sábado, 26 de abril de 2014

RapaduraCast 371
Divergente, o livro (2011) e o filme (2014)

Fique a vontade para participar do nosso debate, porque aqui você sabe: "Assistir é apenas o começo"!

Aperte o Play para começar o RapaduraCast Aperte o para começar o RapaduraCast

1x 1.5x 2x
0:00:00

ATENÇÃO: Esta edição tem SPOILERS LEVES do filme.

Dando sequência ao nosso desbravamento nas novas franquias, dessa vez chegamos no mundo futurístico de Divergente. A trilogia criada pela jovem Veronica Roth caiu nas graças dos jovens e demonstrou um bom potencial nos cinemas. A série seria apenas uma cópia de Jogos Vorazes? Qual o potencial da franquia?

Jurandir Filho (@jurandirfilho), Thiago Siqueira (@thiagosiqueiraf) e Carolina Munhóz (@carolinamunhoz) discutiram sobre o livro e o filme. Dizer que Divergente é parecido com Jogos Vorazes é algo ruim? Quais as semelhanças e diferenças? O que a intérprete da protagonista Tris, Shailene Woodley, conversou com Jennifer Lawrence? Você seria de qual facção: Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza ou Erudição?

ASSISTA AO TRAILER DE DIVERGENTE [2014]

PODCASTS RELACIONADOS
– RapaduraCast 351 – Jogos Vorazes (2012) e Em Chamas (2013)
RapaduraCast 320 – Os substitutos de Harry Potter e Crepúsculo

LINKS RELACIONADOS AO PROGRAMA
[LIVRO] Divergente
[LIVROS] Divergente + Insurgente + Convergente (3 Volumes)
[LIVRO] Divergente: Guia Oficial do Filme

Duração: 76 min

ASSINE O RAPADURACAST NO ITUNES
Acesse aqui: http://itunes.apple.com/br/podcast/rapaduracast/

QUER O FEED PARA ADICIONAR NO SEU AGREGADOR DE RSS?
Adicione o nosso feed: feeds.feedburner.com/rapaduracast

SUGESTÕES, CR͍TICAS, DÚVIDAS E CHUTES NO SACO
Envie e-mails para: rapaduracast@cinemacomrapadura.com.br

Compartilhe

Participantes

Carolina Munhóz
Carolina Munhóz
@carolinamunhoz
Jurandir Filho
Jurandir Filho
@jurandirfilho
Thiago Siqueira
Thiago Siqueira
@ThiagoSiQueiraF

Ouça Também


  • Pedro Henrique Souza

    Na minha opinião o filme é muito bem produzido. A ideia é otima, mas o filme puxou mais pro lado Crespusculo do que pro lado Harry Potter/Jogos Vorazes. Eu tenho esperanças que os proximos filmes sejam melhores. 6/10 pro filme.

  • e´o filme é bem mediano mesmo só atriz principal é que salva mesmo !

  • gandralf

    Viiixi… soa como crepúsculo querendo ser hunger games.
    Dá uma preguiça…

  • Alvaro

    Estou baixando agora, mas já vou dar opinião. O livro nota 8, o filme nota 2. O livro traz mais profundidade e as coisas que acontecem com ela, você sente o dilema que ela vive. Agora, o filme parece mais “Tris e seus amigos”. Piadinhas “fracas”, quem não conhece o livro não entendeu absolutamente nada do que estava acontecendo, apenas uma situação de drama bem-explorada, fatos que ocorreram no livro mas que no filme fariam falta (substituição por outras cenas – ok, entendo que não dá pra você copiar o livro inteiro, mas o pessoal que fez o roteiro deveria avaliar melhor o que deve entrar ou não na telona).

    De coisa boa do filme, a Shailene Woodley (que foi uma grata surpresa), ela foi bem, com as limitações que o roteiro tinha e a cena que não tem no livro da facada no finalzinho.

    (vale frisar que a minha expectativa tava lá em cima por causa do(s) livro(s) que são MUITO bons. Uma distopia foda).

    Vou assistir os outros 3 filmes, mas precisa melhorar. E muito

  • André

    Pra quê perder tempo com esses tipos filmes feitos para excitar garotinhas? O rapadura já foi mais criativo.

    • Luiza

      Cara, essas franquias movimentam muito grana e muita gente no mercado cinematográfico. Não dá pra um podcast sobre cinemas ignorar esses fenômenos. Se elas são boas eu não é um mérito que não me cabe, mas discutir sobre elas é sim interessante. Abra sua mente, sim? 😉

      • gandralf

        Mas precisa gastar um programa inteiro para falar do detergente?

      • André

        Não.

    • A Luiza explicou bem. Não tem como ignorar esses fenômenos. E aliás, a gente SEMPRE fez programas sobre esses fenômenos. Sabe o que é engraçado? Tem “menininha” que pergunta: “Por que o RapaduraCast dedica tanto espaço pra essa bobagem que são esses filmes herois?”. Pois é. A gente dá espaço pra tudo, tanto que falamos (em sequência) de um filme religioso (Noé), de um filme de heroi (Capitão América 2) e um filme teen (Divergente).

      A galerinha acha que TUDO é Marvel, DC, Tolkien e etc. Tem outras coisas. Bora sair da caixa. Bora abrir o campo de visão. Até as coisas que não são tão espetaculares, geram uma boa discussão, como foi o caso de Divergente 😉

      • Cesar Adr

        Po que legal em Jurandir, colocar no mesmo balaio personagens como Noe, super-heróis (a mitologia do seculo 20) e Tolkien, com um livro que foi escrito em 2011? sério? então por essa logica o proximo programa tem que ser sobre as nossas “maravilhosas” comédias nacionais, o povo gosta e da dinheiro rs.

        • Anderson

          por mim taria ótimo.

        • LUNATIC

          Quero cast de comédias nacionais.

        • Cantarzo

          Interpretação vai bem?

    • Luiz Carlos

      que beleza ein kra.. excitar garotinhas.. que bom que só o que o Senhor gosta que presta né? afinal de contas, o que um fã de Divergente é né? se não uma “garotinha”..

      • André

        Vai ver o dvd da Galinha Pintadinha, vai.

  • Luiza

    Muito bom! Sempre é interessante a participação da Carolina Munhóz em casts sobre franquias.
    No geral, concordei com vocês tanto nos aspectos negativos quanto nos positivos. Algo que me deixou bem preocupada depois que assisti o filme é o fato de que o roteiro queima as principais pontes para a continuidade da história; alguns fatos que são o fundamento das atitudes da Tris durante o segundo livro foram tratados no filme de forma muito superficial. Fica a minha dúvida se a franquia vai melhorar mesmo.
    Quanto a algo que foi dito por todos vocês: sim, a explicação para os muros, para o porquê do mundo ser do jeito que é, existe. É o tema do terceiro livro, que fecha a série. Sem spoiler, a resposta é até coerente e relativamente satisfatória para a minha pessoa, mas falha quando não desenvolve com mais profundidade seu argumento e, principalmente, quando diminui a importância de tudo o que foi narrado até ali se comparado à escala ampla apresentada na conclusão(até o tão alardeado status de “Divergente”).
    Acredito que o desenvolvimento da história tenha sido prejudicado justamente pela lógica do mercado editorial deste nicho literário que a Carolina Munhóz descreve muito bem no cast. Ao terminar os livros, fiquei com a sensação de que o qie faltou para entregar algo melhor foi tempo; tempo para planejar, desenvolver plots, etc.
    E, antes que alguém me puxe as orelhas, não estou inferindo que exista a necessidade de ter lido a série para “entender o filme”, coisa que muito leitor comenta por aí. O caso é apenas o da minha visão da história ter sido drasticamente modificada com a conclusão da saga, tanto que não consigo separar o filme do desfecho de tudo.
    Fica a minha esperança de que as continuações façam um melhor trabalho.

  • Lili

    Algumas dúvidas que vocês tem sobre o mundo de Divergente são respondidas em Convergente!

  • Lorens Galahad

    olá!! tem alguma possibilidade da edição plus do rapadura voltar?? eu procurei as edições anteriores no site e não encontrei.
    kiss

  • Jurandir! Quais são as músicas que você usa no cast?!EU GOSTO MUITO DELAS MAS QUERIA SABER QUAL O NOME!!!!
    !

  • nivaldo

    O filme só vale pela sempre ótima Kate Winslet!

  • Thereza Santiago

    Concordo que o filme não rendeu o que poderia mas teve seus momentos. Nota 6 de 10.

  • Lucas

    Não gostei muito do filme. O plot original até é interessante, mas o desenvolvimento não empolga. Inclusive, quando a Tris começa a se envolver com o 4, ele meio que esquece os outros amigos, só lembra delas na parte final do filme. Ei Sicas, nem a Noelle gostou do filme? Quando ela viu o trailer antes do Cap. America, ela teve um ataque histérico

  • carolina

    eu gostei do filme bom entretenimento

  • Difranca

    kra achei divergente MUITO MELHOR Q JOGOS VORAZES! porra sem comparação… eu não consigo entender como a galera gosta tanto de jogos vorazes….

    • Mysterfalcon

      É o q??? Eu hein… não imagino quais argumentos possam existir para se pensar algo assim.

  • Victor

    Engraçado, se for observar os últimos 20 rapaduracasts com exceção do capítulo do bruce lee dá a impressão que o programa é uma “cnn news” do que rola nas salas de cinema, é só filme de oscar, filme de momento, depois do programa sobre o Anonofsky eu não me recordo de fazerem nada mais temático, se o Noé tivesse sido lançado em 1990 não teria sido feito…enfim, Cinema não é só filme baseado em livro ou HQ, ou filme que bate o Rei leão em arrecadação, façam também sobre filmes com conteúdo, Arretez moi, Mr Nobody dentre tantos outros…ou sobre cineastas importantes que tem algo além de porradaria DC/Marvel, Robert Altman, Polanski… se é que conhecem…

    • João Marcos

      Gosto quando eles falam dos filmes que estão em cartaz. Em alguns casos me ajudou a escolher qual filme ver. Mas concordo que poderiam abrir os horizontes e falar um pouco além de Hollywood. Tem tanto filme latino-americano bom que merece um cast inteiro! Só os filmes com o Ricardo Darin já dariam muito assunto. Apesar de eu não gostar, daria pra fazer um episódio sobre essas comédias nacionais recentes, como sugerido pelo César Adr, sobre famosos filmes europeus, asiáticos. Falem sobre essa onda de filmes com temática gay em cartaz no Brasil (Tatuagem, A Praia do Futuro, Azul é a Cor Mais Quente, Um Estranho no Lago). Falem mais sobre o cinema nacional. Filmes como O Som Ao Redor (que fez um certo barulho esses tempos) ou a curiosa animação Uma História de Amor e Fúria mereciam ser lembradas no Rapaduracast. Sei que não dá pra falar de todos os assuntos e todos os filmes e que o site acaba falando de filmes que não aparecem no podcast. Mas aposto que muita gente adoraria ouvir um ou outro cast com temas “alternativos”.

  • Peter Parker

    A Carolina gosta de tudo? Domina o cast de forma irritante.

    O Sicas fez vários questionamentos pertinentes, e ela “derruba” eles com explicações de fã apaixonada quando atacam sua obra preferida.

    • JJJ

      Boa, bem lembrado cabeça de Teia!

  • Eu ia dizer que o que me incomodou no filme foi a falta de profundidade, ou mesmo explicação da história. Mas se esse é um aspecto que a própria autora não pensou ao escrever o primeiro livro (mesmo que ela tenha desenvolvido nos outros), o que eu posso esperar né?

  • Conheço as duas trilogias e tirando o fato que ambas são distopias, elas NÃO tem nada a ver uma coisa com a outra. Não quero, nem vou soltar spoilers, mas o real sentido de Divergente começa mesmo a fazer sentido no segundo e terceiro (principalmente o terceiro) livros. Dizer que ambas são parecidas é demonstrar o desconhecimento total da obra da Verônica. E o filme, é uma das melhores adaptações (Claro tirando as mudanças feitas para que desse certo no filme, o que todos aqui sabem que acontecem) já feitas de um livro que eu já vi.

  • Marco Tulio

    Queria entender pq jogar “Questão de Tempo”, “Os Suspeitos”, “Capitão Phillips” e principalmente “Frozen” num 3 Pack e fazer um cast todo pra essa porcaria de filme.

    • LUNATIC

      Queria entender pq jogar “Questão de Tempo”, “Os Suspeitos”, “Capitão Phillips” e principalmente “Frozen” num 3 Pack e fazer um cast todo pra essa porcaria de filme. (2)

    • Mysterfalcon

      Queria entender pq jogar “Questão de Tempo”, “Os Suspeitos”, “Capitão Phillips” e principalmente “Frozen” num 3 Pack e fazer um cast todo pra essa porcaria de filme. (3)

      • rafael

        Queria entender pq jogar “Questão de Tempo”, “Os Suspeitos”, “Capitão Phillips” e principalmente “Frozen” num 3 Pack e fazer um cast todo pra essa porcaria de filme. (4)

        • Gui Oliveira

          Queria entender pq jogar “Questão de Tempo”, “Os Suspeitos”, “Capitão Phillips” e principalmente “Frozen” num 3 Pack e fazer um cast todo pra essa porcaria de filme. (5)

  • Bom posso falar como uma leitora e uma espectadora do filme. O Filme sim é muito mal adaptado, não importa tanto se a produção foi ou não pobre, o problema foi que foi poquíssimo criativa, mudaram aspectos importantes da trama, não sei como se seguirá a partir daí. Lembra um pouco do que fizeram com Percy Jackson, que tem uma trilogia rica e interessante na literatura, e filmes porcamente trabalhados e que mudam completamente. Assim como crepúsculo o livro mostra a criação de um mundo muito interessante. Embora a autora não trabalhe ele. Eu como uma boa jogadora de RPG, extrapolo o que está escrito e tento montar o cenário do mundo na minha cabeça. O romance difere bastante do crepúsculo, por ser algo mais real, menos perfeito e doentio. Mas a importância do crepúsculo é que colocou uma geração inteira de preguiçosos de 140 caracteres para ler, e isso foi algo fantástico na nossa sociedade.
    Jogos Vorazes e Divergente chegam em seguida para esse público que começou a ler. E maquiado de um romance adolecente encontramos algo de um forte teor sociológico e político, despertam nos jovens questionamentos importantes, daí pra frente é um pulo para se começar a ler 1984 ou Admirável Mundo Novo e etc. Eu acho uma literatura muito válida, mesmo com o final “apressado” e um pouco “perdido”. O fim da série na minha opinião nunca foi planejado, e então, parece que terminou meio que numa versão alternativa. Os personagens mudaram de opinião e postura radicalmente do nada para que tivesse o desfecho que foi preparado, e o conflito central da trama que tomou proporções gigantescas, não consegue uma resolução tão abrangente, fica faltando um sentindo nisso. E o fato de que todos os leitores estavam apegados à forma que aqueles personagens agiam, mudar de repente do nada criou esta “raiva” no público leitor. Os roteiristas terão mais tempo e mais espaço para fazer uma finalização melhor na história. Mesmo assim, vale muito à pena ler, se não pelo romance, pelo teor sociológico, pelo teor político, por ser uma história de aventura ou sobre uma mulher forte. Qualquer que seja a razão, são questionamentos importantes de ser incitados.

  • Luiz Barros

    Já ouviram um peru?! Querem ouvir um peru? Vão até o minuto 28:43!
    Sério..vão lá.
    28:43!
    😀

    • ThiagoSpalado

      UAHUAHAUH! Genial.

  • Heitor

    Jurandir, ainda que seja um assunto “divergente” do tema da edição… Não vai rolar uma biografia do Sérgio Leone? Estou me interessando casa vez mais sobre as obras desse cara, e quem sabe um ep. com a participação do dinossáurico Sérgio Vieira…

  • Amanda

    Ah, mas que chato ler esses comentários de gente reclamando desse cast, reclamando do tema dos cast antigos, reclamando de tudo. Essa reclamação toda é só pq o autor do comentário não gosta desse tipo de tema, e vc não gostar não quer dizer que não valha um cast ou que outras pessoas não possam gostar ou que não seja bom.

    Eu já li a trilogia, e comecei a ler super mega empolgada, adorei o 1º livro, a autora criou uma base de história que podia dar um mundo de possibilidades a se seguir. Na minha opinião ela pegou um caminho arriscado, mas mesmo assim, se fosse um tema bem desenvolvido, podia ser épico. Mas não foi, como Carol Munhoz disse, muita gente que já leu achou o final uma bosta, talvez eu não ache essa bosta toda, mas bom não foi e não gostei. A autora empurrou a solução e o contexto da história na nossa cara, com explicações forçadas e mal desenvolvidas…

    Ouvi o cast sem ter visto o filme, acho que risco de spoiler eu não tinha, mas eu sempre gosto de ouvir. Parabéns!

  • Pedro Veber

    Não li nada sobre esse filme, mas só de ter a Carolina Munhoz já desanimei. Eu fiquei enjoado de escutar o cast do Jogos Vorazes de tanta rasgacao de seda.

  • Mysterfalcon

    A Carolina Munhoz tristemente se esforça para defender esse filme, ou diria essa bomba, mas não tem jeito. Cara, não é porque algo faz muito dinheiro que deve ser aceito como bom.. Pera lá Jurandir, um podcast só desse filme? Não faz isso. O filme é um retalho de cópias, desprovido de base ou profundidade e isso, de forma absurda é decorrente da obra original em que nem a própria autora sabe situar-se. Atores ruins, o cara Nº4 é péssimo, sem expressão, sem carisma… a protagonista não consegue emergir sua personagem da fraqueza. Algumas poucas cenas perdidas são visualmente bem feitas mas no final das contas, é apenas um filmezinho genérico teen pra fazer dinheiro e nada mais. Algo querendo pegar carona na aba de outros mais bem sucedidos. Ahhh… e sim Carolina, não há surpresa alguma em algo ser ruim e apreciado por muitas pessoas. Não diria 80%, mas geralmente, haverá sempre uma maioria burra deleitando-se com subprodutos, e isso é objetivamente comum na mídia. Basta ligar sua tv. Filme Nota 4.

  • Jonathan Kennedy

    é um bom filme, NOTA: 6,0.

  • Jonathan Kennedy

    Erudição é minha facção!

  • João Paulo

    Gente, querem saber porque um cast todo sobre o filme? Ta logo embaixo da descrição do episódio: EDIÇÃO COM PROMOÇÃO | OFERECIMENTO EDITORA ROCCO. Simples…

  • Carol Simão

    Carolina Munhoz sempre muito lúcida.
    Ela gostou, mas sabe que não é nenhuma maravilha no mundo literário!
    Dá vontade de ouvir e ouvir e ouvir sem parar…

    Parabéns!

  • viley de melo

    Nem vou perder meu tempo assistindo essa continuação de jogos vorazes/crespúsculo.
    O trailer já me mostrou o que esperar dessa série.

  • Layne Cris

    Esperava mais do filme. A premissa é muito interessante, mas o medo de arriscar esteve presente o tempo todo. O pouco sangue e a diminuição da violência fez com que o filme não conseguisse justificar a premissa de ser Audácia.
    E minha maior reclamação é que não conseguiram desenvolver corretamente o personagem Peter.

  • Cantarzo

    Filme bem mediano… fui assistir pq a sessão de Noé era tarde demais, mas pensava que seria bem pior. Vale uma nota 6.

  • leandro(leon belmont) alves

    eu assisti o filme e achei…chato.

    nota 6 só por causa da filha do Lenny Kravitz no filme e já está bom

  • Lucas Lucas

    Fazem podcast de QUALQUER coisa mesmo hoje em dia haha

  • Os filmes pra adolescentes hoje em dia seguem a mesma cartilha. Não há muita profundidade. Divergente é uma cópia de Hunger Games que tinha um “que” de Crepúsculo. Que saudades dos filmes do John Hughes nos anos 80. Pelo menos ali, os sentimentos dos jovens eram levados a sério.

    • Layne Cris

      Eu até concordo que Divergente bebe da mesma fonte que Jogos Vorazes e até de Crepúsculo. Mas dizer que Hunger Games tem um “que” de Twilight foi uma análise errônea, afinal os protagonistas tem personalidades completamente diferentes, e a parte “romântica” que é o mote principal de Crepúsculo passa longe de Jogos Vorazes que possui uma protagonista muito mais interessada em viver e cuidar da família do que em interesses sentimentais.

  • Ambrose Pierce

    Rapaduracast sobre comédias nacionais por favor. Mas depois da Copa pra combinar…

  • rafael

    Esse pessoal do rapadura é muito é preguiçoso, cadê o cast do spider men?

    • Israel

      Por que você não faz então um cast ou monta um site do nível? Aff, só sabe reclamar… Rapaduracast é um dos melhores sites sobre cinema, e vem neguinho criticar. Faz melhor! 😉

  • Adriane Leão

    O filme realmente decepcionou tanto a quem leu os livros como quem não, não considero essa trilogia como distópica porque a explicação de tudo vem no final, e quando aparece é um tema já abordado em alguns filmes da década de 90. o filme ficou muito resumido tirando partes essenciais para algumas explicações como de tal produções quanto das futuras as alterações no final ficaram até certo ponto boas pois deu um pouco de ação ao filme, mas fugiu muito do livro e o final deles entrando no trem para quem assiste o filme fica subentendido que eles vão fugir e ficar escondido pra sempre, quando na verdade eles fugiram para reunir forças na amizade. Outra coisa é que quando conseguem desligar a simulação que estavam matando todos da abnegação, pouca gente ainda ta viva e no filme mostram somente poucas mortes. A trilogia como um todo nao acho algo assim novo que choque, nada mais temos que ficção cientifica junto com pessoas que sao reunidas por valores em comum.
    Uma coisa que notei é que Roth menciona Deus em seus livros, os da abnegação são tementes a Deus, já Collins citou apenas uma vez e só como expressão “Ai meu Deus!”.
    Uma correção quanto a tatuagem da Tris a tatuagem é na clavicula: os passaros e os simbolos das facções em ambos os ombros.

  • Branca

    Parece que só essa menina sabe mesmo do q tá falando. Sem argumentos não há discussão, gente! Que bom q ela existe.

  • junior

    Este site já teve seu tempo,mesmo com seus altos e baixos,mas era legal.agora,está um completo DESASTRE!!!estes casts se resumem em críticas em áudio que estreiam todo fim de semana e mesmo assim somente de filmes da modinha como este e relacionados a Hq.triste…..cinema de verdade mesmo não encontramos mais aqui faz tempo!!!

  • Henrique

    Divergente é um bom filme, achei uma mistura de Jogos Vorazes, Matrix e A Origem!!!!!

  • Nayhara

    To aguardando ansiosamente os podcasts dos outros dois livros! Já li toda a trilogia e várias dúvidas que vocês expressaram foram solucionadas/explicadas/cagadas/confundidas nos livros seguintes.

    Eu gostei do primeiro livro e do filme mas os ultimos dois livros são uma porcaria que me fizeram odiar a história no final das contas.

  • Thiago Exterkotter

    não li o livro, e fiquei meio desconfiado pra assistir o filme, justamente por ter visto o trailer e achado muito semelhante a Jogos Vorazes (que eu não gostei). mas acabei assistindo no último fim de semana, no pacotão de “filmes de domingo”.

    realmente, a falta de maiores explicações sobre a formação daquela pequena sociedade me incomodou um tanto, ainda mais pelo fato do sistema criado falhar miseravelmente em um princípio básico: você escolhe uma facção e não pode mais mudar. isso não faz sentido! um sistema que visa a perfeição ser o responsável pela criação de problemas sociais sérios, como os “factionless”, na minha opinião é uma falha imperdoável na premissa.

    no mais, a atriz principal me impressionou muito (mais que a Jennifer Lawrence), e tirando os “furos” da história, achei o universo visual muito bem dosado, diferente dos exageros absurdos de Jogos Vorazes. nem os hippies da amizade incomodaram tanto.

  • JuniorOnline

    o ultimo nem foi pro cinema