Em entrevista ao site inglês The Telegraph, o diretor brasileiro José Padilha (“Tropa de Elite”)  falou mais um pouco sobre o remake de “Robocop”, destacando a forte crítica social por trás da história do personagem.

“A crítica presente em ‘Robocop’, penso eu, é algo necessário hoje. Não vi nenhum filme recente que tenha  mostrado isso de maneira bem feita. É quase como se a política e a violência atuais implorassem por isso”, disse ele.

José Padilha disse que às vezes os espectadores não compreedem a verdadeira mensagem de um filme.

Eu simplesmente nem penso nisso. Se as pessoas não são capazes de compreender algo, isso é problema delas”, comentou.

Ele ainda acrescenta que o cinema tem muitos exemplos de filmes não compreendidos pelo grande público.

“Isso acontece com os filmes por toda a história do cinema. ‘Tropa de Elite’ é um exemplo deles. ‘Taxi-Driver’ (de Martin Scorsese) é  famoso por esse tipo de mal-entendido. Como cineasta, eu não devo restringir a minha expressão artística  aos gostos de uma determinada audiência. Eu tenho que ser claro comigo mesmo e consciente daquilo que pretendo dizer. Mal-entendidos sempre vão acontecer, eles são inevitáveis”, concluiu Padilha.

A versão do diretor Paul Verhoeven (“Tropas Estelares”), de 1987 , misturava ação com uma dose de humor sutil, tudo isso com muita crítica social presente. José Padilha já falou pretende explorar mais o processo de transição do policial Alex Murph em Robocop.

As filmagens estão previstas para começar em 2013. Padilha já comentou que gostaria de contar com o ator Michael Fassbender (“X-Men: Primeira Classe”) no papel pincipal. A MGM produz o longa e ainda não há uma previsão para estreia.