Críticas   quinta-feira, 09 de março de 2017

Personal Shopper (2016): entre o materialismo e o espiritismo

Kristen Stewart é a melhor coisa deste disperso thriller sobrenatural, que tem uma personagem principal que merecia um filme melhor.

Após ter ganho o prestigiado prêmio César (um dos mais importantes do cinema francês) como atriz coadjuvante no maravilhoso “Acima das Nuvens”, Kristen Stewart repetiu a parceria com o diretor e roteirista Olivier Assayas neste “Personal Shopper”. O longa, no entanto, não chega nem perto do nível de excelência da colaboração anterior da dupla, muito por conta do texto excessivamente disperso de Assayas, que tenta ser tudo ao mesmo tempo e acaba entregando muito tempo de nada.

Na trama, acompanhamos a jovem Maureen (Stewart), que trabalha como compradora pessoal de uma fútil personalidade da moda para se sustentar, enquanto tenta usar suas habilidades mediúnicas para se comunicar com seu recém falecido irmão. De repente, Maureen se vê perseguida através de mensagens de texto em seu celular por um estranho, que pode ou não ser deste mundo.

Tentando criar um thriller sobrenatural e um tratado sobre a futilidade do mundo da moda, Assayas acaba com uma história frágil, que não consegue ser nenhuma das duas coisas direito. Os dois lados do roteiro, ao invés de apoiarem um ao outro, acabam se sabotando. Não existe uma homogeneidade no texto e, não raro, parece que temos filmes completamente diferentes lutando por espaço na mesma tela, o que se reflete na própria protagonista.

Maureen se mostra extremamente descontente com o seu trabalho e a falta de interesse da personagem com este lado de sua vida acaba vazando para a própria obra, tornando trechos da projeção deveras arrastados e entediantes, desaguando em um subplot que chega a ser doloroso de tão previsível. Ao investir muito tempo da narrativa com esse lado mais “mundano” do cotidiano de Maureen, a porção sobrenatural do longa acaba perdendo força e credibilidade por não se conectar com o plot mais “real”, o que é uma pena, pois Assayas soube criar ótimas seqüências de suspense, apoiadas em elementos visuais bastante sutis e efetivos (embora seu entendimento sobre espiritismo seja um pouco duvidoso, mas como não se trata de uma obra com intenções religiosas, isso não é um problema em si).

Três elementos se destacam nesta produção: a bela fotografia, especialmente nas cenas que se passam na casa do falecido irmão de Maureen; o ótimo design de produção, que estabelece muito bem as diferenças de personalidade entre seus personagens apenas através de seus cenários; e o sólido trabalho de interpretação de Kristen Stewart, com uma protagonista conflituosa que procura, de maneira quase desesperada, encontrar algo que a convença de que existe algo além do mundo fútil no qual se encontra.

A Maureen de Stewart é uma mulher que se vê deslocada do ambiente no qual se encontra, buscando por algo significativo e imaterial em meio ao oceano de materialismo no qual ela se vê jogada. A forma com que a atriz retrata este arco é, de longe, a melhor coisa do filme. Infelizmente, o modo como Assayas conduz a jornada da jovem é extremamente trôpego e, para completar, o cineasta ainda deixa a história se prolongar além do devido necessário, entregando ainda um epílogo desnecessário para um filme que não soube explorar sua ótima protagonista

Thiago Siqueira
@thiagosiqueiraf

Compartilhe

Personal Shopper (2016)

Personal Shopper - Olivier Assayas

Maureen (Kristen Stewart) é uma jovem americana que mora em Paris e trabalha como "personal shopper" para uma celebridade local. Ela também tem uma capacidade especial para se comunicar com o mundo dos mortos. A moça dividia esse dom com seu irmão, recém-falecido, que parece estar querendo enviar uma mensagem para o mundo dos vivos.

Roteiro: Olivier Assayas

Elenco: Kristen Stewart, Lars Eidinger, Sigrid Bouaziz, Anders Danielsen Lie, Ty Olwin, Hammou Graïa, Nora von Waldstätten, Benjamin Biolay, Audrey Bonnet, Pascal Rambert, Aurélia Petit, Dan Belhassen, David Bowles, Pamela Betsy Cooper, Leo Haidar, Yun Lai, Abigail Millar, Benoït Peverelli, Khaled Rawahi, Fabrice Reeves

Compartilhe


  • Edson

    Alguém entendeu o final deste filme: PERSONAL SHOPPER? Ela (personagem de Kristen Stewart) morreu no quarto do hotel crowe logo após soltar as jóias na cama? Percebem que “algo” sai pelos corredores do hotel, pega o elevador e passa pelas duas portas automáticas e aparece a rua. Quem puder, compartilhe pq foi um filme. Muito difícil de decifrar. Principalmente pela cena final da atriz dialogando, através de batidas, com algo que deveria ser um “entidade..

    • Caroline Santos

      Então ela morreu mesmo???
      A cena do quarto de hotel, eu meio que entendi isso que vc disse, mas não tive certeza de mais nada depois.