quinta-feira, 13 de março de 2014

RapaduraCast 365
Entendendo a escravidão e discutindo 12 Anos de Escravidão

Fique a vontade para participar do nosso debate, porque aqui você sabe: "Assistir é apenas o começo"!

Aperte o Play para começar o RapaduraCast Aperte o para começar o RapaduraCast

1x 1.5x 2x
0:00:00

ATENÇÃO: Esse programa contém SPOILERS do filme.
ATENÇÃO 2: Esse programa possui áudios de cenas fortes do filme.

12 Anos de Escravidão, o grande vencedor do Oscar de Melhor Filme em 2014, reacende a discussão sobre uma das grandes manchas da humanidade: a escravidão. Além comentar sobre o filme, fizemos um resgate histórico de como tudo isso começou até chegar na época do longa e até os dias atuais.

Jurandir Filho (@jurandirfilho), Thiago Siqueira (@thiagosiqueiraf), Fábio Barreto (@soshollywood) e Giovane Araújo (@giovanearaujoj‎) discutiram sobre os fatos históricos da escravidão. Sempre foi uma demonstração de força/superioridade? O que a religião tem a ver com isso? Portugal é responsável também? Por que 12 Anos de Escravidão conseguiu chamar tanta a atenção? As polêmicas do Brad Pitt Deus ex machina procedem? Existem outras histórias como a do Solomon Northup?

Duração: 81 min

ASSINE O RAPADURACAST NO ITUNES
Acesse aqui: http://itunes.apple.com/br/podcast/rapaduracast/

QUER O FEED PARA ADICIONAR NO SEU AGREGADOR DE RSS?
Adicione o nosso feed: feeds.feedburner.com/rapaduracast

SUGESTÕES, CR͍TICAS, DÚVIDAS E CHUTES NO SACO
Envie e-mails para: rapaduracast@cinemacomrapadura.com.br

Compartilhe

Participantes

Fabio Barreto
Fabio Barreto
@fabiombarreto
Giovane Araújo
Giovane Araújo
@giovanearaujoj
Jurandir Filho
Jurandir Filho
@jurandirfilho
Thiago Siqueira
Thiago Siqueira
@ThiagoSiQueiraF

Ouça Também


  • Ravike Philippe

    Aeeee até que enfim!!

  • Edinaldo Oliveira

    Baixando!!!!

  • Caroline Medeiros

    Ainda não saiu no iTunes!!

  • Rodrigo de Sousa

    Giovane Araújo está de parabéns, Os muçulmanos foram\são os maiores escravocratas do mundo Arábia Saudita só aboliu a escravidão em 1962.
    Também é relevante que uma das motivações do atual conflito no Sudão é a tentativa dos sudaneses de etnia árabe escravizar tribos de etnias negras submetidas.
    Enquanto o Ocidente reconheceu a mácula moral em sua História representada pelo tráfico de escravos, tal penitência não existe no Islã atual, cuja prática escravagista é recente ou mesmo, em alguns locais, atual http://www.amazon.com/Race-Slavery-Middle-East-Historical/dp/0195053265. E sobre o que o ciqueira fez “romanceando” a noção negros vs negros, ( http://www.midiaindependente.org/pt/red/2008/05/419657.shtml

    E a melhor frase do episódio foi ( inteligência incomoda )

    E na vida real existem ”Deus ex machina”, muitos chamam de milagre, muitos chamam de sorte, tantos de acaso. essa é a graça da vida.

  • Uli

    Oscar merecidíssmo! Vamos ouvir 🙂

  • Alex Nunes

    Esperei demais por esse podcast!

  • Nathaliab

    Gostei muito do filme, achei que mereceu o Oscar. Também achei que o Fassbender atuou muito bem. No podcast passado não me lembro quem disse (acho que o Barreto), que ele assim como o Jonah Hill tinham sido indicados a melhor ator coadjuvante por pena, um comentário infeliz na minha opinião. Basta comparar a atuação dele nesse filme e em qualquer outro, achei a construção do personagem muito bem feita durante todo o filme(a partir do ponto que ele aparece, obviamente), não só na cena em que a Patsey é chicoteada.
    Vi várias pessoas dizendo que “12 anos” só ganhou melhor filme pra “fazer média” e que “em três meses vai ser esquecido”, e a maioria que diz isso logo em seguida exalta “O Lobo de Wall street”, que é um filme muito bom mas não acho que merecia o Oscar e pra mim não entra nem no top 5 dos melhores do Scorsese. E também não acho que “12 years” vá ser esquecido tão rápido, porque é um filme como uma história e personagens poderosos (e atuações excelentes).
    O maior problema do filme pra mim foi a passagem do tempo que não ficou clara, se não estivesse no título acredito que ninguém ia perceber que se passaram doze anos.

    • Fabio M. Barreto

      Oie! Falei só do Hill, adoro o Fassbender! Ele é ótimo! 😀

  • Katriny Campos

    Ótimo podcast

    Esse filme me marcou muito, foi a primeira vez que eu vi a escravidão sendo tratada como escravidão. Aquela conversa entre o Solomon e a mãe que perdeu os filhos acabou comigo, eu concordei com ela.
    Na questão do Brad Pitt não me incomodou NESSE filme, porém em outros filmes quando se é colocado o negro como um ser não pensante e sem sentimentos que precisa de um branco pra fazer ele acordar me incomoda e muito, pois a luta também vem dos aprimidos.
    Esse filme também pegou numas feridas, por exemplo o racismo, apesar de muitas pessoas juram que no Brasil não tem racismo, TEM SIM, e forte.
    Eu sou uma mulher negra com cabelos naturais que me orgulho e muito desse filme existir. Obrigada ao rapaduracast por se importar e não ter medo de falar dessas questões, pois para muitos é mais facil passar por cima.

    • @Katriny Campos Concordo plenamente com teu comentário.

  • Rafael Matos

    Na minha opinião, esse é o filme definitivo sobre escravidão.
    Sim, eu já assisti “A Cor Púrpura”.

    “12 Anos” é um clássico que nasce em nossos dias.

  • Muito bom o cast! Ouvido a voz do Giovane, lembrei do Juliano Dangelo, gosto dele comentando! rs
    Valeu!
    Bené

  • F

    Comentário feito por Stephanie Ribeiro (mulher negra)
    ”Assisti uma parte de 12 anos de escravidão, mas parei.

    Continuo achando que não é um filme que negros devam ver, vemos isso todo o dia, escutamos essas histórias dos nossos avôs e carregamos o nome do nosso “senhor” até hoje, RIBEIRO, é um exemplo disso.

    Vejo a senzala nas prisões, vejo as negras serem comercializadas nas esquinas, vejo as mães serem separadas de seus filhos porque precisam trabalhar como empregadas pra sobreviver, vejo negros tratados como animais sendo amarrados em postes, vejo poucos negros nas universidades mas muitos sendo garis e nem podendo lutar pelos seus direitos, que já são demitidos.

    13 de maio de 1888 é o dia mais longo que existe e está ai com suas marcas até hoje, esfregando na nossa cara a realidade, mas muitos fazem como os senhores dos filmes, e se negam a escutar que somos livres.

    12 anos é um filme para brancos, filhos dos senhores, filhos dos imigrantes, que vieram pra trabalhar mas também pra embranquecer esse país, que vieram com um pedaço de terra e não com direito a uma senzala e chicote. Que continuam perpetuando racismo até hoje.

    Esse não é um bom filme, é um triste filme. E não adianta NADA, você se chocar e chorar com ele, e continuar não questionando pq negros só são protagonistas de filmes e novelas sobre Escravidão. Não adianta se dizer indignado com essa época e ter um quartinho de empregada no fundo de casa. Não adianta nada encher a boca pra falar que está feliz com uma negra ganhando o Oscar e achar “normal” o Lazaro e a Camila Pitanga não serem o casal da Copa. Não adianta nada no fim do filme se sentir aliviado que essa história acabou, quando no primeiro assalto achar que a culpa é do negro e deixar ele 16 dias na prisão, não foram 12 anos, mas a liberdade que ele achava que tinha, ficou na cara que depende de sua cor e só saiu da cadeia pq era “ator da globo”, pq os outros que não são estão presos até hoje.

    388 anos de escravidão Brasil.”

  • Pietro Costa

    Importante dizer que na própria constituição americana o negro é considerado sub-raça.
    “Representatives and direct Taxes shall be apportioned among the several States which may be included within this Union, according to their respective Numbers, which shall be determined by adding to the whole Number of free Persons, including those bound to Service for a Term of Years, and excluding Indians not taxed, three fifths of all other Persons.”

    Traduzindo , para determinação do número de congressistas de cada estado , o negro é considerado 3/5 de uma pessoa.

  • Felipe

    Oscar mais do que merecido, filmaço!

    • nivaldo

      tenho que assistir, eu só vi O Lobo de Wall de street , Gravidade e trapaça!!

  • Caroline Medeiros

    Gente, que versão é essa de Roll, Jordan Roll?? Eu não consegui achar!!

  • aaaaeeee, vamos ouvir o/

  • nivaldo

    Demorou muito pra sair esse podcast, espero que o próximo não demore tanto!

  • nivaldo

    Ano passado bem que podia ter sido Django o vencedor do oscar, tem a temática da escravidão com uma abordagem diferente sem contar que foi bem superior a Argo que no fim foi o vencedor!!

  • Pedro

    Olá Jurandir,
    sou do RJ. Fiz um curso com o Mário Abbade, gostaria de saber se vocês gostaria de chamá-lo para um cast, acho que seria sensacional, o cara é um dos melhores do país, acho que vc iam aprender e muito. Também gostaria de ver o Pablo Villaça em algum cast.

    Será que existe essa possibilidade? Valeu!

  • Jacy Paulo Ribeiro

    Só uma nota que passou em branco: a ideia de negros punindo negros foi abordada de maneira meio superficial, bem como a ideia de como os negros passaram a ser escravizados. Ambas as coisas estão interligadas: negros escravizavam negros, e isso era simplesmente chamado de guerra tribal na África. O que acontece é que os Portugueses não tomavam negros como prisioneiros enquanto colonizavam a África, eles não colonizaram aquilo lá dessa forma. Eles compravam a preço de banana das tribos que estavam por cima, fazendo tais tribos de aliadas para facilitar a colonização. Os negros que vinham pra América haviam sido capturados por tribos rivais na África, por outros negros. No final, juntavam este monte de negros de tribos rivais e mandavam pros campos trabalhar.

    Essa ideia de achar estranho negros torturando negros é limitada pela visão que hoje se formou de enxergar a saga dos negros na história como se “negros” fosse o nome de um povo. Não é. Aqueles negros não tinham motivo nenhum para ter simpatia uns pelos outros apenas por causa da cor da pele, se fosse assim a África viveria em paz, e todos sabemos que aquilo lá tá é pior que o Oriente Médio mil vezes. Apenas nosso interesse ocidental por petróleo faz com que demos demasiado valor aos conflitos no Oriente Médio, enquanto na África a coisa sempre foi na base da guerra tribal, e ainda é assim em sua maior parte.

    Pelo contrário, muitos negros sentiam prazer quando torturavam aqueles que eles sabiam ser de tribos rivais.

    No fim, temos que parar de enxergar os negros como se fossem diferentes dos brancos. Da mesma forma que guerras mundiais foram travadas na Europa entre um bando de branquelos, negros não nascem com motivo para simpatizarem entre si apenas por causa de sua pele.

    O grande desafio é este.

  • Maxoel Barros Costa

    Como o Fábio Barreto disse, nos EUA houve segregação após a abolição. Aqui também houve, mas, como ocorre até hoje, de forma velada ou disfarçada sob a máscara de uma suposta democracia racial. Houve também, diferente dos EUA, a “importação” de mão de obra européia, com o claro objetivo de “branquear” o país.

    Lá, a segregação foi algo, que em determinado período, virou um alvo e foi combatido. As leis racistas foram revogadas. Aqui, a questão racial até hoje é algo delicado. Como foi dito no início do programa, é pisar em ovos.

  • Ambrose Pierce

    Concordo com quem disse que esse filme será esquecido em 3 meses. Fizeram filmes melhores sobre o tema. Até série de TV.

  • Arthur

    De fato, um bom filme!
    Não tirando o mérito, mas me incomodou o fato de alguns dos votantes da Academia terem votado nele mesmo não tendo visto. É uma falta de critério que deve se repetir em outras categorias da premiação e pode explicar muitas das injustiças da história do Oscar.

    • LUNATIC

      Serio que aconteceu isso? Então o Oscar não serve para nada mesmo, pqp…

  • Cesar Adr

    Ref a Biblia e a escravidão, o grande problema é que um livro escrito por uma divindade, um ser superior, NÃO deve dar margem para INTERPRETAÇÔES. Se o texto avaliza e ensina como tratar escravos (tem isso) …que divindade é essa? Por que nos 10 mandamentos Deus não proibiu a escravidão? esse simples detalhezinho teria evitado muito sofrimento la na frente ou pelo não serviria de justificativa.
    E desculpe, mas Jesus vir com um discurso contrário ao Antigo Testamento fica mais feio ainda… tudo isso só reforça a ideia que a Bibliafoi escrita por homens retratando os costumes de sua época.

    Ao ver imagens tao fortes da escravidão, me pergunto como alguém pode gostar de UFC. O ser humano se agredindo por “esporte” e dinheiro aos aplausos de uma plateia avida por sangue. Esse é o ser humano.

  • monica

    Não assisti ainda. mas os áudios que estão no programa ja me incomodaram. impressionante.

  • Cesar Adr

    O Brasil é uma piada quando se trata de igualdade social e os publicitários e donos de empresa brasileiros deviam tomar vergonha na cara. Cito abaixo algumas coisas que me incomodam muito:

    – Comercial de sabonete mostrando mulheres brancas ou claras.

    – Comercial de sandálias com 3 loiras representando a “garota de Ipanema”.

    – Comercial de sandália com uma top model brasileira loira com aqueles típicos traços de descendência europeia, como representante da “garota de Ipanema”. É mole?!

    – Propaganda sobre universitários na internet com 3 indivíduos brancos quase pálidos que devem morar na Finlândia pelo jeito.

    – quase todo comercial que envolve jovens e jovens adultos, eles parecem ter o mesmo perfil social.

    – A mulher brasileira é muito variada de região pra região. Mas na tv são todas iguais.

    – A maior emissora de Tv do país tem somente (dois) ancoras negros. Que apresentam telejornal somente algumas vezes na semana.

    – Nunca tivemos uma apresentadora de programa infantil negra.

    – As emissoras de tv adoram contratar apresentadoras loiras estonteantes pra assessorar marmanjo falando de futebol.

    – A mulata só aparece no período de carnaval. Depois ela some da mídia.

    – Comercial de cerveja com 4 ou 5 amigos e entre eles tem somente uma jovem “mais morena”.

    – Comercial de cerveja com a galera curtindo um churrasquinho de final de semana…e quantos negros estão no grupo de amigos? São raros.

    – BBB, fui no site e contei o total de participantes, 20 (vinte) participantes, quantos são negros? NENHUM! E detalhe, todos tem aquela aparência típica de classe média muderna do sul/sudeste.

    E temos vários outros exemplos como citados nos comentários de outros colegas.

    O que me chama atenção é que numa simples série como Dr. Who, a participação de negros é absurda se formos comparar com o que é apresentado pela mídia brasileira.

    Agora pergunto, por que será que a publicidade de nosso país lima a presença dos negros desse jeito?

    Minha resposta: Acredito que o dono da marca dá a palavra final sobre o que ele quer vinculado ao produto dele e claro, o produto é divulgado pra um público especifico e isso diz muito sobre o que é o Brasil.

    • infelizmente em 2016 ainda está é nossa realidade, INFELIZMENTE.

      “por que será que a publicidade de nosso país lima a presença dos negros desse jeito?” CLARO que tem a ver com o cliente, afinal ele paga para o produto que ele se identifica(rico e classe média-alta).
      MAS TAMBÉM nós #DesignersGráficos e #Publicitários temos uma grande parcela de culpa de não se responsabilizar(e procurar ver) o quanto é necessário mudar essa cultura na nossa sociedade, JÁ.

  • Gui Oliveira

    Muito bom o cast. Com um tema tão polêmico, é impossível não pisar em ovos o tempo todo ao falar dele.
    O Giovane adicionou bastante a parte histórica, embora ache que a disparada na navegação de Portugal e Espanha teve mais haver com os templários (que também continha grandes conhecimentos de navegação), que se refugiaram por aquelas bandas e fundaram novas organizações, do que com um sentido de união nacional ocorrido anteriormente em relação a vários outros países europeus.
    E quanto a bíblia, já começa pelo fato que não dá para interpretar a maioria das passagens literalmente, além de ter sido possivelmente montada para agradar aos interesses de alguns, já que ela não contêm os relatos da maioria dos apóstolos. Tem apenas os de uns 4 ou 5, sendo que os mais interessantes ficaram de fora da festa.
    Com um panorama desses, é difícil que ela escapasse de envolver-se em muita confusão. Não por culpa do livro, mas por culpa de quem o interpretou e ainda interpreta.

  • Felipe

    Acho que vcs esqueceram de enaltecer que a cena da chibata é toda feita em plano sequência.

  • Rafael Coelho Primo

    A cena de violência que mais me incomodou foi a do “semi-enforcamento” em que o Solomon fica nas pontas dos pés durante hrs, para evitar que a pressão sobre a garganta aumentasse… Porra, que cena angustiante!!!

  • Roy Mustang

    Juras, vcs esqueceram de mencionar que quem lutou pela libertação dos negros e pelos direitos civis foram os REPUBLICANOS. Inclusive, quem criou a Ku Klus Khan foram os DEMOCRATAS. E quanto à questão Obana, que eu saiba ele é mais criticado devido à suas ações “socialistas, na opinião dos americanos, do que pela cor de pele. Os republicanos são um partido liberal e ao contrário daqui, eles fazem o trabalho deles e criticam o que acham errado e o que é contra as convicções deles.

    http://www.theblaze.com/stories/2012/08/27/cnn-explains-anti-slavery-crusade-led-to-the-creation-of-the-modern-day-republican-party/

    • FernandoRT

      Amigo, isso mostra o quanto falta estudo para esse pessoal do rapaduracast. Gosto muito do podcast, mas quando eles falam sobre assuntos sérios (política, etc…) ai só sai merda.

  • ke

    Esse site é islamofobico racista e feito por judeus sionistas .

    Dizer que existe “escravidão” no sudão(onde o numero de violência no país é 4x menor que no brasil , é exatamente isso que você leu, a violência no sudão é 4x menor que no Brasil e o conflito em dafur existe porque os EUA querem o petroleo de dafur que é a região mais rica em petroleo de toda africa) e ignorar os mais de 700 milhões de escravos que existem na america latina , na china e india por empresas americanas é ridiculo e bizarro(e não se pode esquecer da escravização e genocidio do povo palestino por judeus sionistas), na verdade no mundo atual existem muito mais escravos do que em qualquer era da humanidade, só que hoje eles usam o termo “trabalho escravo” e “trafico humano” e a escravidão gerada por burgueses europeus / americanos não acabou, ela simplesmente saiu das americas pois o numero de revoltas era enorme e foi para a asia, onde nesse exato momento milhões de crianças chinesas, coreanas e indianas estão sendo escravizadas fazendo produtos que serão vendidos por empresas americanas(essas pessoas não ganham nenhum tipo de salario real). É por isso que os EUA sempre fazem guerras na asia :

    nos anos 10 e 20 a ditadura americana invadiu as filipinas
    nos anos 40 invadiu o japão
    nos anos 50 invadiu a coreia
    nos anos 60 e 70 o vietnã
    nos anos 90 o oriente médio
    anos 2000 o afeganistão,

    Eles sempre vão para asia e extremo oriente pois querem fazer as mesmas coisas lá, que já faziam em seus territórios.

    Como sempre enganando o povo brasileiro com versões oficiais ridiculas da falida ditadura americanistas e sionista, lembrando que esses mesmos já mataram milhares de brasileiros como na ditadura de 64 quando a CIA derrubou o presidente eleito jango, da mesma forma que querem derrubar o presidente da venezuela ou já derrubaram o presidente da ukrania ,gerando uma reação da russia e um conflito perigoso.

    NOTA: O nivel de semi-analfabetismo e alienação sionista dessa geração chega a ser assustador, dizer que o islam é contra negros é como dizer que o flamengo é contra as cores vermelha e preta, todos os fundadores do islam eram negros, os kalifas eram negros, os generais islamicos classicos eram negros, o islam começou como um movimento de negros oprimidos e os maiores lideres negros do mundo sempre foram islamicos, incluindo nos EUA
    o maior lider negro da historia americana MALCOM X era muçulmano,o islam é a maior religião dentre negros no mundo todo VÃO ESTUDAR SEMI ANALFABETOS .

    Eu já passei a informação desse site para entidades islamicas para encaminha um processo por islamofobia e racismo contra arabe contra esse site.

    • Roy Mustang

      Nossa, tu gosta mesmo de teorias da conspiração!! E teu post que tem partes bem interessantes se perdeu em algumas bobagens inacreditáveis!

      Os americanos foram atacados pelos Japoneses e a invasão do pais deles foi consequência de um processo de guerra. Além disso, os americanos deixaram o Japão em 1952, devolvendo aos japoneses o controle de seu governo.

    • Rodrigo Souza

      [com a voz do Affonso] Meu Deus…

  • FernandoRT

    Orra Barreto, que ridículo seu comentário sobre o Obama e os republicanos. Discordo completamente da sua opinião.

  • nivaldo

    O Rapaduracast agora é quinzenal e ninguém avisou?

  • Felipe Ferreira

    O podcast é muito bom porém é preciso fazer uma correção. Escravidão e servidão são coisas distintas.(não colocando uma como melhor que a outra, pois ambas são horriveis)Porém servidão sempre existiu isso está certo, mas a escravidão como o corpo como produto de venda só passa a existir em meados do século XV para frente.

  • André Coutinho

    Estava vendo a hora do Barreto dar um fora no Giovani… putz, ele não deixa ninguém mais falar. Insuportável.

  • Ótimo post. Filme sensacional. Só que muito triste, principalmente quando vemos, no final, nas últimas linhas que ninguém sabe como ele terminou, pois sua não há registro de quando, onde e nem em que circunstâncias ele morreu, ficou ainda mais triste de saber que há uma possibilidade dele ter sido preso e torturado até a morte por ter enfrentado aqueles “monstros” nos tribunais. Mais uma vez parabéns a vocês. Ah! Vou repetir algo que já disse aqui: ao incluirem áudios dos filmes nos posts, seria mais interessante os áudios em português (dublados), pois assim saberíamos o que está sendo dito, pois tenho certeza que são pouquíssimos os ouvintes que conseguem ouvir e traduzir sem legenda áudios em inglês. Um grande abraço a todos.

  • comandante carvalho

    cara, tem mais de 20 minutos de audio em ingles do filme, coloca o filme inteiro de uma vez se for pra ser assim, tenho certeza que nem 15% do publico não tem ingles fluente pra colocar tanto audio assim

    • Jean Baldaia

      Os áudios compõem o cast.. sempre foi assim e espero que sempre seja.

  • Renan

    Hypado ou hypado?

    nao tenho nenhum interesse em assistir esse filme.. pq sinto o cheiro de dramalhão a milhas de distancia..

    • Jean Lima

      De dramalhão esse filme não tem nada. Tb achava isso antes de assisti-lo. Fiquei surpreso com a direção. O filme não faz concessões a Hollywood. É um drama muito elegante com excelentes atuações de todos os lados. Deixe de besteria e o assista já!

    • @Renan chegou a assistir depois?

  • Halan

    A história da humanidade, como o nome já diz, é da humanidade e não pertence a nenhuma etnia. Eu, nascido em 1982, acho que a cor da pele diz tanto sobre o caráter de uma pessoa quanto o número que ela calça. Sendo assim, dizer que eu não tenho o direito de falar sobre racismo é o mesmo que dizer que tenho algo a ver com erros cometidos por pessoas há 200, 300 anos atrás. Pessoas que eu não sei quem são, nem porque fizeram o que fizeram, mas que contribuíram geneticamente para que eu esteja aqui hoje. Algum antepassado meu escravizou alguém (seja ele negro, beje, rosa ou verde)? Foda-se ele… Não vou assumir os erros dessas pessoas que desconheço. É claro que não tenho propriedade para falar como é sofrer racismo, pois nunca sofri, mas nada impede que eu discuta o assunto e tome posições a respeito de algo que (como deu pra perceber) atinge a todos. É óbvio que a gente sabe que racismo existe e acontece todos os dias, seja em Porto Alegre, Frankfurt, Salvador ou Luanda, mas nada pode mudar a experiência de vida que ele teve até agora. Acho que se a gente se preocupar menos com o que podemos ou não discutir e sim em transmitir uma mensagem positiva, todos nós, independente da cor, vamos nos entender melhor 😉

  • Jean Baldaia

    Excelente.. excelente.. excelente.. vou até esquecer dos comentários sobre interestelar do jurandir ^^

  • Sergio Augusto

    Uma cena marcante do filme aconteceu quando o Solomon fica com uma corda em seu pescoço por um bom tempo, na ponta do pé e quase sem ar, após uma tentativa de enforcá-lo. Ao seu redor os demais escravos e alguns brancos seguem fazendo suas tarefas corriqueiras, sem dar muita atenção ao fato. Isso demonstrou, em minha visão, o quanto insignificante era a vida do escravo e como as pessoas, brancos e mesmo os negros, estavam acostumados com aquele status quo.

  • JuniorOnline

    esse filme é muito bom