, Tiros em Columbine, Nunca fui beijada, Um Grande Garoto, Forrest Gump, Querido Frankie, Three O’Clock High que no Brasil se chamou te pego lá fora e o recente As Melhores Coisas da vida), esses são os que eu me lembro, mas existem milhares que podíamos ter discutido e até feito um paralelo aos recentes acontecimentos.

      Então Rapadurianos, vamos completar o cast com informações relevantes e indicações de filmes, livros e games que tratem o assunto.

      No mais agradeço ao Maurício, Solano (esse sacaneou muita gente desenhando na escola) e Jurandir pela oportunidade de comentarmos a assunto! Abraço!

  • Lunatic

    Tema um pouco pesado, mas baixando. .style

    • Lunatic

      Esta semana:
      Nerdcast 1 x 0 Rapaduracast

  • Cleber

    Sobre essa coisa toda de influência, o genio Frank Zappa certa vez falou:

    “Existe mais canções de amor do que qualquer outro tipo. Se canções influenciasse as pessoas, amaríamos uns aos outros.”

    Que vale não só para a música, como pra qualquer outra forma de arte. Essa ideia de influência é algo muito complicado de se definir. Acredito que a ciência tenha a mesma conclusão que eu: Uma mente sã esta bem acima de qualquer tipo de influência destrutiva.

    • Guilherme

      Só é influenciado quem se permite sê-lo, mesmo que seja inconscientemente.

  • Matteus

    Fala galera,,
    Axei q a idéia do rapaduracast era fazer casts sobre cultura pop ligado ao cinema… Gostava mais dessa epoca..
    Pelo menos vão poder comentar bastante oq gastaram uns 20 min no cast anterior, falando das trolagem no twitter e tals..
    Apesar de tudo vou baixar para ouvir, adoro o trabalho de vcs..
    ABRS.

    • Matteus

      Ham.. Interessante, acabei de ler a descrição do cast melhor, e la ta escrito q vão abordar o tema de acordo com meus de entreterimento..
      Eh bom ler a descrição as vezes haiaiahia
      Desculpem,, abraços.

  • Victor Hugo

    Humm, tema em voga..importantíssimo, apesar do que dizem.
    Criança e adolescente são os bichos mais escrotos do mundo. Eles são super sinceros e não disfarçam o que pensam, e quando junta um monte, então, quem segura a massa.
    Isso sempre teve na sociedade, apesar de ter aumentado desde os anos 80, mas não se pode fazer muito. Eu fui zoado desde a 5ª série. Tem uma hora que acostuma mas se pegar pesado, a raiva sobe mesmo. Ainda bem que tive bons amigos pra segurar a minha barra. Davam apoio e conviviam comigo.
    Mas quando metem que não se pode educar criança direito, dar umas palmadas ou deixar de castigo, direitos humanos e tal, aí elas ficam mal acostumadas. Não sinto saudade dessa época, mas de jeito nenhum penso que filmes influenciam. O que influencia é o tipo de ambiente que se vive. Sempre assisti muitos filmes, nem por isso fico com vontade de matar quem me zoa. Isso é da pessoa!

  • Boa galera!!! Bem pensado o tema.

    Parabens e tenho certeza que vou gostar bastante do papo.

    😉

  • Luiz Henrique Alvares

    Tenso esse tema hem…
    Sei que existem alguns filmes que retratam isso, outros acabam influenciando mesmo. Acho que foi em 2006 que um rapaz asiático entrou numa escola e atirou em todo mundo (vocês devem lembrar)…antes ele enviou uma mensagem em vídeo e umas fotos para um jornal, boa parte delas parecia fazer referência ao Justiceiro.
    Claro que o problema não é o personagem, mas sim, a sanidade mental do espectador.

  • 1 milhão de coisas gostaria de escrever.

    Mas ao final do cast o Afonso foi quem resumiu bem as coisas.

    Eu sou Professor de História, faço pós-graduação com outros tantos professores, troco informações então entendo, ao menos, um pouco sobre o assunto educação e educador.

    A humanidade, a violência esta ai desde sempre, e vem reduzindo, sim vem reduzindo. O lance é, as loucuras estão mais evidentes e claro vamos falar de proporcionalidades.

    O Mauricio seria um bom demagogo ou talvez só esteja com boas idéias mas não tem noção de como elas poderiam ser aplicadas realmente.

    Uma vez um professor veio do Rio Grande do Sul e me deu exemplo que na cidadezinha dele tudo funcionava otimamente, perguntei depois de tantos exemplos dados, quantas pessoas existiam ensta cidade maravilhosa, ele disse pouco mais de 8 mil (se lembro bem). Por favor né, com 8 mil pessoas é fácil arrumar qualquer exemplo.

    Resumindo. Infelizmente é impossível em uma sociedade tão elástica, inchadas e atarefada sentar em 1 sala com 25 alunos que sejam, e perguntar sobre a vida de cada um. E quando vou poder passar a matéria? perguntar 25 pessoas sobre 1 pouco de sua vida, nem que sejam 5 minutos para cada um consumiriam quase todo tempo que deveria ser usado para ensina as matérias do vestibular.

    Enfim. Enviarei email contato mais coisas. Abraço ótimo cast.

    • Quem disse que a matéria é tão importante? a maior parte do que o professor passa os alunos ignoram completamente. Custa tanto tirar uma aula no mês ou na semana para perguntar como estão os alunos? será que trata-los como gente é tão difícil?

      O que é demagogia: tentar trata-los como gente ou fingir que ensina enquanto eles fingem que aprendem?

      será que é tão impossível assim? será que alguém de fato tentou?

      Quanto mais a tecnologia avança, mas faz menos diferença o quanto você sabe de fato, basta uma pesquisa na internet e o conhecimento está a sua frente.

      Quando vamos parar de passar decorebas para nossos alunos e vamos ensina-los a pensar, a procurar, a viver?

      • Muito bonito.
        Quem disse que matéria é tão importante?

        O sistema de ensino. Sem a tal matéria você simplesmente não terá o suporte para fazer uma maldita prova de vestibular.

        Demagogia é não esta inserido no contexto do entendimento fundamental e de fato tentar fazer a coisa acontecer e criticar como a tal coisa esta acontecendo. Se você se pergunta se é possível é sinal que vc nem ao menos tentou.

        Buscar informação na internet é valido, sim é valido, faço isto até hoje, mas sem a instrução correta você não saberá separar errado do certo.

        Como disse em meu post, mas não deve ter ficado nada claro, a sociedade das metrópoles não suporta a calma, a maioria dos pais, exigem que você passe trabalhos e trabalhos para o filho para o jovem ficar ocupado e não perturbar a mão/pai em casa.

        Caso você não termine a matéria certinha do livro você é cobrado para saber o motivo de não atingir a “meta” da totalidade da matéria.

        Não tenho muita experiência como professor, mas já vivi um tempo em sala e a capacidade vai de professor para professor. Eu lido muito melhor com o aluno como um ser humano único, o fato, que com +1 em sala de aula. Mas como falei, em todo lugar existem bons e maus profissionais.

        Vamos parar de passar decorebas quando a educação como um todo for igualitária, não importa se você estuda no GPI ou no colégio estadual.

        Sem a decoreba nas escolas publicas ou nos bairros menos abastados você só vai perder as vagas para o aluno dos cursinhos, o do PH, e de todos estes institutos caros onde não estudamos.

        Infelizmente sem decoreba vamos formar melhores seres humanos, realmente, mas muito poucos vão ser melhores que auxiliares administrativos aos 35 anos de idade.

        • Concordo com você, só não acho que devemos ser vítimas do sistema de ensino. A maior parte dos professores consegue tirar a primeira aula para perguntar o nome de cada aluno para depois trata-los como números isso sim é demagogia, falsidade e hipocrisia…

          Gostaria de lembrar que a realidade das crianças não se resume ao vestibular. Será que precisamos correr o tempo todo? O vestibular é uma maratona que começa no ensino fundamental ou é um tiro de 100 metros no último ano escolar? Falando de vestibular, quantos alunos nem sabem o que vão fazer da vida?

          Fala-se de correria, mas quantos alunos do PH/GPI vivem essa “correria”? Vamos diferir o que é pressa do que é descaso e alienação. Será que um pai que paga mais de 1500 reais para um filho estudar ignora sua educação? Antes do vestibular esse aluno fazia o que? provavelmente tinha uma gama absurda de atividades extras, tais como ensino de idiomas, música, dança, artes marcias etc. Senão tinha ele tem um computador em casa, acesso a cinema e livros.

          A correria se torna a desculpa para ignoramos tudo. É o famoso “Não tenho tempo”, praticado por tantos que sabemos não levar a lugar algum. O aluno decora aquilo tudo, passa num vestibular e aos 35 anos de idade pode até não ser uma auxiliar administrativo, mas também não sabe o que é, ou seja, não é ninguém.

          Lembrei agora do filme Crash: “Em Los Angeles ninguém te toca. Estamos sempre atrás do metal e do vidro. Acho que sentimos tanta falta desse toque, que batemos uns nos outros só para sentir alguma coisa.” ou ainda de Clube da Luta e tantos outros, quando vamos sair dessa pressa maluca e vamos nos enxergar como pessoas? Me preocupa muito quando o professor, que deveria ser um dos principais agentes dessa mudança, se vê enjaulado num sistema de ensino falido.

          • Exatamente enjaulados.

            O aluno quer mais, precisa de mais, porem os alunos que possuem uma educação elevada correm atrás da educação que seus pais idealizam. Eu mesmo já tive oportunidade de dedicar 1 tempo para a turma, ainda era estagiário e sabe que ganhei? Nada. E ainda a turma dizia “nossa para conversar com professor melhor ficar em casa”.

            Não desisti por causa disto, mas estou no inicio de uma batalha que infelizmente estarei pulando. Pois, na faculdade e nas escolas da “Elite” financeira a educação e o professor são tratados diferentes, mas próximos de um quartel, verdade, mas ao menos temos uma turma disposta a discutir razões e motivos dos fatos, mesmo que diga que a importância única é o vestibular, mas quem sabe outrora eles verão o quanto foi importante.

            Como comentei abaixo, faltou no assunto um ou 2 professores efetivamente, pessoas que estão vivendo isto, em escola publica de uma GRANDE cidade e um que lecione em uma escola de alto nível.
            Você esta certo em criticar, mas não pense que a grande parte dos professores não estão todos os dias secando gelo, pena que muitos vão desistindo com o passar dos anos, não os culpo, ainda sou novo e espero eu não passar por isso jamais.
            Se você vez faculdade deve entender, nem lá a turma mantém um silencio quando o professor está falando, imagina em uma sala com 40 jovens de 12 anos.

            Enfim. Mudanças tem de vir, mas da mesma forma que a campanhas de se conscientizar o povo para qualquer coisa, que tal existir campanhas para mostrar que você, responsável tem mais obrigações que imagina.

  • Ótimo cast!!!

    Concordo que essa onda de politicamente correto que está no ar é um porre! Mas eu tenho uma teoria: a má interpretação do que a gente fala é a pura e simples falta de conhecimento. O indivíduo que acha que uma determinada pessoa está “trollando” e na realidade esta está apenas brincando ou contando uma piada, é uma pessoa que não tem a capacidade de fazer interpretação de texto e entender o contexto da situação.

    Essa é a maneira mais séria, pq eu diria que é um idiota….e nós que estamos cada vez mais na internet vemos o que a falta de interpretação de texto está fazendo conosco, fica difícil engolir tanta bobagem e começamos a nos abster de comentar já imaginando o que se terá que explicar depois…

    Bjs pra vcs =)

  • sinceramente não tenho muito que comentar, acho que o assunto foi muito bem tratado, visto que vocês souberam analisar de vários angulos, acho que influenciar é a real palavra, mas não quer dizer que vai definir atitudes, ser influenciado depende muito da formação, da situação social e de diversos fatores, eu mesmo sou influenciado por podcasts, porem tento filtrar sempre coisas que acho correto, que são compatíveis com meus preceitos, porém limites devem ser colocados por nós mesmos, já que permitir ser muito influênciado nos descaracteriza como pessoa.

  • jefferson

    um tema muito polemico e que esta em alta na midia vai ser legal ouvir a opnião de vcs,obrigado por mais um cast

  • Ainda bem que existe twitter!! Fiquei sabendo do cast por lá, sempre baixo na quarta! Que bom que sai logo!
    Muito bom o cast, na minha opinião o maior problema é que o pais não estão mais ensinado os filhos a respeitar o próximo, a vida alheia, nem mesmo a própria vida e quanto menos os próprios pais!! Então as más amizades, os programas, filmes games violentos ensinam! Cara se vc tem uma base firme, que seus pais lhe deram, vc passa por tudo e não se corrompe!Vi um caso de bullyng com a filha de um amigo, ela reagiu a agressora e a mesma foi buscar uma tesoura em casa para pegar a menina! O meu amigo, quando soube, foi falar com o pai e o mesmo pôs ele para correr com uma arma! A que ponto a sociedade esta chegando! Todo mundo só quer ter razão e direitos, mas muitos vivem passando por cima dos direitos dos outros! Sei que escola não tem obrigação de fazer o papel dos pais, mas deveria ter uma matéria, tipo “Viva em sociedade”, “Direitos e deveres de todos”, algo nessa linha, tipo como se faz na educação das leis de transito! Se o respeito fosse implantando desde pequeno, muitos e muito problemas, leis e absurdos nem existiriam!
    Valeu!
    Bené

  • OMG

    “FAP”, “Suck Me”, um cara coloca na parede outro cara enquanto outro filma a “ação”( olha a perna do cara da direta…WTF? .assustado )…Essa imagem é muito homosexual para o meu gosto, em vez causar espanto, causou graça. Quanto ao assunto, whatever, sempre teve algum maluco para fazer merda, sorte que o cara foi pro inferno e não vai incomodar mais, mas a midia insiste em coçar o assunto, afinal ganham dinheiro noticiando desgraças, bando de abutres…

  • Marcelo Neves

    Assunto extenso muito extenso… mas com certeza o consenso final e conviver.

    Mesmo se vc for um filho da puta do mal, vc tem que arrumar um jeito de conviver seu porra.

    .

    Do mais na boa, se o Mauricio mantivesse esse nível de seriedade nos outros CAST com certeza seria muito melhor! essa putiçe de critico choram e muito vergonha alheia.

  • Marcelo Neves

    Alguns videos Interessantes! do Geoger carlin sobre assunto tabu…

    http://www.youtube.com/watch?v=n2Grs4wODWY

    http://www.youtube.com/watch?v=jNMq3M79AgE

    http://www.youtube.com/watch?v=X_Di4Hh7rK0

    pra quem não conheço o Carlin, vejam!

    • Não conhecia, assisti, adorei, dei risada e até bati palmas.

    • Muitoooooooo foda, não conhecia,parece que lá nos USA, apesar de tudo o que se fala deles, o humor não é hipócrita como o nosso, salvo exceções como Rafinha Bastos, Danilo Gentili, que se inspiram neles, aqui o humor é uma ofensa. Valeu pelos links

  • Ótimo cast.

    Ouço a um ano e este é o meu primeiro comentário, sou um dos ouvintes “calados”. Sou de Campo Grande – MS

    No mês passado eu vi o caso zangief kid, e eu ri, lembrei da minha época de colégio. Mas Fiquei impressionado com o jornal essa semana, com as mortes, uma tragédia, “coisa dos gringos” .

    E então com as noticias essa semana eu parei e pensei, “será que eu tinha causado isso em alguém na minha época?”, fiquei com um duvida foda, pois na minha época ou pelo menos no meu colégio não tinha uma pessoa perseguida como são esses casos, todo mundo era zuado e todos zuavam, mas sempre tem os casos mais freqüentes.

    Para não prolongar o comentário, acredito que a melhor coisa seria melhorar a educação na escola, e eu vejo o esporte como a forma mais fácil de um professor se aproximar de um aluno.

    Sempre pratiquei artes marciais acredito que seria a forma mais eficaz de disciplinar crianças sem que elas “percebam”. Isso acaba se tornando algo natural, pois leva a disciplina e diversão em conjunto, somado a todos os benefícios que sempre são ligados ao esporte.

    De qualquer maneira, parabéns pelo cast, ótimo trabalho de vocês continuem com os temas polêmicos errar ou não, faz parte do processo. Seria ótimo se todos levassem pra vida uma reflexão em relação a esse post.

    Abraço.

    • Guilherme

      Zoação é diferente, eu gosto de sacanear até hoje e com isso sempre fui sacaneado também, mas nunca ninguém extrapolou o limite do suportável pelo menos comigo, porque pelo que entendo do bullying, ele vai além deste ponto, incorporando outras ações além da simples chacota.

      • Sim, mas em alguns casos a linha entre um e outro é tênue.

        O negocio é quando ter um filho ensinar ele a ser equilibrado, para não ser afetado pelo mundo.

        • Guilherme

          Eu acho que esse “equilíbrio” só vem com a vivência, só o tempo para trazê-lo. É muito difícil para os pais ensinarem isso, o que eles podem fazer no máximo, pelo menos na minha opinião, é ensinar conceitos, dar exemplo e corrigir o figura quando ele tiver meio fora da curva, sendo que essa última anda meio fora de moda nos últimos tempos, pode-se considerar uma das causas da falta de limites de algumas crinças e aborrecentes.

          • perfeito.

            a educação em casa é a base, não tem como esconder alguem do mundo.

            é as pessoas andam tão acomodadas que tem preguiça até de corrigir o filho.

  • Danny Maia

    Tema para gerar muita discussão. Atual e infelizmente não ficcional.
    Vamos ao cast…

    • Danny Maia

      Seja qual for o gatilho ou a motivação do bullying, devemos fazer o possível para repeli-lo.
      As marcas deixadas por esta agressão, por mais profundas que sejam, não podem servir de desculpa para se propagar esse erro.
      Assim como não podemos culpar os games, filmes e afins de incentivar este tipo de violência. Quando se tem algum tipo de distúrbio (seja de qualquer espécie, físico, mental, emocional, espiritual), todo e qualquer pequeno estímulo canalizado de maneira errônea pode causar desastres.
      Como diria o cartunista Borjalo: “A televisão é a janela do mundo e nós não podemos culpar a janela pela sua paisagem.”

  • Régis Moura

    Tema meio batido, mas já que tô aqui vou ouvir. .lol

  • Rafael Filho

    Vocês deveriam fazer um cast sobre Chaves. TEMA OBRIGATORIO, po.

  • Mateus Barboza

    Cara, faltou um psiquiatra nesse cast, tem muita cagação de regra.

  • Realmente eu acho que o cinema influência, agora saber se é para um lado positivo ou negativo varia de cada um.

  • Erik HCT

    Então… Ouvi, e gostei muito, gostei da discussão, gostei do Podcast, o problema é que como um Cast do “RapaduraCast” ele é péssimo, como um outro Cast sobre atualidade é ótimo. Não quero ficar batendo na mesma tecla (literalmente), mas já disse que não me agradam temas assim fora do estilo e identidade do programa. São temas como este, que cabem em qualquer Podcast… Qualquer Podcast menos um, cujo foco é Cinema.

    • josnel

      Cara, sinceramente, e daí?
      Nunca aconteceu de você ter alguma coisa programada pra fazer, e, de repente, aconteceu algo que deixou você chocado, que marcou, e você mudou a programação???
      PQP, foi o que aconteceu! Vai morrer porque nessa semana o assunto principal não foi cinema?
      Vou te contar, viu…

      • Erik HCT

        É extremamente difícil aceitar uma pessoa que não gostou de algo que você gostou?, é fácil dizer e dai? sem ter um bom argumento. Não estou criticando ninguén que gostou do programa, estou criticando o programa em si, que bom que gostaram, eu não.

  • Marcos Thorkill / RJ

    NÃO AGUENTO MAIS OUVIR FALAR DE VIOLENCIA!! .raiva .raiva .raiva MAS SE TRATANDO DO RAPADURACAST VOU DAR UMA ESCUTADA. .lol .lol

  • Edmilson

    Cast com potencial de ser polemico, moro em Realengo, vou ouvir e depois comento com o resultado!

  • Opa…. tema forte, bom, mas forte. Baixarei e ouvirei com atenção. farei questão de comentar… Como futura educadora, sou bastante interessada em debater o assunto.

  • Rafael CS

    Tema super polêmico , Baixando …
    Faltou o Sicas .

    • Faltou o Sicas . 🙁

    • O Sicas tava com uma inflamação no ouvido (conhecido como otite). Teve que passar 4/5 dias sem colocar fone de ouvido ou escutar algum som alto. Por isso não pode participar.

      • Dionelson/Dino’s

        foi os dias que ele ficou reclamando no twitter que tava demorando demais pra passar???

      • Rafael CS

        Melhoras para ele . 😉

  • Diego-Arnold

    Finalmente !!! 😀 😀

    otimo tema !! 😀 😀

    e o Solano de volta !! 😀 😀

  • Diogo Souza

    Exelente progama,otimo tema mesmo,estavamos precisando repensar o assunto desse modo.

  • Perfeito!
    Falaram tudo sobre essa mudança no método da escola de ensinar,que e necessária.
    Na minha sala o que mais vejo são adolescente dormindo,conversando ou fingindo que estão aprendendo,a professores que fizeram essa renovação,e é nessa em que vemos os todos os alunos acordados , rindo e realmente aprendendo.
    Parabéns por mais um rapadura cast excelente.

  • Edmilson

    Acabei de ouvir.

    No japão, se não me engano, em turmas de primário tem 10 alunos por professor. No Brasil os alunos são protegidos demais, se o professor da uma bronca no aluno que está tirando a ordem da sala os pais até o ameaçam de morte e o agridem, se um aluno bate no professor, queba braços ou algo do gênero, coisa que já vi acontecer no Brasil, o máximo que acontece é ser transferido de escola. Falta mais respeito as leis e a sociedade. Concordo que o politicamente correto matou as conversas de amigos, as brincadeiras sem intenção de magoar e que não tem objetivo de causar dano, mas é como disseram, outros leem, outros escutam e assim aquela simples conversa de amigos se torna algo publico. Vivemos na era da censura e “nazismo” do politicamente correto, todos podem pensar mas não podem falar, todos devem mentir na sociedade e omitir oque pensam sobre assuntos polêmicos ou concordar com a maioria se não quiserem ser perseguidos. E o mais importante! Esqueceram de mencionar o site http://www.umsabadoqualquer.com , um ótimo site de tirinhas baseadas em Deus e suas experiências, volta e meia aparece alguem querendo pregar, sem entneder que se trata de tirinhas, criatividade e humor no melhor estilo Carlos Ruas. Conheçam!

    • Edmilson

      PS: sou aluno de nível superior e a coisa não melhora muito, uma das minhas turmas tem 70 alunos. Fica inviável para qualquer professor ter um relacionamento mais individualizado com cada aluno com este volume de pessoas por turma.

  • Muito bom, parabéns pela forma como abordaram o assunto!

  • Saulo Lopes

    Muito bom meessssmo. Papo serio.
    3 coisas:
    1 Vcs falaram das pessoas que sofrem bullying, piram e machucam outros. Esqueceram dos que machucam a si mesmos.

    Tenho 23 anos e moro em Somerville- massachussets Eua a 4 anos e meio e nesse tempo ja assisti muito sobre bullying na tv. O assunto teve grande repercussao na midia depois dos 3 casos (que eu lembro, devem ter mais) de adolescentes que se suicidaram por nao aguentar mais ser humilhado na escola.
    Depois da tragedia, jornalistas e pais discutem e tentam achar um culpado. Na verdade, culpados sao todos os que conheceram estas crian;cas e nao perceberam o sofrimento que elas iam acumulando. Falta coragen e atitude em todos os que veem o bullying acontecendo
    e pensam “esta briga nao e’ minha.

    2 Sobre o significado da palavra vergonha que o mauricio falou, em ingles ha’ uma diferenca interessante: usa-se “shame” ou “shy” para traduzir. “Shame” e’ apenas com rela;cao ao sentimento vergonha(falta de honra)ou seja SENTIR vergonha “to be ashamed” ou “Shame on you!”(mas que vergonha!).
    “Shy” e’ a traducao da vergonha no sentido timidez: “Don’t be shy” (Nao seja envergonhado/timido).
    pra ser menos confuso: Shame e’ a vegonha que vc sente e shy e’ o envergonhado que vc o e’.

    3 Nao tem problema nenhum em ter bom humor, afinal ninguem gosta de gente leva tudo a serio, que qualquer brincadeira ou comentario e’ motivo pra ofensa ou porrada. Porem o bom senso deve ser o limiar entre a brincadeira e a escrotidao. Com bom senso e’ possivel ser legal e engra;cado sem magoar os outros.

    Um grande abrac;o,
    deste fa satisfeito e silencioso desde o premio podcast 2008.

    Saulo

    PS: m$%*@ de teclado em ingles.

    • Nao tem problema nenhum em ter bom humor, afinal ninguem gosta de gente leva tudo a serio, que qualquer brincadeira ou comentário é motivo pra ofensa ou porrada. Porém o bom senso deve ser o limiar entre a brincadeira e a escrotidao. Com bom senso é possivel ser legal e engraçado sem magoar os outros.

    • Nao tem problema nenhum em ter bom humor, afinal ninguem gosta de gente leva tudo a serio, que qualquer brincadeira ou comentário é motivo pra ofensa ou porrada. Porém o bom senso deve ser o limiar entre a brincadeira e a escrotidao. Com bom senso é possivel ser legal e engraçado sem magoar os outros.
      [3]

  • Rato de sebo

    Olá galera, aqui é o Rodrigo, Rato de sebo e eu já fui bullynado e contra-bullynei para me defender.

    Peguei epatite e fiquei todo amarelo por causa da doença e por isso faltei uma semana na escola. A turma ficou sabendo da doença e quando voltei, um dos colegas resolveu me apelidar de polenta pq eu tinha ficado amarelo igual um pacote de polenta. Falei pra ele – Olha pra vc com esse monte de pinta de beleza, vc parece um cachorro dálmata, a o cara nunca mais me chamou de polenta. hehehehehe
    Em outra situação um camarada não foi com a minha cara e queria briga no final da aula do dia segyinte, levei um nunchaku pra aula e deixei cair da mala bem na frente do cara, a professora levou o meu equipamento para o gabinete da diretora ai era pra eu buscar no final da aula. Fui buscar o nu nchaku no final da aula antes da saída – Acha que o cara estava me esperando no portão??????? Nunca mais o cara tirou com a minha cara.

    Na verdade tudo influencia para o bem ou para o mal, basta que o receptor tenha o dice rnimento para o qual lado ele vai levar tal informação.

    OBS – Esse( Bem vindos ao mundo espetacular do cinema não valeu hein) hehehehehehehehe
    Até a próxima

    • Lunatic

      Em outra situação um camarada não foi com a minha cara e queria briga “no final da aula do dia segyinte, levei um nunchaku pra aula e deixei cair da mala bem na frente do cara, a professora levou o meu equipamento para o gabinete da diretora ai era pra eu buscar no final da aula. Fui buscar o nunchaku no final da aula antes da saída – Acha que o cara estava me esperando no portão??????? Nunca mais o cara tirou com a minha cara.”
      LOL

      • Sabia de caras que levavam adagas para a escola ” talvez pensasse que fosse o Jiraya ” já você ‘ Um nunchaku ! ‘, talvez pensasse que fosse o Michelangelo. Cara …. tu é muito louco [ no bom sentido ] .lol .

  • Faltou um professor no tema =p

    Alguém que vivesse a sala de aula. Perfeito seria se o mesmo professor desse aulas em escola publica e em escolas de elite.

    • 2

    • Minha professora de Português diz que o desinteresse pelos alunos é o mesmo.

      • O problema da escola é a motivação : falta aos professores que se vêem inermes e desalentados ante a pouca devoção dos alunos com os estudos, falta aos alunos que se vêem perdidos.
        É difícil motivar quando a meta suprema é passar no vestibular e todo o resto é secundário.
        Mesmo obrigando é difícil que alguém leia a Guimarães Rosa, e ainda, com raro gosto quando há.
        É difícil para um educador também, ele não pode levar seus alunos para o cinema para aprender com filmes pois criou-se aquela imagem de que aluno só aprende com a cara concentrada nos livros ” que geralmente aponta que ele não entende nada do que ele está lendo “.
        Na minha escola há uma puta burocracia até para você acessar a sala de informática. Tem que ter senha, pedir autorização e agendar horários as vezes … aff. Nem dá para usar os recursos que a escola oferece. E livros, se na maioria das vezes você só o lê para saber do que se trata a história, pra que livro nada atraentes se podíamos contar histórias com quadrinhos ?

  • Cleiton Domazak

    Excelente forma que foi abordado o tema no programa, pois mtos comentam sobre isso cheios de demagogia e dedos. Parabéns, pois foi comentado com muito cuidado, mas com muita verdade, doa a quem doer.

  • Caio Freitas

    Eu quero dar pro Affonso

  • Eu sou um leitor assíduo do Jesus Manero! Muito comédia!

  • Well, well… o cast foi bom para instigar uma discussão sobre o assunto, mas eu discordo de muitas coisas ditas aí. Ou melhor, acho que, por alguns momentos, foi feita uma análise superficial.

    Vamos lá:

    1) Nem toda criança introvertida é, necessariamente, vítima de bullying. Ou, caso seja, é um suicida/homicida em potencial.
    São diversos fatores que estão envolvidos: a formação da pessoa, sua personalidade, seu psicológico, o tipo de ofensa que sofreu ou, ainda, o apoio (ou a falta dele) que recebe.

    2) O que falta hoje, na minha humilde opinião, é ensinar às crianças desde cedo o real significado e a importância do RESPEITO. O Affonso falou de “escolhas erradas”. Sinceramente? Esse pensamento é arbitrário! Pq uma criança tem que fingir ser o que não é para agradar os outros? Pq ela tem que se esconder ou ceder às exigências de um grupo que se considera superior para não ser ofendido? Tem de se ensinar às crianças que as diferenças fazem parte da nossa sociedade e que cabe a cada um respeitar a condição do outro. Se alguém é gordo, magro, feio ou bonito o que importa? Pq eu tenho que apontar no outro aquilo que eu considero um defeito? Pq eu tenho que rotular alguém com apelidos ofensivos? Nada disso é desculpável ou aceitável. Se há desrespeito, tem de haver punição para aquele que ofende e acompanhamento psicológico para o ofendido.

    3) O sistema educacional não tem tanta culpa nesse sentido, mesmo pq existem professores bons e ruins, escolas boas e ruins… Volto a apertar a mesma tecla: RESPEITO. Esse valor tem de ser ensinado em casa e nas escolas. Tem de se investir na formação do caráter das crianças e adolescentes.

    4) Sobre rotular tudo como trollagem e bullying, eu tbm discordo um pouco. Não se trata tanto do que se fala mas de quem fala e COMO fala. Vc pode brincar com alguém que lhe dê intimidade, mas não pode estender alguns tipos de brincadeiras a outras pessoas que tem outros valores, outras histórias de vida e assim por diante… Nesse caso também a palavra é RESPEITO. O problema não é a palavra NEGRO, Negão, BRANCO, galego, GORDO, MAGRO…. Mas sim como essas palavras são usadas.

    Bem, essa é minha opinião como pessoa e como futura professora. =)

    • Fernando de Moraes

      Concordo com você, mas acho difícil pensar em punição para garotos e garotas de 10, 11 anos que já podem ser um tanto maldosos, acho que os pais podem com amor, RESPEITO, ouvindo e encorajando seus filhos, fazer com que o bullying ou sejá lá o que for, não seja algo que destrua a autoestima da criança e do adolescente, porque não é pessimismo meu, mas isso nunca vai acabar, o que pode mudar é isso não afetar enormemente a suposta “vítima”, acredito que quando os pais derem suporte emocional aos seus filhos, a escola não vai machucar tanto as crianças e adolescentes. Agora, quando os pais vão criar jeito? Isso eu não sei mesmo. Você já viu “Escritores da Liberdade”? Pode parecer meio ingênuo, mas eu achei muito bonito, bjo, tchau

      • Sim, sim…. eu disse que, caso mesmo sendo ensinado o respeito a criança cometa bullying ela tem de ser repreendida. Não falei em agressão e sim em punição. A criança tem de saber que o que ela fez está errado. Vi sim Escritores da Liberdade e até acho que um método semelhante funcionaria em alguns casos…. mas nos outros o pulso forte, um pouco de autoridade não faz mal.

        • Fernando de Moraes

          Eu entendi que você não falou em agressão e sim punição, e eu disse que os que sofrem bullyin muitas vezes por não serem vslorizados por seus pais acabam multiplicando o efeito de revolta, de se sentir inferior e tal, só conheço mesmo minha sobrinha de criança e disse que não sei como poderia ser essa punição.

          • A punição, no caso, seria um castigo, além da bronca. A criança tem de entender que tudo ue ela faz acarreta uma consequencia. Isso não dispensa o apoio psicológico.
            Sei que muitas crianças se tornam violentas por se sentirem rejeitadas em casa… mas tem muitas que são asim por influência de outros fatores, por inclinação da personalidade e etc….

            Em todo caso, uma boa bronca e um castigo não fazem mal a ninguém.

          • *Nos dois casos

  • Filipe

    eu quero é o cast duplex do Thor com todo mundo e os 2 Thiagos e que seja legal que nem o cast do Homem de Ferro 2

    • Se rolar esse cast será depois do lançamento do filme.
      Também estou na torcida para que esse cast aconteça e com os dois Thiagos, embora eu sinta que Thor não será tão bom quanto Iron Man.

  • O Afonso Solano mencionou um ponto interessante, sobre a “diminuição” da pessoa em fóruns da internet, quando alguém que não concorda com a opinião alheia tenta usar algum argumento estapafúrdio que nada tem a ver com o que foi dito, quando lhe faltam argumentos válidos.

    Lembrando do cast passado, lembro de vááários argumentos “diminuidores” que as pessoas que não gostam de dublagem usam para tentar “contra-argumentar” quem as defende: analfabeto (não sabe ler, por isso prefere dublado), preguiçoso, não gosta de ler, “pobre” (“pobre é ignorante, por isso prefere dublagem”), “burro” (quem é “culto” só assiste no original), criança (“dublagem é coisa de criança”: logo, tenta acusar as pessoas de serem infantis, imaturas), e por aí vai.

    Muito bom programa. Um assunto polêmico e delicado, mas que acabou não ficando piegas, apesar de ter sido conduzido por pessoas que não são especialistas e nem tão entendidas no assunto. Só 3 pessoas comuns que tentaram argumentar os motivos de tais atos.

  • Ouvindo e comentando… sobre os caminhos errados.

    O moleque que passava no corredor do time de futebol… ele tava no direito dele de ir por onde quisesse. Os errados eram os “agressores”.

    Ele estando certo, porque é ele quem teria de se privar dos direitos, enquanto os errados agem livremente?

    Então ele vai lá e enfrenta… e ninguém pode condenar ele. Melhor do que se esconder. Mais “honrado”. E as autoridades deviam ir em seu auxílio, ou não?

  • Fabricio Freitas

    Sei bem como é essa parada de bullying. Sou gordo e sempre fui sacaneado por isso, mas, apreendi a conviver com essas coisas e hoje levo na esportiva.

  • Marcos

    Ja não bastava a decepção do tema do Justin Biba? 🙁

  • Maurício mandou muito muito bem nesse cast, parabéns Mau!
    Alias, todos foram ótimo, cada um do seu jeito, mas o Mau surpreendeu, e sempre surpreende quando entra nessa linha de pensamento, vc tem grandes idéias cara! Precisamos mais delas e de gente igual você (e isso pq as vezes discordo da suas opniões em vários filmes, mas não da pa negar que vc é um ser humano enorme!)

    • Fernando de Moraes

      Concordo plenamente, o que eu mais adoro no Mau é que ele sempre responde os assuntos com filmes no caso aqui por exemplo: “Elefante” e “Entre os muros da escola”, além de pensamentos muito profundos

      • Luh

        aham gosto disso tb
        qualquer assunto abordado gosto de exemplos com filmes ou livros
        eu sempre aprendo e compreendo melhor com exemplos 😀

      • Concordo com vcs.
        Boa parte do que o Mau falou, o mesmo não deixou de citar filmes relacionados. Serve para os apressadinhos que só de lerem o tema já vão falando que o cast não tem nada a ver com cinema.

        • O Mau falou no Cast, mas vocês viram Magnólia? Pra mim tudo o que fala no filme é sobre pais e filhos, e como isso influencia a pessoa pro resto da vida. E tem o “Escritores da Liberdade” que eu adorei na época, preciso ver de novo, mas fala mas de aluno-escola-professor e só de ver a Hillary Swank já me agrada

          • Eu vi “Escritores da Liberdade” e também adorei. Fala de gangues, de preconceitos, de religião, de amizades, de amor ao que faz, de sofrimento e até pelo simples fato da pessoa morar no subúrbio.

          • Ah! E vi Magnólia tbm. Sobre o modo como os pais educam/tratam seus filhos, é óbvio que influenciará no futuro. Ás vezes, um minuto que vc dá de atenção ao que o seu filho pede, já faz uma enorme diferença.

  • André Nunes de Lima

    Discussão muuuuito interessante,
    não ouvi mas ja to dando minha opinião 😀

  • Godiles

    Uma sitação que se encaixaria perfeitamente pro cast seria o filme “Preciosa” que resume boa parte do que foi comentado no cast…

    Muito bom btw [=

  • Diego Martins

    Melhor coisa que o CCR fez foi adicionar o Affonso ao elenco, ‘tava faltando um pouco de humor no poadcast desde a saída do PH, e pra mim, o Solano desempenha esse ‘papel’ com maestria. Parabéns aê. 🙂

  • Ótimo podcast. Só gostaria de acrescentar que na minha escola(na década de 80, obviamente) os gordinhos não sofriam bullying… Pelo contrário, eles metiam a porrada na gurizada. Até porque eram maiores e mais fortes.

    Affonso, pelo amor de Deus, estou rindo até agora com as tuas sacadas, desde os comentários… “Meu Deus, qual o problema da sua mãe…”

    E a comparação com a prisão foi perfeita!

    abraços!

  • Alexandre

    sobre a relaçao professor x aluno que se ve no ensino hj em dia… tem um anime que retrata muito bem isso, até mesmo o esforço do professor tentando se aproximar de seus alunos problemáticos. Para quem se interessar chama-se GTO (Great Teacher Onizuka), relativamente antigo mas muito engraçado na maioria do tempo e igualmente profundo algumas vezes.

    abraço

    • Guilherme

      Nunca vi esse, mas tem um que retrata muito bem essa coisa mecânica que acontece nas salas de aula e na nossa vida também. O anime se chama Earth Girl Arjuna, se não me engano é no episódio 5 ou 6, ela tem com seu professor, um dos diálogos mais fodas que já vi.

  • Rafael CS

    Gostei muito do Mau nesse Cast . 😀

  • Laudemir Rosa

    Mais um Grande Cast, Eu acho q ate no bom humor deve se ter um limite, Só eh bom Humor quando os dois lados da piada dão risadas…

    e Eu acho q não passei no teste do bom humor… mais whatever,

    Sei que consigo fazer muito mais gente rir, do que chorar….

  • Roger

    Da série frases fora de contexto:
    “…então ele ficava engasgado com essa porra na garganta…”
    Affonso Solano (minuto 34:17)

    • Luana

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkk…

  • Cleiton

    Achei o programa uma mer… e por incrível que pareça o único que falou algo coerente foi o Maurício Saldanha, brincar com outros temas tudo bem, mas com uma coisa séria dessas como elez fizeram eu acho meio sem noção.

    • sério mesmo??? já um motivo para nao assistir, mas mesmo assim vou tentar ouvir…

  • O tema é polêmico tanto aqui, quanto em qualquer outro lugar. Como o Juras falou, muitas brincadeiras para o Olhar de fora se tornam bullying mesmo sendo entre amigos.
    Também acho que os pais devem conversar mais com os filhos no seu crescimento e observar as atitudes com irmãos e colegas.
    Na época em que eu estudava, não sofria tanto com bullying, mas sempre tinha alguma piadinha relacionada a minha cor (sou negra), sobre o meu cabelo, ou meu corpo. Só não era pior porque eu jogava e era a capitã do time de Handball da escola. Mas mesmo assim muitas piadas acabavam me deixando triste. Com sorte de ter uma mãe/amiga, muitas vezes não levava a sério ou fingia que não ouvia e continuava a fazer o meu dever. Se tinha que discutir com alguém, era sempre na base da conversa e não como muitas(os) meninas(os) que já iam na base do tapa ou porrada.

    Sobre o o teste: Lembro que entrei no site JM quando o Juras twittou há um tempo atrás sobre o post ser engraçado. Ao terminar de ver ri e continuei vendo os outros e rindo muito mais. Tanto que minha amiga que não curte certos tipos de brincadeiras relacionadas a Jesus ou religião, ficou me olhando e mesmo sem ver as imagens e só de me ver rindo e eu falando o que estava escrito, riu da situação (ela disse que ria de mim e não das mensagens, mas não sei não). Hoje, o site está nos favoritos e sigo no twitter.

  • Rafael oliveira

    galera acho que vcs são o melhor podcast do Brasil,pois vejo educação e coerencia naquilo que vcs falam…..a vida não é so entretenimento, por isso tem sim que abordar temas serios como a situação da nossa educação nas escolas.
    e o affonso é muito fera, tem que participar mais vezes.

  • Carlos

    Pessoal que música era aquela do final do cast? Achei foda………..

    • Pixies – Where is my Mind (Fight Club Soundtrack)
      http://www.youtube.com/watch?v=RCD14IrOcIs

      Toca no final, acho que é no final, no filme Clube da Luta que é muito foda,eu nem gosto muito de Nirvana (prefiro Oasis, Metallica), mas o Kurt citava Pixies como uma de suas bandas preferidas.

  • ZecaLoteiro – analista de sistemas, São Bernardo do Campo, SP

    Fala rapadurianos,
    Acho o assunto muito delicado, e polêmico.

    Tenho o pensamento de que tudo que vivenciamos, influência na nossa vida, na nossa personalidade… E isso é que nos difere um dos outros.

    Mas em certo momento o Jurandir confunde influência com culpa.
    E diz que ele também curte games e nem por isso vai sair matando por aí.
    Acho que ele pode afirmar isso por que não sofreu/vivenciou as mesmas coisas que alguém que sai matando por aí vivenciou. Acho que o amor que os pais dão (ou não) influencia, o bullying na escola influencia, o filme que ele assiste influencia, e a combinação dessas influencias molda a personalidade de cada um, mas não pode-se dizer que algo que influencia é o culpado por determinado ato, cada influencia tem peso diferente e reação diferente em cada um.

    Quanto à questão da educação, acho um absurdo, alunos saírem da escola sem ter uma matéria de educação financeira, afinal todos serão obrigados a aprenderem na marra como administrar seu dinheiro, e outros assuntos como convivência em sociedade e outros valores….

    Parabéns pelo cast…
    Abçs.

  • Fabrício Carraro

    O Afonso é sempre engraçadíssimo nos cast, deveria estar sempre!

    Ótimo assunto, e boa lembrança do Mau com o “Entre os Muros da Escola”. Tem outro filme francês também que trata um pouco esse assunto e é ótimo, se chama “O Dia da Saia”. É até mais forte que o anterior, mas filmes franceses e alemães geralmente sabem lidar muito bem com assuntos assim!

  • Alan Ongaro

    O melhor filme sobre bullyng EVER se chama: Te pego lá fora.

    Obra-prima da sétima arte. .lol

    • Stark

      Filme MUITO bom. Sem dúvidas Jerry Mitchell e Buddy Revell constam entre as lendas da Sessão da Tarde!

      A propósito, seria realmente maneiro um podcast sobre esses personagens icônicos que marcaram a Sessão da Tarde.

    • Lunatic

      era nesse filme onde o cara pega a professora? Faz seculos que vi, muito engraçado.

    • Não acho, até pq quem provoca o Buddy é o Jerry.

      • Alan Ongaro – 23 PG SP

        Como assim provoca??!! Hahahaha foi só uma tapinha amigável no ombro. Ta certo que o nerd tinha acabado de mijar, mas foi sem intenção alguma. O Buddy é que era muito estressado mesmo. .lol

    • Esses dias mesmo, aliviado por que acabou a semana pra mim, era uma sexta-feira toda nostálgica, resolvi aproveitar o embalo e revivi, pela internet, esse ícone da sessão da tarde. É muito engraçado mesmo e tem ótimas cenas ” é bem aquilo mesmo que acontece nas escolas quando há uma briga, .lol ”
      Assisti esse filme na sessão da tarde quando era mais novo e a Sessão da tarde não era Sessão Pet da tarde. 🙂
      Alan, numa outra edição você que já me admirava falando distintamente de Akira Kurosawa me deixou pasmado ao falar de cinema coreano num outro comentário; citou Chan-wook Park ” simplesmente incrível ” e este que me deixou extasiado com o seu belíssimo OldBoy.
      Nunca tinha me passado pela cabeça ir buscar por filmes orientais. Para isso acontecer tive que eu primeiro : … decidi jogar seu nome no google ” pois se escrevia bem é lógico que devia fazer outras coisas pela internet ” . Descobri que possui um site – Cine Korea – com ele me veio esse influxo de buscar por filmes orientais e mais mangás além do Dr.Slump que eu já lia. Até comecei a quebrar a cabeça para traduzir o Kojiki e melhorar durante a tradução o meu inglês, uma ajuda mútua.
      Sem querer ser bajulador mas já sendo, a sua sugestão merece toda a minha estima e você o meu respeito cara. O Siqueira que gosta de hq me devolveu esse hábito por ler hq, hoje graphic novels’s; como a você o meu gosto por filmes de arte marciais que adorava tanto e nem sabia porquê. Quando terminei de ver OldBoy, uma obra com requintes de violência Tarantinescos, fiquei num arroubo daqueles que se só tive antes com 2001 : Uma Odisseia no Espaço. Que beleza aquelas cenas, muito phoda… tinha que agredecer a você.
      Desculpe-me, estou estudando intensamente ultimamente e nem me houve tempo para comentar. Mas logo fazerei isso. Valeu mesmo cara !

      • Alan Ongaro – 23 PG SP

        Po cara, fico feliz em saber que você se interessou por cinema oriental por uma indicação minha. Sou muito fã do cinema sul coreano e se você quiser mais algumas dicas fique à vontade para me mandar um e-mail para trocar uma idéia.

        Enquanto isso, de uma olhada na minha lista de filmes sul coreano favoritos: http://www.listal.com/list/korean-movies

        Abraço.

  • exemplo de “bullyng” no reino animal:

    Dragões de Komodo disputam território em longas lutas. O perdedor fica parado enquanto o vencedor arranha seu couro diante de todos os outros, como forma de humilhação perante os demais.

    Bullyng é algo muito primitivo no reino animal….

  • Como muitos aqui sofri bullying quando criança. Era e ainda sou gordo e sempre tive os peitos avantajados. Hoje falo sobre isso normalmente, não por ter feito alguma cirurgia, mas simplesmente por ter me aceitado.

    Além dos pensamentos de não conseguir ninguém e de ser zoado o tempo todo, sempre me sentia no inferno ao voltar a pé para casa e ver que o meu peito era maior do que o das meninas da minha idade.

    Durante essa fase reagi com violência e ganhei meu falso respeito. Ainda mexiam comigo, mas com um certo receio.

    Muito tempo passou e consegui minha namorada em uma sala de bate-papo, estou com ela a 9 anos e durante esse tempo todo conheci o podcast Papo de Gordo. Ali veio a confiança, a falta do preconceito e a alta estima.

    Hoje ainda peso 113 kilos mas vejo a vida de uma maneira diferente, só farei alguma operação se esse peso acima do que seria normal para mim começar influenciar minha saúde.

    Abraços. 😉

  • kkkkkkkkkkk … ri bagarai com o jesus maneiro.

    sou politicamente incorreto, sim. nasci nos anos 80 e adolecência nos anos 90, vivência maravilhosa …. brincava e brigava na rua, sessão da tarde com MAMILOS e violência, cara, programa da xuxa teve até a música ao vivo “short dick man”, censura inexistente … saudoso tempo que não volta mais!!!

  • Confesso que me surpreendi com a escolha do tema, e comecei a ouvir já esperando uma discussão menos ‘cinematográfica’ e mais de feeling, de discussão de opiniões e sobre as experiências de cada um.

    Nesse sentido, foi uma edição muito boa. Alguns aqui se manifestaram contra, e acharam o cast desnecessário ou coisa assim. Vejo de forma diferente porque o RapaduraCast vai além da simples discussão sobre cinema; é uma conversa entre amigos desobrigada de roteiro, onde ouvimos a opinião de pessoas que admiramos e debatemos.

    Quanto ao tema “bullying”, eu como testemunha de Jeová e nerd, sempre fui alvo de piadinhas, brincadeiras sem graça, mas felizmente nada que chegasse à agressão física. Confesso que o que ouvi algumas vezes me feriu e me deixou triste, mas olhando para trás não encaro aquilo como bullying, já que muita gente passou por coisas piores do que eu.

    Tudo o que lemos, vemos ou ouvimos pode sim nos influenciar de alguma maneira, isso é inegável. Agora, quando uma pessoa apresenta alguma forma de desequilíbrio emocional ou psicológico, ela precisa de um acompanhamento mais próximo, para que aquilo que ela consome não se torne um catalisador para ações terríveis contra si ou outras pessoas.

    No todo, excelente discussão, e recitando Chaplin, “sorria, de que adianta chorar? Você verá que a vida ainda vale a pena se apenas sorrir.”

    • Willtage

      Cara, você é a cópia do Milhouse. FATO .exclamation

      Hahahaha…

      Se seu pai tiver bigode, eu faço um live action.

    • Willtage

      Melhor ainda, você a cópia do filho do Flammers, kekekeke…

      Abs!

      • Milhouse ou filho do Flanders, não sei qual me deixa mais triste.. hahahahaha

        Mas falando sério, tem horas que me acho realmente parecido com o Milhouse. .cry

        Fisicamente falando, meu pai é careca e gordo. Mas ele NÃO é um bêbado, antes que venha a comparação com o Homer…. .lol

  • Lucas A – Dark Giygas

    Excelente podcast, foi um tema muito interessante.

    Uma pergunta para o Jurandir, esqueci de pedir isso nos comentários do podcast sobre o Danny Elfman. Vocês irão fazer um Jukebox Maestro sobre o Michael Giacchino?
    Tudo bem que ele é meio novato, em comparação com os outros que tiveram um podcast, mas ele ganhou o Oscar pelo Up, e fez muitos outros trabalhos em jogos e séries, além de ter feito a melhor trilha sonora de todos os tempos(na minha opinião de merda), que é a de LOST.

    • A cada edição do Jukebox Maestro eu me pergunto isso… Sou fã do Giacchino, mas acho que ainda falta mais alguns trabalhos pra fechar a conta, de pelo menos uns 10 ou 12 músicas-tema. Mas se não tiver nenhuma obrigação com número de faixas, acho que já deveria rolar esse ano! 😀

      • Victor Fagundes

        Concordo com o Guilherme,quanto ao fato de ele ter carreira recente.Mas seria muito bom ouvir uma edição Jukebox Maestro sobre o cara.
        Ele é o culpado por eu passar a dar atenção para trilhas sonoras,ir atrás de cd’s e tudo mais.
        E Lucas,assino embaixo: a trilha de Lost é fodástica (não sei se a melhor de todos os tempos).

  • Ricardo

    Tá bom do Maurício Saldanha tirar umas férias, né não? Voz irritante!

    • Phillipe Forte

      Cara, precisar ser ignorante naum.

    • josnel

      Cheira a minha cueca.

    • Fernando de Moraes

      Não, não ta bom. Voz irritante? Você ouve a quanto tempo o Cast, agora a voz do Mauricio (que eu acho muito engraçada) está te irritando, se você não gosta ou gostou de alguma coisa, citealgo mais plausivel.

  • Bill

    eu sempre sofri muito de ‘bullying’ na escola, qdo esse termo nem sequer existia…já passei por tudo na escola e confesso que já desejei muito ver a desgraça daqueles que abusavam de mim, tanto que qdo soube q um deles morreu de acidente de carro eu falei ‘ foi tarde’…não senti nenhuma pena, mas prazer…e o q me consola é q hj eu estou por cima e eles não passam dos verdadeiros losers…

  • Mais uma vez, pegando carona em temas polémicos…não acredito que cinema influencie, até por que não é o caso de também considerar os videogames, é muito fácil apontar culpados nessa loucura humana. è verdade quando que dizem que populaçoes tendem ao caos, pois sempre existe gente maluca entre nós, o problema é que nao identificamos com facilidade. O tema é oportuno por discutir a violencia, agora ligar ela ao cinema realmente é uma consideração muito infeliz….

  • Jonatas Silvestrini

    Excelente cast. O tema é polemico, mas vocês conseguiram discutir sem fazer estardalhaço. Parabéns. E pra falar a verdade achei o Mau até bem calminho nesse cast. Vocês doparam ele? kkkkkk. Mas enfim, vamos por partes. Eu acho que o cinema, jogos, música, arte, novelas, influenciam sim, como tudo na vida.

    Enquanto ao bullying sofri sim enquanto criança e um pouco na adolescência. Eu sempre fui gordo, nerd e tenho a coluna um pouco torta, então já viu, né? Eu escolhi ficar no meu canto durante o tempo de escola e as poucas garotas que tentei chagar me falaram “não” e as vezes me esculacharam, então nunca tive namorada na escola. Mas não guardo mágoa não. Hoje em dia se alguem me chama de gordo eu penso “F***-se! eu sou gordo mesmo!” e ainda não arranjei uma namorada como nosso amigo ony2005, mas to a procura. rsrsrs.

    E sobre o politicamente correto, só digo duas coisas. Favoritei o Jesus Maneiro no meu Firefox e quando perguntam sobre minha religião eu respondo que sou espírita… de porco. rsrsrs. Cara, é engraçado, eu nasci no começo da década de 90 e tive a adolescência nos anos 2000, mas eu sou saudosista de uma forma tão forte e curiosa dos anos 80 que eu tenho um MSX, e prefiro um milhão de vezes Michael Jackson e Iron Maiden à Justin Bieber e Fresno! E falando dos anos 80, não sei se já perguntaram isso pra você Juras, mas vai ter mais 99vidas?

    Abraços.

  • Willtage

    Adorei o cast, achei muito gostoso esse papo descontraído, um programa que mais pareceu uma conversa com os ouvintes. Parabéns Jurandir, Mauricio e Afonso, excelente cast.

    Abs! 😉

  • Jean, 23 anos, profissional de TI, Campos-RJ

    Sobre bullying, minha infância também foi marcada por essas situações constrangedoras a que alguns são submetidos. Como sempre fui tímido e calado, era zuado e, às vezes, agredido por colegas de escola e primos.

    Obviamente, minha cabeça de criança pensava em devolver todas as ofensas da forma mais violenta possível. Mas os anos me trouxeram o autoconhecimento necessário para relevar tudo isso e viver uma vida normal, mesmo ainda sendo introvertido como sempre.

  • Mauro

    Gostava mais do tempo em que bullying, se chamava de zoaçao ou assédio moral. Palahaçada essa mania de brasileiro colocar tudo em ingles de um tempo para cá.

  • Phillipe Forte

    Sobre o tema naum gostei. Naum qr dizer q o cast seja ruim. Esse tema na enchendo jah na mídia. Acho q principal influência posso dizer assim 80% pra cima são dos pais. Isso mostra apenas um fracassos de um monte de coisa. Agora como os pais naum viram o garoto trancado num porão? Como naum perceberam nd?

    Sobre a mídia q fica repetindo a msm noticia para dar mais comoção ao mundo. Vou deixar só um link aqui.

    http://www.escribacafe.com/como-voce-e-manipulado-sem-saber/

  • CHEWBACCA

    caraca vcs viram os videos do cara no you tube ele realmente sofria bullynng deu uma certa pena,mas o cara era muito trastornado e maluco

  • Olá dupla dinamica, beleza?!
    Adorei o tema

    Eu também fui muito zoado (era o termo usado na minha epoca de escola) devido ao meu estrabismo e o aspecto Nerd de ser.

    Mesmo sendo tão zoado na escola eu usei essas zoações como degraus para subir na vida. Quanto mais eu era zoado, mais eu desenvolvia mais crescia em conhecimento. Acredito que a galera de hoje em dia não sabem lidar com zoação, se usacem isso como um obstaculo a ser vencido, seria muito melhor.

    Durante o cast eu pude perceber que o fato do Affonso Solano ser o desenhista da escola, foi só uma forma que o cerebro dele achou para não ser zoado, é como uma fuga, no meu caso eu usei toda minha nerdice e conhecimento para ser reconhecido na sala de aula e não ser mais zoado. E se eu fosse zoado por alguem, um aluno mais destacado ou forte da sala me defendia, pois sabia que eu era o mais Nerd da sala. Foi assim que cresci e sai daquele colégio 😀

    E até hoje muitos dos que me zoaram, perderam tempo, repetiram de ano etc.

    Sucesso ahe pra vcs e um forte abraço
    Namastê

  • Victor Hugo

    Pô, Mauricio mandou muito bem!!!
    Excelente discussão, vários pontos de vista. Excelente cast para um tema tão delicado!!!

  • Podcast também tem assunto de utilidade pública, parabéns muito bom o tema.

  • Diego-Arnold

    É verdade não leve a vida tão a serio

    Devemos agradecer aquele que lutou, morreu e ressuscitou por nós. Obrigado Goku [:D]

  • iskaminien

    Juras, no MRG e MDM eles zoam os ouvintes e falam merda direto e ninguém reclama. O problema é que vocês aqui são péssimos comediantes 🙁
    E devolvam o Affonso de volta para o MRG. Obrigado.

    • O RapaduraCast não é um programa de humor. Não se engane. Mesmo que as vezes a gente converse na esportiva e saia até alguma coisa engraçada, o programa não é de humor e NUNCA quis ser. E mais, nunca tentamos ser.

      A gente leva a sério nossas discussões e pontos de vistas, principalmente pelo número de pessoas que conseguimos alcançar e os temas que abordamos.

      • Alan Ongaro – 23 PG SP

        Affonso rules! O cara é engraçado demais e acrescenta muito em todas as discussões!

      • Meu, embora eu amar demais cinema, o maior motivo para ouvir casts sobre alguns temas que eu não que conheço merda nenhuma (como HQ) ou que à primeira vista não me interessa muito, é o humor que os rapaduras tem, velho, Juras, você poderia ir pro Oriente Médio pacificar a área lá, porque você responde muito gentil a comentários que quando eu leio meu instinto natural é falar pro enconsto qualquer expressão mal educada, o que eu podia fazer aqui, já que neh como ouvinte, eu não preciso ser tão diplomático como você que é o profissional da coisa, mas como infelizmente sempre há alguns chatos, os comentários poderiam mudar para “xingamentos” ou “Ouvintes: Se matem virtualmente”. Vocês são sempre muito engraçados, principalmente você, O Mau, o Solano e o falecido virtual (uahuahaa) PH, mesmo tendo certeza de que vocês saibam muito bem da enorme competencia que possuem, que inclue humor, mesmo essa não sendo a tônica do Cast, me sinto obrigado a responder certos comentários, não pra bajular vocês, mas só pra dizer que sei que é foda fazer tudo o que vocês fazem para ouvir uns comentários sem nenhum fundamento. Algumas pessoas não entenderam que elas podem discordar uma das outras e mesmo assim salientar o que há de comum entre elas, eu não concordo com tudo que é falado no Cast e se alguém não concorda deveria falar do assunto e não partir pro pessoal, afinal, vocês mesmo sempre discordam um do outro nos Casts, resumindo, mesmo morrendo de raiva com algumas coisas que são faladas no cast, acho vocês foda, porque o mais bonito não é simplesmente concordar com algo e sim pode discutir sobre. Parabéns!!!! RC Forever!!!

    • “Juras, no MRG e MDM eles zoam os ouvintes e falam merda direto e ninguém reclama.”

      Ninguem reclama pois o Hell explode em BH quem tenta .capetarindo

      HUEHUEHUEHUEHUEHUEHU!

  • Pessoas diferentes reagem de forma diferentes a uma mesma situação. Além disso, existe sempre a tendência de pensarmos que nossos problemas são maiores que os dos outros, apesar de ser tudo uma questão relativa.

    Alguns podem encarar situações com bom humor, enquanto outros entram em depressão nas mesmas condições. Trata-se de entender que algumas pessoas tem mais facilidade para lidar com algumas coisas e não com outras. E também, uma pessoa que já passou por algum momento de crise e superou irá lidar melhor com uma nova situação semelhante do que aquela que nunca teve uma experiência parecida.

    Infelizmente, não sei se existe solução, mas se cada um fizer sua parte, já ajuda bastante!

    “Devemos agradecer aquele que lutou, morreu e ressuscitou por nós. Obrigado Goku [:D]”²

  • Maclaud

    Juras, excelente cast, boa discussão sobre o tema, pena que não deu pra incluir aí os filmes relacionados.

    Só uma ressalva: faltou logo no inicio do cast definir o que é “bullying”. Porque essa palavra é empregada para os bullies, os que buscam humilhar, ofender, desprezar e envergonhar os mais fracos ou as minorias. Os casos de Realengo ou Columbine NÃO SÃO BULLYING. Você pode chamar de chacina, assassinato em massa, ação psicopata, mas não bullying, porque o bullie não visa matar, mas sim subjugar o outro!
    Se fosse assim, Hitler seria um dos bullies mais importantes da história. Temos que ser mais seletivo no uso dos termos, senão tudo fica muito abrangente.

    Quanto à sua opinião que a resposta ao bullie é devolver porrada, acho que não dá pra ser sempre assim. O caso do Zangief Kid foi exceção, e o saúdo por isso, pois me senti redimido ao ver sua atitude, mas na maioria das vezes não acaba bem. Veja aquele exemplo mostrado no filme “Deixa ela entrar”:

    *** SPOILER ALERT!!! ***

    O garoto fez o que ela sugeriu, foi lá e revidou. Ótimo, a primeira impressão é que funcionou, mas e depois?
    Ele seria efetivamente morto, se ela não interviesse a seu favor no último instante!

    Por isso, a solução mais eficaz contra o bullying é a denuncia, e é a resposta neutra. Sempre que se puxa uma arma, o outro vai puxar uma maior.
    Gandhi mudou e libertou uma nação agindo na pacificação.
    Jesus de Nazaré – citado no cast, inclusive – disse esta máxima:
    “Aqueles que vivem pela espada, pela espada morrerão”.

    • josnel

      .eokiko

      Bebeu, rapaz?

      A relação entre bullying e os massacres é que suspeita-se que os assassinos é que sofriam bullying.

      • Maclaud

        Não, não bebi. Sei que os assassinos – em quase todos os casos desse tipo – sofreram bullying, e toda essa violência sofrida veio à tona dessa forma, mas isso não ficou muito claro na hora de tratar o assunto. A intenção pode ter sido essa, mas não houve a argumentação necessária. Acho que me expressei mal anteriormente.

  • Um clipe que sintetiza minha opinião sobre o assunto do Cast: Pearl Jam – Jeremy http://www.youtube.com/watch?v=MS91knuzoOA

  • luis fernando

    Cara,esse negocio de Bullyng é um assunto sério!!

    eu por exemplo sofri um pouco com isso.e realmente é algo muito ruim,pior do que qualquer coisa no mundo.e realmente na cabeça de uma pessoa passa isso mesmo,dá vontade de matar todo mundo,não vou mentir,quem já sofreu isso,sabe muito bem que isso é verdade!!!

    mas ai depois,eu pensei em me tornar no que jamais pensei.um bagunceiro.

    comecei com “clássicos” como a barata morta no pote de giz,depois passei pelo pó de giz no ventilador,e assim por diante,me tornei um Ferris buller misturado com Junior.

    e assim as minhas notas despencaram juntamente com meu comportamento,assustando e muito os professores,e meus pais é obvio.

    mas foi essa a minha UNICA defesa pra fugir do bulling.

    a partir disso também comecei a praticar bulling em algumas pessoas.

    mas nenhum que chegasse a humilhar a pessoa.

    na verdade eu até pedia para alguns andar com os meus amigos na hora do recreio,e foi assim que eu consegui afastar o bulling de min e de muitos do colegio aonde eu estudava!!

    e até hoje eu faço isso com alguns novos amigos,eu numca quero que a pessoa passe pelo que passei diante do bulling.

    e realmente jurandir,a de concordar algumas coisas realmnte não da prá resolver so na converça.

    as vezes uma bela duma PORRADA resolve um pouco as coisas!!

    vaeu jurandir,exelente tema.

    • Concordo, porrada as vezes resolve que uma beleza. Não é coisa que adulto aprove mas para quem já sofreu bullying e se vê num labirinto sem saída dele não encontra outros meios de repelir ser o centro das atenções do que provocar uma atitude que choque a todos e dê um basta nisso.
      Eu que sou um magricela como a Rowling descreve Harry Potter, já recebi uns alcunha/apelidos do tipo : Caveira, zumbi e vampiro, o último devido ao meu desgosto pelo dia e preferência por ser notívago pela noite. Eu simplesmente adoro isso, pra mim isso não é encarado como bullying.
      Ando com um amigo, que tem tudo para implicarem com ele :
      1. Tem cara de intelectual, e é.
      2. Usa óculos e tem cara de quem não está nem ai pra ninguém.
      3. Parece um pouco o Renato russo, de cabelos maiores e além disso todo desgrenhado, isso que lhe rendeu o apelido de fiuk.
      Por causa disso uns babacas ficam fazendo chacota dele. O rodeiam e se ficam lhe inquerindo, lhe fazendo perguntas estúpidas sobre mulher e mais coisas babacas. Ele que me disserta sobre cinema europeu, ouve rock n’ rock e vive me aconselhando o Livro – 1968 – O Ano Que Abalou o Mundo, só o que tem a fazer é ficar encabulado com tanta estupidez – Um dia ele talvez se enfureça e decida revidar. Daí nasce o risco.

  • Não acho um assunto polêmico, pois somos influenciados por tudo e por todos. Só acho que cabe a nós “filtrarmos” essas influências para saber o que aplicar em nossas vidas. No caso da influência do cinema sobre as pessoas, penso o seguinte: vai ao cinema quem quer. Se você acha que um filme não vai lhe causar uma boa impressão, vai ser uma “má influência” para você, simplesmente não assista. Sempre gostei de filmes como “Um dia de fúria”, “Pulp Fiction” e achei “À prova de morte” muito divertido. Me influenciaram? Sim, claro! Até hoje vou ao McDonald’s e quase peço um “Royale with cheese”… mas não me tornei um matador psicopata por causa disso. Acredito que são muitos os fatores que levam uma pessoa a fazer o que fizeram os atiradores de Columbine, que foi um dos casos mais citados no cast. Não dá prá dizer que é apenas a criação, um lar estruturado, qualidade de ensino nas escolas ou a falta de tudo isso que vai fazer com que uma pessoa se transforme num psicopata. Se um pai é muito severo com o filho, “Ah, é porque o pai foi muito severo na criação do filho e isso o deixou revoltado”; Se um pai é muito complacente, “Ah, faltou alguém com pulso firme na educação dessa criança”. Então, meus amigos, essa será mais uma daquelas questões em que não há um resposta certa ou errada.
    Não sou expert no assunto, estou aqui apenas dando minha opinião “de merda”, como diz o pessoal do MRG.
    Mas, para resumir tudo, acredito cada vez mais que o que falta ao ser humano é humildade. Precisamos ser mais humildes e aceitar as pessoas como elas são e não como gostaríamos que fossem, respeitar a opinião alheia. Mas enfim, esse comentário já tá gigante, então é isso. Valeu galera.

  • A arte nunca fazerá do homem um ser bruto, um bárbaro. A sua falta talvez o faça.
    Da questão feita pelo RapaduraCast proponho : Ou não será a falta de pouca violência protagonizada e mais violência na vida real que incite a esses crimes ?
    Pois através da arte nunca vi um assassino que se inspirou no Rambo ou em qualquer um dos filmes da Sessão da tarde compreendidos na campanha Quem Financia a Baixaria é contra a Cidadania !
    É o mesmo daquelas velhas discussões sobre video-games ” Incentivam a violência ou não ? ” sempre haverá aquelas acusações a G.T.A ou qualquer jogo do gênero, a de motivar mentes macabras e demonstrações de demência funestas.
    Sobre o jornal só ilustrando : Ninguém fala do mal que ele provoca só é útil ” como ele se orgulha em dizer ” em ‘cobrir’ … óbvio, de sensacionalismo a mente das pessoas, lhe retribuem com noticias que desalentam e dão ao pingo de indignação delas cada vez mais sangue.
    Como cantou Karina Buhr :
    ” Eita!
    Que o sangue pinga nas notícias
    Vendidas como coisa bela
    A merda já tá no pescoço
    E a gente acostumou com ela. ”

    O jornal foca noticias de tanta violência – O pior, com vidas reais ! lá não é Hollywood fora a uma sutil ousadia fantástica dos criminosos.
    E expor tudo isso é meio que uma facilitação para essa prática – Afinal, não são os policiais uns frouxos e vagarosos ao solucionar um crime !
    Portanto, isso SIM incentiva a violência. Até o cinema foi ridicularizado, Prenda-me se For Capaz não é mais filme se tornou gíria para criminosinho, no Zé Pequeno style, vir a tirar onda de seus delitos.
    Achei num jornal velho que minha vó guarda por aqui : Folha de S.Paulo 18 de abril de 2002. Um artigo sobre a tv que tinha como título isso :
    ” Cuidado : o uso desse aparelho pode produzir violência ”
    E como tv não é cinema e longe de ser arte é um bom período composto para ser pensado.

  • Excelente tema!! É bom ver o lado de vocês sobre isso. Mas como vocês se perderam desenvolvendo-o. Ouço enquanto digito. E às vezes vocês opinam uma coisa e daqui a pouco manda uma outra opinião que anula a anterior (ex. dizer que o professor deve acompanhar o dia-a-dia do aluno e depois dizer que o papel do professor não é educá-lo). Enfim, sou um fã disso aqui, mas faltou um pouco de objetivo.

    A escola tem o papel de preparar o aluno para viver socialmente(teoricamente). Existe escolas e escolas, e o Brasil, assim como, a maioria das escolas americanas também estão distantes de um sistema útil e qualificado.

    O Saldanha é meio maluco às vezes nas suas opiniões, é um cara com um mente a frente do seu tempo, que sonha bastante. Mas que se posiciona bem.

    • Eita! Se encontraram. O objetivo foi encontrado. A analogia da prisão foi perfeita. A vida em sociedade é assim, aprenda a viver com ela. É estranho e escroto dizer isso, mas é assim. Cada mundo tem a escola que necessita. E cabe ao mundo evoluir e mudar, junto com a escola.

  • Guilherme Parreira

    Excelente cast! Parabéns!!!

  • Flávila

    .assustado

  • Rosangela Bauer

    Oi, galera do rapaduracast!
    Ouvi o cast e confesso que achei muito boa a escolha, mas me preocupava com o “tom” que a discussão poderia ganhar.
    Acho que dentro do limite do programa e da formação pessoal e profissional de vcs o debate foi proveitoso porque exteriorizou de uma forma leve um assunto gravíssimo.
    Vcs têm um grande público e esse debate acaba por alcançar um grande número de jovens, por isso a importância de fazê-lo.
    Sou professora aqui no Rio e tento fazer com que minhas aulas caminhem para uma debate reflexivo sobre as questões que nos atormentam atualmente, e, é claro que a violência tem um destaque especial na pauta do dia.
    Sabe, sofremos e sofreremos influências de todos os tipos durante toda a nossa vida. A questão que (me parece) precisa ser posta é: por que no mundo de hoje vivemos uma banalização da violência tão grande? Em que medida nossas pequenas ações cotidianas produzem violências?
    Esse caso extremo aqui no Rio nos diz, para nós mesmos (sociedade), que somos capazes de gestos dóceis e gentis, mas também, de criarmos sujeitos que se, em um primeiro momento são apenas “diferentes”, em um outro podem se transformar em assassinos cruéis.Isso não é novo e o mundo do crime está aí para nos provar. A novidade se encontra no fato de que um “cara”, um jovem, que aparentemente é visto como uma pessoa comum possa se munir de todo um aparato tecnológico (posse de armas, por exemplo) e sociocultural (acesso fácil à escola) para elaborar e cometer um ato dessa gravidade.
    Uma coisa é fato esse jovem é singular na sua atitude. Não podemos generalizar e afirmar categoricamente, através desse caso, que os jovens e a juventude são todos violentos. Isso não. Mas em função desse evento não podemos nos esquecer que esse jovem é um produto da sociedade que nos circunda e que ajudamos (uns mais outros menos) a criar…
    Parabéns pela escolha e o andamento do tema do RapaduraCast 230 – Influência, Bullying e a Violência.

    Beijos,
    Rosangela.

  • CHATOLINO

    VI MUITO BULLYNG NA ESCOLA E NO TRABALHO TAMBÉM, ONDE A CONFLITO DE INTERESSES O SER HUMANO REVELA SEU LADO MAIS HORRIVEL OU MESMO COMO DIVERSÃO. NO CASO DO RIO, O CARA TINHA QUE, NA PIOR DAS IPOTESES, IR TIRAR SATISFAÇÃO CONTRA SEUS AGRESSORES. O QUE ELE FEZ FOI MUITA COVARDIA, MUITO MAIOR DO QUE QUALQUER QUE ELE TENHA SOFRIDO.
    ANALISANDO FRIAMENTE O SER HUMANO É O PIOR ANIMAL QUE JÁ EXISTIU, ATÉ CONSUMIR TODO O PLANETA.

  • O podcast foi muito válido. É sempre bom ver/ouvir temas relacionados ao cinema, direta ou indiretamente. É isso aí, variar é sempre bom. Continuem com casts desse estilo.
    Abraço.

    PS.: não me ofendi com o Jesus Manero =D

  • Victor Matheus

    Obrigada pelo cast, ótimo tema.
    O Bullying interferiu muito na minha personalidade.

  • AGS

    Porra Jurandir,
    Como você quer que a gente não faça Bullying e não trate vcs com Violência?
    Segunda não é dia de podcast?????
    Cadê a edição?????
    Acho que está na hora de vcs começarem a agir com profissionalismo,toda semana é esse amadorismo.
    Deixam tudo pra cima da hora e não fazem nada.
    Isso é um hobby ou é aonde vcs tiram o seu dinheiro?
    Vou passar a boicotar o produto de vcs.
    Sei que não é muita coisa,sou apenas um ouvinte,porém,me cansei de vcs.Não vou mais comprar camisetas,nem posteres,nem dvds e livros da saraiva através dos links do seu site.
    Acho isso uma falta de respeito com quem espera para ouvir o programa.
    Na realidade ,chega de vcs,não quero mais saber dessa merda de programa.
    Prefiro ir ver o Omelete e ouvir outros podcasts como JovemNerd e MRG,lá eles são profissionais e tratam o público com respeito.
    Vcs são só mais um podcast amador com edições em dias aleatórios.

    • Lunatic

      “O #rapaduracast sai essa terça hein gente. Não viagem sem ele :P”
      Mas bem que ele podia adiantar o tema…Só esperar.

      • Rafael CS

        Proxima semana tem que ser Duplex do Thor !!!! se não eu não vou me conformar 😉

    • josnel

      Obrigado pelo comentário. Agora volta pro teu lugar e continua tomando no cu como tu tava fazendo antes.

      • Erik HCT

        “Obóviamente” que essa semana será sobre os Summer Movies de 2011, Jurandir deu a dica no Twitter, e já tá passando da hora.

    • Fernando de Moraes

      Sim, o RC tem 230 edições, é o melhor podcast de cinema do Brasil, e pq els atrasam vc vai chamá-los de amadores. “Deixam tudo pra cima da hora”, se vc ouvir o RC 200, vai poder entender um pouco mais o quão difícil é fazer o cast, mas o pior é ter que se preaparar e eu não sei o quanto o eles ganham de dinheiro fazendo isso, mas eu sinto interesse, prazer e um puta esforço pra fazer o cast e vc vem falr isso, naum eh q naum pode falar deles, eu também quero ouvir o cast agora vc ja vem julgnado todo mundo, e fala q vai pro Omelete, pra PQP, então faze esse favor pra todo mundo, vai e pára de chorar.

    • Aham Claudia, senta lá!

  • Felipe Urban, 22 anos
    Servidor Público e Estudante de Direito
    Rio de Janeiro, RJ

    Nunca fui dos mais famosos na escola.
    Magrinho, pequeno, o mais novo da turma (um ano adiantado) e com uma deficiência no olho (Ptose Palpebral, A.K.A pálpebra mais baixa em um dos olhos). Eu era alvo fácil, óbvio, até porque era de fora da cidade.

    Aos seis anos eu tive a minha primeira experiência com o bullying:
    Minha mãe estava grávida, e minha irmã tinha 70% de chances de não nascer. Estresse em casa, ânimos à flor da pele, pais nervosos e brigando comigo por qualquer motivo. Na escola, mirrado e quieto, sofrendo provocações verbais do valentão da escola, que eu engolia e nunca respondia.
    Sendo ignorado, em dado momento o bully partiu pra provocação física, e foi a primeira e última (dele), Por coincidência absurda do destino, no exato dia que estava marcada a cesária pra tentar salvar minha irmã.
    A raiva interior, o estresse pessoal, a frustração, tudo, tudo que tava acontecendo me deu um blackout e, se num momento eu estava fechando os olhos e tentando me conter e ignorar os tapinhas e empurrões, no momento seguinte eu tinha meu uniforme branco de colégio todo tingido de vermelho sangue. E não, não foi um exagero: o garoto precisou de precisou de cirurgia reparadora no nariz.

    Isso talvez devesse ter me feito ser mais famoso, conhecido ou popular na escola, mas aconteceu exatamente o oposto: Eu fui execrado, a coordenação da escola sugeriu aos meus pais a minha transferência e tivemos que mudar de cidade, porque ninguém mais queria estar próximo a mim.

    (A minha irmã nasceu. Prematura, meio fraca, mas viva, e hoje é super saudável.)

    Na minha segunda escola, eu cheguei AINDA MAIS tímido, e com minha forma física e minha deficiência me fizeram alvo fácil de novo. Some a isso toda minha contenção, todo meu medo de ser julgado como havia sido antes, eu me DEIXEI ser alvo por oito anos, quando, na oitava série, faltando três meses pro fim das aulas, eu mandei um singelo “Vai dar meia hora de cu na esquina, babaca.” (essa frase foi inesquecível, haha.) Ele me deu um soco, mas numa escola de freiras isso só rende uma coisa: Suspensão.

    Acabou que me mudei, saí da Bahia e vim morar no RJ.
    Já saí da Bahia sofrendo bullying da minha própria família, que tentava me diminuir e fazer ficar, tendo apenas duas pessoas me dando apoio: Meu tio mais próximo e meu pai.
    Cheguei aqui e me escondi por trás de várias mentiras. Dizia que tinha morado fora do país, que com 13 anos não era mais virgem, o escambau a quatro. Acabou que ninguém acreditava nessas histórias, e riam de se acabar, dando origem às “Histórias que o Baiano conta…” no CP2 Centro. Eles nunca acreditaram nas histórias reais, também. Então eu contei sobre toda a minha vida, de verdade, sem os olhos de julgamento, porque ninguém acreditava mesmo… E foi libertador encarar a mim mesmo. Ver a minha vida na minha frente e perceber quem eu era, por que eu era e o que eu era capaz de fazer se quisesse.
    Meu pai, sempre ao meu lado, me dizia pra tomar cuidado com as mentiras, óbvio, mas me tornar quem eu queria ser, quem eu dizia ser. Me tornei, com a ajuda dele, aquele cara forte que eu fingia que era pra todos os meus amigos. Aos poucos me tornei confiante na minha personalidade. Tive problemas com garotas no começo, mas com a auto-confiança voltando, até meu problema no olho virou uma arma.

    Vesti a armadura psicológica que o Afonso comentou. (Eu sei que foi uma brincadeira, mas proteger a sua mente dos outros é uma boa forma de se entender.)

    Hoje, aos 22, acabei me tornando satisfeito com a minha aparência (O.K., eu já fiz a cirurgia de correção do olho, hahaha), minha personalidade forte e minhas reações. Aprendi muito ao longo da minha vida, como toda vítima de bullying DEVE aprender.

    Claro, eu sei que sou um caso entre milhões. Eu tive sorte, força e um pai presente. A maioria das pessoas não tem as chances de recomeçar que eu tive, mas espero que essa trajetória mostre como uma vítima de bully pode sair do buraco, dependendo de como ela for tratada.

    • Maclaud

      Gostei muito do seu post… além de ser uma história e tanto, você possui uma ótima redação. Parabéns!

      • Brigado, bro.
        Foi bem difícil falar disso tudo aqui… Acho que nunca tinha comentado o assunto com ninguém exceto meu pai.

  • Gostei muito do tema, mas mais ainda das discuções por trás dele.

    Ja fui zoado e ja briguei no colégio. Não cheguei a sofrer – o que na minha opnião é – bullying. Acho que isso fez eu me tornar o que sou hoje: não tenho vergonha (ou um sentimento de desonrra) do que falam ou pensam de mim. Vai muito da interpretação de cada pessoa, o emocional, a personalidade. Se não leva na esportiva, a pessoa morre atormentada.

    Adorei ouvi a ponião de adultos sobre como o ensino tá errado hoje em dia. Eu estudo, to no 3º ano do ensino médio, e ta insuportável copia no caderno, ouvi a explicação e faze as provas. Proibem o fone de ouvido, mas as aulas são TÃO entediantes que não tem outra saída.

    Gostaria que houvessem mais pessoas que pensam igual vcs. Tenho duas professoras, que não chegam a se um Jack Black da vida, mas tem uma opinião sólida e plausível sobre o assunto. As matérias são filosofia e história, e apenas nessas aulas, podemos nos abrir e falar o que pensamos. NÓS ALUNOS TEMOS OPINIÃO. Nós queremos ser ouvidos e reconhecidos. Ta na hr de muda esse método de ensino.

    Eu não quero i pra aula pra aprende uma matéria que eu vo esqueçe assim que acaba a prova. NÃO! Eu quero é aprende algo que vá se útil na minha vida, ou, se for pra aprende algo que não vá se útil, que ao menos seja de uma forma interativa, que envolva os alunos. Acima de tudo, eu quero i pra aula e pode PENSA e cria uma opinião sobre coisas que eu nunca tive interesse em conhecer.

    Espero que haja jovens que pensam igual a eu, para que no futuro, a gente possa muda a forma de ensino no Brasil.

    Parabéns pelo podcast, foi um dos melhores que ja ouvi.

  • Henrique Vieia

    Pelo visto, viajarei e quando retornar na segunda-feira, terei 2 casts para ouvir… o dessa semana e o da semana que vem… Correto???

    Aiai..

  • Gostaria de expor minha opni’ao sobre o “zangief kid”

    A primeira vez que eu vi o video um amigo me mandou, não sei se era o original mas tinha cerca 300 visualizações e foi rapidamente deletado pelo youtube, por cena violenta.
    No video ainda não tinha nenhuma mensão ao Zangief, apenas algumas insinuações nos comentários. Eu achei a imagem chocante, apesar de logo depois que o video foi deletado deixei de lado, mas a primeira coisa que veio à minha cabeça é a visão que insito até hoje, e contrária a de todos!

    O Richard é inocente! Cara, ele NUNCA no video praticou “bullying”. No video original tem ele dando um soco na cara do Casey.
    Pra mim, isso nunca foi bullying, a posição dele era até mesmo para uma luta de igual pra igual. Igual pra igual não, pois o Casey tem 16 anos, e ele tem 12!! Além de pesar quase o triplo do Richard. Richard não estava com uma gang, os amigos só apareceram para defendê-lo, e se fosse bullying o cara aparentemente mais velho que apareceu depois teria agredido o zangief.

    Eu acredito plenamente que o Richard, por algum motivo, queria se vingar do Casey e o enfrentou encorajado pela presença dos amigos. Não tem lógica em tamanha desvantagem o menino praticar bullying contra o outro.
    De fato, ele se ferrou, claro que deveria apanhar depois de um ataque daqueles, mas não concordo que fosse merecido.
    O ataque do Casey foi totalmente frio e calculista, o soco nem sequer o abalou. Todos os casos que me lembro de bullying quando eu ainda estava no colégio, a pessoa que reage do bullying tem uma reação totalmente explosiva e irracional, quando há uma reação. Normalmente com xingamentos, e expressvidade, o que não aconteceu no video.

    A entrevista é altamente tendenciosa. Vê-se na entrevista que o Casey sempre sabe o que responder, apresenta uma fala planejada, não aparenta a imagem de alguém que sofreu a vida toda por bullying, como é contado. Já o Richard aparece nervoso, confuso com as perguntas, cabisbaixo… Ele até aceitou pedir desculpas pelo soco, mas não se arrependeu. A meu ver, característico de quem entendeu que dar um soco foi errado(ele se ferrou), mas ele não quer pegar a posição de que não tinha razão. A mídia não quer ir contra a maré pra não perder audiência, já que a opnião das pessoas é quase que unânime contra o Richard. Se esta mostra uma visão contra o Casey sabe que vai ter uma reprovação mundial.

    Como eu disse, não vejo o video como o bullying, sempre vi como uma tentativa frustrada de revanche. Ninguém parece ter tentado entender o porquê do soco.
    É assim como eu vejo e ainda não apareceu nada que me provasse o contrário.
    Recentemente saiu outra entrevista com o cameraman apoiando o Richard, e recebeu total desaprovação dos que assistiram, olhem a parte “gostei/não gostei”.
    http://www.youtube.com/watch?v=owVFNY1PBsA&feature=watch_response

    Enfim, posso estar errado sobre a minha posição de quem tem razão, mas estou certo de que não há NENHUM motivo para todo mundo dizer que o “zangief kid” tinha razão. Estando eu certo, o “Casey-Zangief” aproveitou a fama pelo golpe de zangief e pelo que mostra no INCOMPLETO video, e inverteu a história. Na minha cabeça a forma como eu penso faz muito mais sentido, e acredito que o que está acontecendo é uma das maiores injustiças causadas pela massa inconsciente da internet.

    Pelo menos um aí concorda comigo?

    Um abraço a todos,
    Rhuan Cavalcante.

    • Alexandre

      Rhuan, concordo contigo quando você diz que não é um caso de bullying, mas acredito que não é uma situação em que algum dos garotos esteja certo: os dois estão errados e a mídia também ao defender um dos dois.

  • Olavo – Fortaleza

    Excelente cast! Parabéns galera!

  • LanternaVerde

    Prezados amigos. Eu sei o que é sofrer esse tipo de sofrimento na escola. Desde a primeira série até a oitava serie, tive momentos péssimos no colégio onde estudava. Era o único filho de metalurgico que tinha na minha sala. Os demais eram de famílias mais abastadas (médicos, advogados, gerentes de banco etc). Depois, quando mudei de colégio, fiz amizade com um cara que sofria os mesmos preconceitos que eu. A amizade foi fácil, ainda mais quando planejavamos a vingança contra aqueles que nos maltratavam. Chegamos a comprar revistas sobre armas, viamos vários filmes como inspiração e chagamos a traçar as plantas da escola. O mais importante, é que o pai dele tinha armas em casa e as vezes quando passavamos a tarde no sítio, ele nos deixava atirar, onde treinavamos nossa pontaria. Não tivemos coragem para realizar a maldita ação, mas chegamos até ir armados para a escola. Meio doido, eu sei, mas que a vontade nos vingarmos era muito, que chegava até a enlouquecer mesmo. Hoje, superamos esse mal e lutamos para que isso não ocorra com mais ninguém. Ambos somos professores em destaque em nossas áreas e sempre atentos a esse tipo de conduta.
    Abraços a todos e parabéns pelo programa.

  • Rapaduracast SENSACIONAL.. me fez refletir muito.

    Mesmo que fuja do tema, adoro RCs assim.

  • Dani

    Show!!! É por isso que o RapaduraCast é o melhor programa de podcast da web! 🙂

  • Viciei no Jesus Maneiro! 🙂

  • Maetroets

    Mais do mesmo,um tema chato e que esta sendo repetido tantas vezes na midia que chega a ser um tormento.
    O Rapadura é otimo,mas ainda falta o pessoal ser um pouco mais profissional e menos emocional(chato e chorão)

  • Galera parabéns pelo ótimo trabalho!!!

  • Isa

    Acredito que o entretenimento (cinema, música ou video game) é bode expiatório nessas situações de bullying. Em épocas ou lugares com pouca ou nenhuma mídia ele já existia.
    A única correção que faria é que o caso do realengo não tinha nada a ver com bullying: foi um crime movido por misoginia, visando matar apenas as meninas, de preferência as mais bonitas. Ou seja, era ódio ao sexo oposto.

  • Jonathan Kennedy

    Na minha humilde opinião a pessoa tem quer ter uma mente bem perturbada para praticar violência, usando a desculpa de algum filme que assistiu, é inevitável, pois eles tem que colocam em mente que é uma obra extremamente ficcional e não tem nenhum compromisso com a realidade, e para ter uma ideia não tem sentido isso, primeiro a educação vem do berço e por diante os pais tem obrigação moral de todas as formas possíveis educar te forma racional e não levar para o lado negro da força! é isso..
    Falou! 🙂

  • JuniorOnline

    Excelente cast, excelente tema.