Críticas

Clock segunda-feira, 14 de novembro, 2016 - às 23h13

Snowden – Herói ou Traidor? (2016): o Grande Irmão é real

Ficcionalizando a quase inacreditável história de Edward Snowden, Oliver Stone toma óbvio partido em favor do cinebiografado, mas não deixa de entregar o mais instigante filme de sua filmografia recente.

por Thiago Siqueira
14/11/2016 - 23:13

Está na moda colocar que a série animada “Os Simpsons” prevê o futuro. Pois bem, alguns anos atrás um episódio da série, de maneira jocosa, colocou um general falando para um grupo de crianças que elas construiriam os robôs que lutariam as guerras do futuro. Ao assistir “Snowden – Herói ou Traidor”, temos não apenas discursos nesse sentido, mas também ações, com campos de batalha cibernéticos e drones de combate.

Oliver Stone dirige e co-escreve este longa ao lado de Kieran Fitzgerald (“Dívida de Honra”), baseado nos livros “The Snowden Files”, de Luke Harding ,”O Quinto Poder”e “The Time of The Octopus”, ficção escrita pelo advogado russo de Snowden, Anatoly Kucherena, inspirada nos relatos de seu cliente mais famoso.

Recomendo ao espectador que assista “Citizenfour” ao sair do cinema. Isso porque o longa de Stone, que se anuncia como uma ficcionalização dos eventos que levaram ao exílio de seu personagem-título, tem sua narrativa ancorada nas entrevistas que Snowden deu aos jornalistas Laura Poitras e Glenn Greenwald que são a base daquele documentário dirigido por Poitras.

Sem contar que, descontando as liberdades criativas que Stone tomou para transformar a trama em algo mais cinematográfico, só consegui acreditar em alguns dos fatos mostrados no filme e na escala em que o sistema de vigilância denunciado por Snowden operava justamente por ter acompanhado as notícias e visto o documentário, em um caso clássico onde a realidade pode ser tão estranha e assustadora quanto a ficção.

Enquanto Ed Snowden (Joseph Gordon-Levitt) conta do esquema ilegal de vigilância em escala global instaurado pelo governo americano para Laura (Melissa Leo) e Glenn (Zachary Quinto), o público passeia pela vida do personagem-título, desde sua frustrada carreira militar, sua trajetória pelos diversos ramos da inteligência que o contrataram (direta ou indiretamente), até sua decisão em jogar fora sua vida vazando os documentos secretos que comprovavam as praticas ilícitas do governo para o qual ele trabalhava.

Acertadamente, o próprio Oliver Stone viu que seu estilo geralmente hiperativo de filmagem e edição seriam equivocado para a história que ele desejava contar, adotando então uma narrativa mais contida que o habitual, embora algumas montagens mais aceleradas e metáforas visuais apareçam aqui e ali, sempre fazendo alusão a um grande olho.

De todo modo, a decisão por uma montagem mais reflexiva tornou a obra mais condizente com a personalidade analítica e tranquila de Ed, alem de permitir ao público entender e digerir as informações sendo passadas pelo filme. A fluidez das passagens de tempo é outra virtude do longa, permitindo que o espectador consiga se localizar na narrativa, mesmo com os diversos saltos temporais.

As reações do Snowden de Joseph Gordon-Levitt ao poderio de vigilância que lhe é revelado e sua progressiva mudança ideológica em consequência disso marcam muito bem o arco do personagem. Aliás, toda a composição física e vocal do ator se mostra magnífica, com sua escalação ao papel principal sendo um dos grandes trunfos da produção.

O grande desafio em uma obra deste naipe é não torná-la excessivamente panfletária, algo frequente na filmografia de Oliver Stone, diga-se. No entanto, aqui há um foco bem sucedido no lado humano da história e boa parte dos créditos nesse sentido vai para Gordon-Levitt e Shailene Woodley, que vive Lindsey Mills, a liberal namorada de Snowden. A química dos dois funciona e dá ao protagonista não só alguém que confronte seu posicionamento político inicialmente conservador, mas também uma razão tangível para se preocupar, humanizando no personagem e os seus objetivos.

Aliás, o desapontamento político de Ed e do próprio filme para com os dois partidos que comandam os Estados Unidos é um dos pontos mais intrigantes do filme, pois aponta não uma crítica partidária, mas um descontentamento para com o sistema como um todo, algo relevante para o polarizado momento político-social em que vivemos. Se o sistema de vigilância começou no Governo Bush, Obama, que teve oito anos para cumprir sua promessa de cessar essas atividades, na verdade as ampliou e só o Grande Irmão sabe como será no Governo Trump.

Sobre Melissa Leo, Tom Wilkinson e Zachary Quinto, é interessante notar que estes são quase avatares das respectivas mídias de seus personagens. Nisso, temos a documentarista vivida de maneira calma e quase impassível por Leo e o jornalista do tradicional jornal britânico The Guardian defendido por Wilkinson, sempre agindo com cautela e um saudável ceticismo, com os dois servindo como contrapontos ao agitado e revoltado Greenwald, interpretado de maneira inquieta por Zachary Quinto.

Rhys Ifans e, em menor escala, Nicolas Cage, funcionam como os mentores opostos de Snowden. O engenheiro vivido por Cage é o primeiro a trazer, mesmo que dentro da estrutura hierárquica, o questionamento aos superiores e as consequências que isso acarreta. Já o personagem de Ifans, por ser um amálgama ficcional de diversos chefes e professores de Snowden, acaba sendo usado de uma maneira menos literal, algo que vai em um crescendo até a magnífica cena da videoconferência, que possui uma referência explícita não só a “1984”, mas também a outra peça audiovisual que bebeu da obra de George Orwell, o clássico comercial da Apple para o Macintosh.

Em dado ponto da projeção vemos filmagens de arquivo de um programa jornalístico comparando a vida de Edward Snowden com um livro de espionagem do autor John Lé Carré. O âncora da TV estava errado, com a história estando mais próxima da já citada obra máxima de Orwell ou de Alan Moore com seu “V de Vingança”. O fato dessas distopias outrora tidas como exageradas alegorias estarem se tornando realidade – e a já clássica foto de Mark Zuckeberg com a câmera de seu computador coberta por um pedaço de fita adesiva fala muito disso – é terrivelmente assustador.

Aqueles que abrem mão da liberdade essencial por um pouco de segurança temporária não merecem nem liberdade nem segurança“.
Benjamin Franklin

A escolha para a humanidade jaz entre liberdade e felicidade e, para grande parte da humanidade, felicidade é melhor
George Orwell, “1984”

Saiba mais sobre: , , , , , , , , , ,



  • Findman

    Infelizmente o filme desse nerd fofoqueiro não irá estrear na minha cidade =[