Críticas   quarta-feira, 15 de março de 2017

A Cura (2016): um visual arrebatador para uma história desinteressante

A única coisa que se salva neste desinteressante terror é o seu visual incrível, que remete aos principais movimentos do gênero nos cinemas. Pena que se trate de um filme, não de um ensaio sobre estética cinematográfica.

A carreira do cineasta americano Gore Verbinski é extremamente diversificada e cheia de altos e baixos. Verbinski vai do drama para uma animação surtada, passando por épicos de aventura com uma facilidade incrível, embora com resultados que variam do mais absoluto fracasso (vide “O Cavaleiro Solitário”) até sucessos inesperados (como o primeiro “Piratas do Caribe”). No entanto, uma coisa se manteve constante em todas as suas obras, que foi o visual caprichado de suas produções.

Com “A Cura”, ele retorna ao terror, gênero no qual não trabalha desde 2002, quando realizou “O Chamado”. Na trama com, argumento do próprio diretor e roteiro de Justin Haythe (“Foi Apenas Um Sonho”), conhecemos o jovem e ambicioso executivo Lockhart (Dean DeHann, “Poder Sem Limites”) que, pressionado pelo conselho director de sua empresa, é enviado a um misterioso SPA para trazer de volta o presidente da companhia (Harry Groener, “Buffy – A Caça-Vampiros”) para uma importante transação. No entanto, o centro dirigido pelo evasivo Dr. Volmer (Jason Isaacs, da saga “Harry Potter”) possui um obscuro e perigoso segredo.

Um dos grandes problemas do longa é o seu protagonista – ou, para ser mais exato, a falta de um ponto de vista mais humano e carismático para o desenvolvimento do roteiro. Acompanhamos todo o desenrolar da história através dos olhos de Lockhart, mas Dean DeHann jamais consegue fazer com que o público se interesse pelo destino do personagem.

O engravatado mostra-se excessivamente arrogante e prepotente desde o inicio da projeção. Esses traços, isoladamente, não o tornam uma figura detestável, mas não há um pingo de carisma em DeHann que seduza a audiência ou, no mínimo, a faça se importar com o seu bem-estar.

A figura central mais simpática da projeção é a ingênua Hannah (Mia Goth, “Ninfomaníaca: Volume 2”), uma interna tratada de forma quase infantil por Volmer, mas a maneira excêntrica e quase etérea com a qual a moça é mostrada a afasta um pouco do público. O trabalho de ligar platéia à garota seria de Lockhart, mas aí voltamos à questão anterior inicial. Nem mesmo o habitualmente competente Jason Isaacs cria um bom antagonista, com o seu Volmer se reduzindo a uma coleção sucessiva de clichês, um mais ridículo que outro.

Sem investimento emocional com os personagens, só duas coisas podem manter o interesse do público no filme: os segredos por trás do centro e o visual da produção. Desses dois aspectos, apenas o visual se sobressai.

O guião de Haythe dá voltas e voltas para tentar estabelecer uma grandiosa mitologia sobre o castelo onde o centro de tratamento se encontra, dando um nó maior ainda para ligar essa mitologia com a trama central, tornando o mistério tão rocambolesco quanto insatisfatório – e a lição de moral no final da produção é martelada de maneira tão óbvia que mais parece aquelas dadas pelo Corujito no final dos desenhos da “She-Ra”.

Sobra para Verbinski e a designer de produção Eve Stewart salvarem o dia e, neste departamento, mais um vez o cineasta não desaponta. Com o auxílio do diretor de fotografia Bojan Bazelli (velho colaborador de Verbinski), o filme ganha um visual que passeia por diversos estilos do terror de maneira extremamente orgânica.

Em determinados momentos, a influência gótica dos filmes clássicos de horror da Universal toma conta da tela, sendo substituída por uma dose de expressionismo alemão nos moldes de “O Gabinete do Dr. Caligari” (Robert Wiene, 1920) com um toque de steampunk, que por sua vez dá lugar a uma estética do Giallo italiano (especialmente nos momentos finais da projeção)… Em algumas cenas, o público quase esquece estar vendo uma produção que se passa nos tempos de hoje tamanho os detalhes dos elementos mais retrô do longa – e sim, isso é ótimo.

Como narrativa, “A Cura” certamente é um dos pontos baixos da carreira de Gore Verbinski. No entanto, seu visual o torna extremamente atraente para os estudantes da estética cinematográfica, especialmente aqueles que apreciam filmes de terror.

Thiago Siqueira
@thiagosiqueiraf

Compartilhe

A Cura (2016)

A Cure for Wellness - Gore Verbinski

Um jovem e ambicioso executivo é enviado para buscar o CEO de sua empresa em um "centro de bem-estar" idílico, mas misterioso, em um local remoto nos Alpes suíços. Ele logo suspeita que os tratamentos milagrosos do spa não são o que parecem. Quando ele começa a desvendar os segredos aterrorizantes do lugar, sua sanidade é testada e ele é diagnosticado com a mesma curiosa doença que mantém todos os convidados ali à espera da cura. De Gore Verbinski, o visionário diretor de O Chamado, vem o novo thriller psicológico, A CURA.

Roteiro: Justin Haythe

Elenco: Dane DeHaan, Jason Isaacs, Mia Goth, Douglas Hamilton, Adrian Schiller, Celia Imrie, Ashok Mandanna, Harry Groener, Godehard Giese, Tomas Norström, Angelina Häntsch, Jeff Burrell, Annette Lober, Eric Todd, Christian Brauer, Thomas Richter, Chris Huszar, Marko Buzin, Ivo Nandi, Magnus Krepper

Compartilhe