O Urso de Ouro, que consagrou “Tropa de Elite” como o melhor filme no Festival de Berlim, teve repercussão na imprensa internacional. Um dos primeiros veículos a dar destaque ao prêmio foi o jornal espanhol El País, que em sua página na internet noticiou a vitória do longa brasileiro.

A matéria online do jornal, que vinha acompanhada de uma foto do diretor José Padilha segurando a estatueta, dizia: “O filme de Padilha é um retrato da corrupção e da violência policial nas favelas do Rio de Janeiro, centrada em um grupo especial de elite que participa de uma operação limpeza para a visita do Papa João Paulo II, em 1997”.

Esse é o primeiro prêmio de grande relevância que "Tropa de Elite" recebe em sua carreira cinematográfica. O filme, que concorreu à indicação entre os filmes brasileiros para ir ao Oscar, perdendo para o longa "O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias", não despontou como favorito no dia de sua exibição, já que surgiram alguns problemas na tradução das expressões que marcaram o filme.

A premiação também teve destaque na página do francês Le Monde, do alemão Spiegel e do jornal italiano Corriere Della Serra, que definiu o filme como aquele que i“conta a influência do tráfico em uma favela do país e de um grupo especial corrupto”.