Críticas   terça-feira, 19 de junho de 2012

Prometheus (2012): Ridley Scott está de volta ao universo Alien

Assim como o próprio xenomorfo que assombrou a Ten. Ripley por quatro filmes, este longa se utiliza de uma franquia preexistente para criar uma nova série, com suas características e ambições próprias.

A busca de nossas origens, seja em um sentindo paternal ou em um mais amplo, sempre foi uma das bases mais fundamentais para histórias, em todas as mídias. Aproveitando-se deste norte e de um dos grandes mistérios da franquia “Alien” (a verdadeira natureza do ser chamado pelos fãs de “Space Jockey”), o cineasta Ridley Scott volta ao universo que, nos distante ano de 1979, o projetou para o cinema. Mas não se engane pensando que “Prometheus” é uma prequel pura para “Alien – O Oitavo Passageiro”. Embora este novo longa deixe um cenário pronto para os acontecimentos trágicos que acontecerão com a nave rebocadora Nostromo meio século depois, as ambições das produções são completamente diferentes, dando ao mais recente filme de Scott uma trama e identidades próprias.

Apenas alguns elementos e easter-eggs no decorrer da projeção indicam o parentesco entre as duas obras, jamais se tornando necessário assistir a obra setentista. Enquanto os fãs mais atentos perceberão semelhanças entre as naves dos filmes e pequenas amarras nos cenários em comum, um dos elos narrativos é deveras óbvio: a presença de uma protagonista feminina forte.

A trama é conduzida pela Dra. Elizabeth Shaw (Noomi Rapace), uma arqueóloga que acredita que os humanos foram criados por uma raça alienígena que ela batizou de Engenheiros, seres que deixaram suas marcas em um mapa estelar presente em culturas antigas espalhadas pelo mundo. Shaw e a tripulação da nave científica Prometheus (referência ao titã que roubou o fogo dos deuses) partem rumo as coordenadas encontradas, em uma missão patrocinada por Peter Wayland (Guy Pearce), dono da infame companhia que leva seu sobrenome. O que vão encontrar lá podem ser não pistas para o começo da vida na Terra, mas para o fim iminente da raça humana.

A busca de Shaw por seus criadores, motivada pela fé, é um dos problemas mais sérios do roteiro de Jon Spaihts (do fraco “A Hora da Escuridão”) e Damon Lindelof (da série de TV “Lost”). Ora, Shaw é uma cientista, teoricamente guiada por fatos. Justificar sua teoria sobre a vida terrestre com a frase “Porque é o que eu decidi acreditar” simplesmente não funciona, com essa falta de motivação empalidecendo um pouco a personagem diante da pragmática Ripley, por exemplo.

Apesar disso, Rapace foge da sombra de Sigourney Weaver criando uma personagem com quem o público pode se relacionar por conta de seu sofrimento e humanidade, surgindo de modo esplendoroso em uma das cenas mais tensas e gore da história recente do cinema sci-fi.

O objetivo final de Shaw é espelhado pela existência do androide David, um dos membros da missão e a figura mais fascinante do filme. Vivido por Michael Fassbender de um modo meticuloso e assustadoramente calculado, em uma perturbadora mescla de inocência e frieza, o ser artificial busca uma identidade própria, ansiando pelo momento em que poderá viver além da programação estipulada por seu criador/pai, Wayland, que o considera inferior por não possuir uma “alma”.

Durante o período de hibernação de dois anos da tripulação da nave, David passou seu tempo observando os sonhos de Elizabeth, criando uma estranha relação com esta, com o subconsciente da arqueóloga lhe sendo tão interessante quanto o filme “Lawrence da Arábia”, cujo personagem-título é o seu modelo de comportamento escolhido. Enquanto Shaw busca compreender por que foi criada, David entende que sua existência reflete apenas a ambição humana de alcançar novas conquistas, não possuindo um significado filosófico maior, sendo esta a sua grande tragédia, crendo ele que Shaw a compartilhará em breve.

David ainda tem um relacionamento conflituoso com a fria representante da Companhia Wayland na embarcação, Meredith Vickers. Charlize Theron nos mostra Vickers como uma mulher exteriormente durona, mas que possui uma agenda própria, relacionada com seu conflito interior. Infelizmente, seus objetivos e motivação são mantidos em “sigilo” pelo script de maneira desnecessária, com tal tolice prejudicando não só o desenvolvimento da própria personagem, mas também uma maior evolução de David e Wayland.

Enquanto os anteriormente citados tripulantes da embarcação são deveras interessantes, mesmo que pontualmente sabotados pelos furos do roteiro, os outros não vão muito além de estereótipos, “camisas vermelhas” cujas mortes sabemos ser inevitáveis e que jamais não nos importamos muito, a não ser pelo fator gráfico. Mesmo o companheiro/amante de Shaw, Charlie, vivido por Logan Marshall-Green, acaba não sendo muito bem trabalhado, com a ousadia sendo sua única característica explorada pela produção e mesmo as interações entre ele e Shaw servindo apenas para uma maior exposição dos sentimentos, crenças e pensamentos da protagonista.

Ademais, devo questionar a escalação de Guy Pearce para o papel do idoso Wayland. Além do magnata não surgir jovem em nenhum momento da projeção, algo que justificaria a presença do ator ali, a maquiagem em látex só serve para criar um ruído na experiência cinematográfica, sem nenhum propósito. Por mais que aprecie a carreira de Pearce, foi algo absolutamente desnecessário. Wayland, aliás, pode ser encarado como o descendente egoísta do John Hammond (“Jurassic Park”), com ambos sendo homens que fazem apostas imensas para satisfazerem seus objetivos e complexos de Deus, com a diferença que Wayland aparenta ser um indivíduo completamente desprovido de consciência e respeito à vida alheia.

Ridley Scott se mostra extremamente à vontade em seu retorno a este mundo a ele tão familiar, sabendo trabalhar muito bem com a atmosfera de tensão do longa, e dosando muito bem o terror mais gráfico com aquele mais sutil, sempre contando com a ajuda do cinematógrafo Darusz Wolski para a criação da atmosfera sombria desejada. A sensação de claustrofobia, seja nos ambientes fechados por metal ou pelos rodeados de trevas, é quase que ininterrupta. Scott também retoma sua parceria com o montador Pietro Scalia para dar ao longa dinamismo, algo necessário considerando o equilíbrio delicado entre ficção existencialista e terror de sobrevivência  que a película exige.

Note-se que, enquanto o texto de Lindelof e Spaihts faz referências claras a “Eram os Deuses Astronautas?” e “Frankenstein”, a câmera de Scott já presta homenagens a “2001 – Uma Odisseia no Espaço”, com esses toques a clássicos da ficção científica sendo devidamente reverenciados pela fita.

Visualmente, o longa é arrebatador, com a comunhão de Scott, Wolski e o designer de produção Arthur Max, outro colaborador veterano do diretor, funcionando muito bem. No primeiro ato, buscando recriar a Terra quando da aurora da vida, o diretor explora muito bem as paisagens exóticas da Islândia para criar um cenário de tirar o fôlego, cujas linhas fazem uma bela rima com a desolação sombria dos interiores das estruturas dos Engenheiros, que ainda exibem um eco dos visuais brevemente vistos em “Alien – O Oitavo Passageiro”.

Quando a história passa para a Prometheus, o visual desta também não desaponta, com seus corredores tecnológicos passando uma sensação de claustrofobia muitíssimo bem-vinda, com exceção da cabine de Vickers, tendo em vista que os conflitos dela são mais interiorizados. As novas criaturas continuam a lógica visual proposta por H.R. Giger em 1979, principalmente com a natureza sexual das criaturas se mantendo. Enquanto o xenomorfo (o alien clássico) apresentava-se como uma forma essencialmente fálica, o visual da ameaça biológica mais presente aqui remete claramente ao aparelho reprodutor feminino.

O esforço de Scott em utilizar efeitos práticos sempre que possível também deve ser louvado, mas as equipes responsáveis pelos efeitos digitais não deixam por menos e ajudam a levar o espectador para aquele ambiente inóspito. A trilha sonora de Marc Streitenfeld também contribui para esta viagem, com o compositor lançando também mão de alguns trechos das composições de Jerry Goldsmith para o “Alien” original. O mesmo não pode ser dito do 3D que, por mais competente que seja, não acrescenta muita coisa à narrativa.

Apesar de ser uma superprodução, “Prometheus” é uma fita sem medo de tocar em temas pesados e de propor perguntas pesadas a seu público. Mesmo com a discussão sendo menos que perfeita, o fato de um blockbuster a propor em conjunto com um espetáculo visual, faz com que esta seja uma empreitada a ser elogiada.

P.S.: Reservo-me o direito de lançar um olhar desaprovador à postura de Ridley Scott em já anunciar uma “versão do diretor”, tendo em vista que se trata de um cineasta que tem força suficiente para impor seu corte ao estúdio, principalmente considerando-se que a versão de cinema já possui uma censura alta, tendo essa extensão uma motivação exclusivamente financeira, mostrando que Scott realmente se tornou um pupilo de George Lucas, no pior sentido dessa expressão.

Thiago Siqueira
@thiagosiqueiraf

Compartilhe

Prometheus (2012)

Prometheus - Ridley Scott

É 2089. Elizabeth Shaw (Noomi Rapace) e Charlie Holloway (Logan Marshall-Green) são exploradores que encontram a mesma pintura em várias cavernas na Terra. Com base nisto, eles desenvolvem uma teoria em que a pintura aponta para um lugar específico do universo, que teria alguma relação com o início da vida no planeta. A dupla convence um milionário, Peter Weyland (Guy Pearce), a bancar uma cara expedição interestelar para investigar o assunto. Desta forma, Elizabeth e Charlie entram para a tripulação da nave Prometheus, composta pelo robô David (Michael Fassbender), a diretora Meredith Vickers (Charlize Theron), o capitão Janek (Idris Elba), entre outros. Todos, com exceção de David, hibernam em sono criogênico até que a nave chegue ao objetivo, o que acontece em 2093. Encantados com a descoberta de um novo mundo e a possibilidade de revelarem o segredo da origem da vida na Terra, Elizabeth e Charlie não percebem que o local é também bastante perigoso.

Roteiro:

Elenco: Noomi Rapace, Michael Fassbender, Guy Pearce, Idris Elba, Logan Marshall-Green, Charlize Theron, Lucy Hutchinson, Sean Harris, Rafe Spall, Kate Dickie, Emun Elliott, Benedict Wong, Patrick Wilson, Ian Whyte, Branwell Donaghey, Vladimir Furdik, C.C. Smiff, Shane Steyn, John Lebar, Anil Biltoo

Compartilhe


  • Fico meio surpresa com algumas críticas a respeito de Prometheus, a sua, por exemplo.
    Eu, sinceramente, detestei. Achei um filme que quer marcar com extrema pretensão de ser “profundo”, quando, na verdade, é extremamente raso.
    Comecemos com: se Wayland não mediria esforços para financiar a missão, por que não juntar uma tripulação unicamente de andróides?
    Só eu senti vergonha alheia em ver o “camisa vermelha” brincando com um alien que sai de uma gosma preta, como se fosse a coisa mais normal do mundo?
    Cadê a profundidade da personagem de Charlize? Teoricamente seria a “vilã” e não vemos absolutamente nenhuma motivação.
    ~~SPOILER~~
    Por que o David contaminou o Charlie? Apenas pra ver o que acontecia? Beleza, então por que não explorar mais o personagem, depois de sua contaminação?
    E o geólogo, que volta meio “zumbizado” e ataca a Prometheus, qual foi sua função para a história?
    ~~SPOILER~~
    Sinceramente, acho que Ridley Scott chamou o roteirista certo. Muitas perguntas, poucas respostas (ou respostas bobas) e muita pretensão. Prometheus mais parece o prólogo de Lost.

    • LUNATIC

      Aeh, alguem com uma opinião parecida a minha. Também acho que era possivel colocar robos para investigar em vez de humanos, mas ai o filme não teria “drama”.
      PS: Quando vai participar de outro cast? 😛

      • Jennifer Almeida

        Quem sabe qualquer dia o Jurandir me convida, novamente?! hahahaha

    • Mário Motta

      Parabéns Jennifer,finalmente um comentário lúcido!
      Olha, ainda continuo fã de Ridley Scott por tudo que ele já fez pela ficção científica no passado com Alien o 8ºPassageiro,Blade Runner.
      Aguardando por Prometheus,torci muito por um lampejo de genialidade do velho mestre,mas infelizmente saí desapontado da sala de cinema.
      Concordo com a Jennifer,achei um tanto raso,e digo mais,forçado,e subestimando a inteligência do público em muitos momentos,não chega nem perto da atmosfera tensa criada no 8ºPassageiro.
      Como pontos positivos,visualmente impecável,cenários e criaturas,interpretação do Fassbender ótima como sempre…tecnicamente o filme é muito bom,embora a trilha seja as vezes um tanto quanto fora do contexto.
      No geral deixou muito a desejar,Prometheus e não Cumprius!!!

    • Carlos Cajuru

      Jennifer, você como muitos outros, vem com essas critícas babacas pra cima do filme, eu conheco tudo sobre a série, os gibis e os criadores, e acho que o Ridley conseguiu fazer um ótimo filme, preservando de certa forma a origem deles, além de ser um grande diretor, que criou cenas memoráveis e deu início a uma franquia que estava quase perdida nas mãos de outros diretores, sendo que os únicos antigos que valem a pena e Alien do Ridley e Aliens do James. Para você nerds que acham que entende de alguma coisa da série, e fica criticando o Ridley pelo roteiro, sendo que não foi ele que o escreveu; só digo uma coisa: Lamentável seus babacas!

      • Jennifer Almeida

        Não sei em que parte do meu comentário você leu sobre o meu “conhecimento” sobre a série Alien. Até porque, se você reler, verá que não foi isso que me incomodou.
        O que me incomodou foram personagens estúpidos, cientistas que deveriam ter um determinado comportamento e não têm, agem como se estivessem “testando” um mundo novo.

        Mas, como eu disse, MINHA opinião. Você concordar com ela ou não, é um direito seu.

      • jorge

        Eu achei grandioso,há anos que não assisto filme que me prende na cadeira sem que eu conseguisse se quer piscar ,a pipoca só foi comida durante os trailers.o maior erro do filme foi em se apressar em explicar as coisas,podia deixar tudo por conta do sub consciente,que experiência maravilhosa foi em assistir em IMAX,apesar dos furos Obrigado Redley Scott,lembrando que em sua época ALIEN também foi criticado,2001 também foi criticado,hoje são verdadeiros clássicos.

        “As grandes coisas também nascem de pequenos começos”.

        nota 9/10

        • Tiago

          Parabéns, Jorge! Foi uma das poucas opiniões relevantes que li até agora. Tem gente que não deveria ir assistir esse tipo de filme. A mente é muito fechada e não consegue compreender a intenção de certos diretores visionários, como o Ridley Scott. Que Pena!
          Achei o filme é incrível!

      • André

        Burrinho, não citar Blade Runner comprova como voce eh raso, tao raso quanto a Jennifer, que geração chata voces perfazem. Burrinhos demais.

        • André

          Vi o trailler… mais uma vez encontrarão ovinhos dos quais sairão os monstrinhos? Não se cansam desta repetição?

    • jonathas marques

      Bom dia seres rapadurianos, eu vi o filme antes de ler qualquer critica, para não me influenciar pelo que outros disseram…
      depois que sai do cinema me vi espantando com tamanho carinho a obra… ridley scott fez um ótimo trabalho na minha opinião, por androids, robos ou sei o que, para investigarem seria algo sem emoção na minha opinião, e a personagem principal desse filme carrega tudo nas costas, os outros atores, assim como nos demais filmes estão ali para construir o mundo da personagem principal assim como em Alien o oitavo passageiro, e isso sem ambas terem qualquer semelhança..
      pra mim um mistu excelente e muito bem amarrado de 2001 e alien que eu há muito queria ver…. foi bom ir ao cinema ver uma obra dessa depois de tantos anos sem uma ficção cientifica digna de aplauso…
      sinto descordar….

      • Gui Oliveira

        Acho que vai muito além da emoção, creio que talvez tenha mais haver com um aspecto mais inerente a natureza de um ser “vivo”, que possivelmente os andróides não possam replicar (pelo menos no filme, tive essa impressão), a curiosidade. Não consigo imaginar um explorador sem curiosidade sobre o que está explorando. Mandar uma missão apenas de andróides, terminaria que eles olhariam, olhariam e não veriam nada. Nesse tipo de exploração, sempre implica em encontrar coisas que demandam um raciocínio mais subjetivo. Por isso, que a meu ver, ter alguns humanos ali era imprescindível.

    • Z3hr0_C00l

      Você não me parece ser uma pessoa curiosa o suficientes. Se você estivesse em um planeta diferente e quem aparecesse um animal para você e você sendo biologa, não tentaria interagir com aquele bixo? Sairia correndo? Que especie de biologa você seria?

      Weyland não tinha muito tempo de vida, ele estava hibernando para ganhar tempo e conseguir a imortalidade, não tinha condições fisicas para fazer uma viagem como essa e muito menos explorar um ambiente hostil.

      David contaminou Holloway por uma experiencia que eles estava programado a fazer. Talvez aquele liquido trouxesse beneficios, mas foi o contrario. Ele teria que testar em algue, pediu uma permissão subliminar e o fez. Não entendo o espanto. Parece que nunca assistiu nenhum Alien para saber como os androides se comportam.

      Charlize não era e nunca tentou ser a vilã, pessoas autoritárias costumam ser taxadas dessa maneira. Ela queria apenas descobrir algo que rendesse muita GRANA pois a empresa dela teria gastado trilhões naquela missão. Não poderia admitir nenhum erro que custasse sua vida e seu patrimonio.

      O zumbi, poderiamos encarar como uma mutação… Até porque aquele “alien” era fruto de “minhocas” não tinham sido fecundados por humanos, logo quando ele adentrou no geologo, o efeito foi diferente do que conhecemos, afinal, era uma mutação.

      • Juan Chagas

        Ok,mas não acha que precisa ter no mínimo bom senso para brincar de COBRINHA FOFINHA com um alienígena no qual vc não sabe se é hostil? O cara é biólogo,sabe das inúmeras ameaças que existem na Terra,mas nããããoooo,como ele está num planeta desconhecido,cheio de cadáveres de aliens gigantes(inclusive decapitados) esse ser não me fará mal algum…Essa cena só não foi mais ridícula das mulheres correndo na nave para não esmagá-las…era só correr pro lado PORRA!!! Mas fazer o quê né,quiseram matar a LINDA CHarlize Theron 🙁

    • Renan Duarte

      Realmente, foi extremamente bizarro o cara brincando com o alien como se fosse a coisa mais normal do mundo. Penso que foi para fazer o personagem servir ao estereótipo dr biólogo amigo dos animais. Cena estúpida.

      Além dessas e outras falhas,

      eu gostei do filme.

    • Tiago

      Pessoal, posso estar enganado, mas eu acho que vocês foram assistir o filme esperando encontrar uma continuação da franquia Alien ou mesmo um filme que tivesse a mesma atmosfera de terror. Se o Ridley Scott quisesse fazer um outro filme sobre o Alien, ele chamaria de Alien 5, então poderíamos criticar Prometheus por não seguir a mesma fórmula dos filmes anteriores do extraterrestre assassino. Ou seja, tomando como premissa que vocês foram assistir o filme com essa pretensão, podemos concluir que dificilmente seria possível que vocês apreciassem o filme de maneira justa. O que eu sinto nas opiniões de vocês é que todas se baseiam nos acontecimentos dos filmes, ao invés de basear na análise dos diálogos dos personagens; se vocês fizessem isso, com certeza, vocês entenderiam boa parte da trama, a intenção do diretor e, principalmente, as motivações e crenças dos personagens principais, por exemplo, a crença da Elizabeth, os motivos que leveram David a contaminar o Charlie e a intenção da Vickers em acompanhar o pai dela (Wayland) na jornada – contrariando o comentário do Thiago Siqueira: “ seus objetivos e motivação são mantidos em “sigilo” pelo script de maneira desnecessária”. Para mim, ficaram claras como água. Mas não serei eu, um simples universitário de Letras, que vai dar as respostar que vocês não “pegaram” do filme. Se vocês tiverem a oportunidade de assistir o filme de novo, deixo uma sugestão: assistam tendo a noção de que o UNIVERSO é uma das coisas mais intrigantes que exisitem, nem os próprios cientistas entendem – o “negócio” é uma coisa INFINITA… Como pode? Nós, seres humanos, somos NADA se comparado a essa IMENSIDÃO. Então, como nós podemos ter a arrogância de falar que somos os únicos SERES VIVOS dentro de todo esse ESPAÇO. Se vocês assistiram o filme Horton e o mundo dos Quem, vocês vão entender o que eu estou querendo dizer. PS.: Thiago Siqueira, se você também não compreendeu o caráter religioso da protagonista, eu sugiro que você assista o filme de novo e preste atenção no contexto em que ela citou a frase “Porque é o que eu decidi acreditar”. Se você não entendeu, isto só mostra que você acredita mesmo no estereótipo de que todos os cientistas são ATEUS. Você também acredita que todas as loiras são BURRAS?

    • Concordo, vários temas não foram abordados da maneira que deveriam.

      Robôs poderiam investigar;

      Que tipo de idiota chega em um local pela primeira vez e “desce” com força máxima? Deveriam enviar uma sonda, ou até mesmo jogar aquelas bolinhas vermelhas, sei lá.

      Entre outras coisas, abs!!!

    • Papa Emeritus

      Puta kill pariu!

      Eu não quero mudar sua opinião, mas porra…. a proposta de Prometheus é COMPLETAMENTE DIFERENTE da de Alien!

      Prometheus NÃO É UMA PREQUEL de Aliens de maneira AFIRMADA. Riddley Scott deu ao especatador o DIREITO de escolher se o filme pertence ao universo de Alien ou se é um universo totalmente novo.

      O próprio diretor falou isso ANTES das filmagens começarem.

      Ele deixou bem claro que era uma história de ficção científica nova com ELEMENTOS do universo de Alien. Mas o final deixa claro que é ambíguo.

      Alien ele trabalha o terror dentro do tema de “vida alienígena”. Em Blade Runner ele fez um thriller futurístico, pós-apocalíptico, etc…

      Prometheus é o lado “mistério”, o segredo da criação dos seres humanos!

      São temas e narrativas diferentes.

      Embora tanto em Alien, em Blade Runner e em Prometheus tenha elementos semelhantes, mas cada um segue uma linha de raciocínio e visão completamente diferenciadas.

      A Fox queria uma prequel de Alien… mas devido a vários problemas o roteiro e a idéia foram REMODELADOS. Riddley Scott cria uma prequel ao mesmo tempo que cria uma franquia TOTALMENTE NOVA. Um novo universo! Não sei se terá continuação, mas ele deixou em aberto o final. Quem quiser (fãs) encaixar com a franquia de Alien, pode fazer-lo. E quem quiser imaginar-lo como um universo a parte, apenas usando elementos do universo de Alien, também pode fazer-lo. É simples…. e o tema do filme, sobre a criação tem dois pontos: Um é sobre realmente a nossa origem (tem muita gente que acredita que nós humanos somos primatas alterados genéticamente por alienígenas), o outro ponto é exatamente o lance religioso (Prometheus é, na mitologia grega, aquele que rouba o fogo dos deuses para dar aos humanos para eles criarem vida à sua imagem e semelhança… o que remete TAMBÉM à passagem bíblica de que Deus teria nos criado à sua imagem e semelhança).

      É só isso, não se trata de Aliens, se trata sobre o MISTÉRIO de nossas origens. É uma coisa tão simples de entender na trama que eu fico boquiaberto tentando entender porque querem explicações de “detalhes” do filme que no fim das contas não farão diferença no resultado final!

      Mas não, nego quer é corredores espremidos da Nostromo, clima claustrofóbico, criaturas alienígenas aterrorizantes e sanguinárias no último nível.

      E sobre “profundidade”. Isso é um argumento totalmente relativista. O que pode ter profundidade pra você, ou deixar de ter (que parece ser o seu caso), pode ser completamente diferente na visão de outro espectador e vice-versa (a propósito, muito obrigado Einstein por ter existido, rsrs).

      Sabe, eu já vi nego falando que Sylvester Stallone dá de 1000 a zero no Robert De Niro em “passar emoção”.

      Ora, isso não é relativo??? Se nós considerar-mos o Rocky chorão com aquela boca torta, talvez algumas pessoas se emocionem. Mas se considerarmos Travis Backle com seu “You talkin’ to me?? You talkin’ to me???”, talvez tenha até mais emoção sendo passada pra algum determinado tipo de pessoa do que o pugilista com cara de bobo gritando “Adriaaaannn”. rsrs

    • Erick

      é uma pena existir tantas criticas sobre o filme. eu entendi muito bem a historia e o que o filme queria passar. o fato de a historia estar incompleta e ter alguns furos é proposital. pois quando acaba o filme a mulher vai atras de “respostas” que vamos descobrir na continuação do filme.

  • Rodri de sousa

    Muito boa critica de VERDADE. Mas vai comprar o blue director’s cut que eu sei xD

  • Paola PGS

    Finally!!! A tão esperada crítica de Prometheus….

    Bem que eu imaginva um 8,0 msm, apesar de minha pessoa ser capaz de dar um 9,0…

    P.S: Que história é essa do corte?!? Isso é um absurdo! Que esperasse sair dos cinemas pra dizer um negócio desse…¬¬

  • Ate que enfim uma critica bem feita desse tal de Thiago Siqueira. Eu concordo com a nota 8.

    Só fiquei com uma duvida porque o David colocou aquele negocio na bebida daquele cara lá? Apenas para matar ele? Para ele fecundar a Elizabeth? Se foi para fecundar ela qual era o motivo?

    • Vinícius

      Leonardo, acredito que o David colocou aquele negócio na bebida porque ele queria fazer um experimento. Talvez ele tenha percebido que poderia ser fecundada uma nova raça fazendo aquele cara tomar aquilo.

    • Tiago

      Leonardo, você precisa prestar atenção no diálogo para entender um dos motivos que levaram o David a fazer isso. Abs

    • Juan Chagas

      Talvez para ele se tornar um criador,o filme dá essa ideia:Da criatura,vir a se tornar um criador…Veja: Os engenheiros criaram os humanos,os humanos criaram o andróide,no meu ver o andróide queria continuar esse ciclo.Uma nova espécie.

  • Erwin Andrade

    A crítica mais sensata que li sobre o filme até agora, Sicas. Conseguiu apontar muito bem os prós e soube descontar os pontinhos preciosos que o filme perdeu. Daria um nota um pouquinho maior, mas não dá para dar meia estrela a mais, né? rs O grande mérito da fita, na minha opinião, foi propor algumas questões não muito usuais para um blockbuster, como foi apontado. Há aqueles que queriam “respostas”, mas penso que essa nem de longe era a proposta do filme.

  • Marcela

    Não gostei do filme. Achei que faltaram premissas para suportar algumas situações e que no final faltaram explicações. Imaginei os metidos a “cult” dizendo que não tendo a origem da vida, bem como o final, alguma explicação, um filme que não explica nada seria uma metáfora perfeita para o que ele se propunha a discurtir: as angústias do ser humano sobre sua origem e seu fim. Mas, para mim, a atuação da protagonista foi superficial e o enredo cheio de furos. Esperava muito mais. Daria uma nota 5, talvez 6. Não vou no cinema só pra ver imagens bonitas. A única coisa que salva é o robô David, um personalgem interessante muito bem interpretado por Michael Fassbender.De resto, uma total decepção.

    • Você não gostou do filme não porque ele tem falhas tão grandes assim no roteiro, você que não conseguiu ententender.

      • Tom Wagner

        Entendo ou não, midias de peso estão avaliando o filme negativamente!

      • Marcela

        Sr. Contradição. Se você entendeu tudo e achou o roteiro ótimo porque não responde suas próprias perguntas: “Só fiquei com uma duvida porque o David colocou aquele negocio na bebida daquele cara lá? Apenas para matar ele? Para ele fecundar a Elizabeth? Se foi para fecundar ela qual era o motivo?”.
        Se você se entreteu com as cenas de tensão/ ação que bom. Mas eu quando vou ao cinema procuro outra coisa. Concordo com o comentário da Jeniffer. “Muitas perguntas, poucas respostas (ou respostas bobas) e muita pretensão.”. Quis se passar por filme de questionamento profundo e falhou feio.

        • Z3hr0_C00l

          Minha cara Marcela, você realmente não entendeu NADA! David estava a serviço do Weyland, ele queria descobrir a imortalidade, achou um elemento estranho e decidiu testa-lo em um ser humano, poderia ser que aquele liquido fosse um elixir da vida.

          David não era malvado, estava programado para fazer experiencias. Toda série Alien tem isso, um android usando a tripulação como experiencia. Nunca confie me um android, ele sempre tem uma programação que vai contra o objetivo da missão, seguindo o seu mestre, que são pessoas ligadas a corporação Weyland.

          Filme explicou quem criou os aliens e quem nos criou, porém trouxeram MAIS perguntas. Isso é obvio, o Ridley fez o filme pensando na continuação, com possivel nome de “PARADISE”.

    • Tiago

      Aí, Leo. Concordo plenamente com você.
      Marcela, você prefere aqueles filmes em que você não precisa pensar, né? O filme, como a tal Jennifer mencionou, tem mais perguntas do que respostas justamente para que reflitamos sobre elas. Da próxima vez, vai assistir Branca de Neve!!!

  • Logan

    Finalmente fizeram a crítica!
    Precisam de atualizações mais rápidas para o site hem?!
    desde sexta feira estava entrando para ver algo sobre Prometheus e não tinha, aliás não só sobre Prometheus; mas estava fraco em atualizações de qualquer conteúdo, mas enfim, Boa crítica!

  • Paulo H.

    Jennifer respondendo a sua pergta. SPOILER A SEGUIR. O android David desde o inicio da historia esta programado para seguir os objetivos da empresa Wayland. Tudo em nome da descoberta e ciencia. Ele e a pior pessoa da trama, muito frio e calculista. Os outros tambem desejam descobrir algo, portanto sao humanos e para David, as emocoes se sobresaem nas decisoes do homem. Antes de contaminar holloway com a gosma alienigena, ele faz a pergunta: Voce realmente faria qualquer coisa para conseguir as suas repostas? Foi a saida perfeita para David. Contaminar holloway e concluir no final a sua tese sobre aqueles estranhos seres e poder depois medir as consequencias de seu terrivel ato.

  • Vagner

    Assisti o filme e gostei!
    !!!!SPOILERS!!!!
    Não sei quais são os tantos “furos” no roteiro q tanto falam mas, com certeza alguns são bem visíveis como exemplo: O inicio d “tudo” como é mostrado e a descoberta q os leva a essa viagem… ¬¬
    A cena pós-operatório da personagem da Noomi!!! A cenas mais correrias e tensas com ela recém operada é bem “incrível” pra ser crível.
    Mas no fim d tudo, o filme é bem divertido. Não me decepcionou pois, não esperava nenhuma obra prima pra ser sincero!

    • Vagner

      PS.: Não vi nada d+ na interpretação da Noomi como alguns tanto elogiam. Muito pelo contrario. Não gostei muito não.
      Com ressalvas claro a cena da operação!!! Oo… Bem tensa mesmo!!! E a cena q ela pede perdão a Deus!

  • Marco Aurélio

    Eu sinceramente, não gostei do filme. Eles aprofundaram muito pouco naquilo q, a principio, parecia ser a proposta do filme. Quando eu vi o trailer no cinema, achei muito foda eles focarem nas origens… Tanto q nem pesquisei muito a respeito, só fui lá, sem grandes expectativas, assistir ao filme. Eu nem imaginava q eles introduziram ETs junto a estória. No comecinho, até q achei digno aquelas criaturas humanoides sendo introduzida à estória. Só com o decorrer, q não entendi o porque daquele ser q apareceu no inicio das imagens ter bebido sei la o q, e ter morrido. Qual foi a finalidade daquilo? E aquele polvo gigante, qual foi a finalidade? na boa, sei q ele salvou a vida da mulher lá, mas mesmo assim não explica os meios.
    Minha conclusão é que: O filme abriu inúmeras lacunas, tanto no trailer, quanto no decorrer da estória, q no final acabou não sendo preenchidas. Na verdade, foram pouquíssimas, e irrelevantes, as lacunas preenchidas.
    Sei q vai ter gente vindo falar q eu não entendi o filme, q eu nunca assisti Alien pra saber. E eu nunca assisti mesmo, e nem pretendo.( não sou fã do genero ). Apenas assistí Promotheus, pois a imagem q o filme transmitiu foi totalmente controvérsia..

    • Rafael Chabatura

      Marco, pelo o que entendi foi um ritual de sacrifício, tanto que o “Space Jockey” tira o manto antes de beber o liquido preto.
      Ele se sacrifica para que haja vida no nosso planeta.

      Pra mim ele seria uma personificação do título do filme, no caso o titã grego Prometeu. E os outros engenheiros estariam tentando consertar a merda que ele fez (nós).

      Retirado da wikipedia:
      >Na mitologia grega, Prometeu é um titã filho de Jápeto e irmão de Atlas, Epimeteu e Menoécio. Foi um defensor da humanidade, conhecido por sua astuta inteligência, responsável por roubar o fogo de Zeus e dá-lo aos mortais.
      >O mito foi abordado por diversas fontes antigas (entre elas dois dos principais autores gregos, Hesíodo e Ésquilo.[6]), nas quais Prometeu é creditado – ou culpado – por ter desempenhado um papel crucial na história da humanidade. (…) em algumas versões teria criado os homens usando água e terra, além de ter-lhes dado o fogo.

  • ANTONIO

    MUITO BOM O FILME,POR SER UMA PREQUELA. ASSISTI TODOS OS ALIENS E GOSTO DO GÊNERO, É MUITO DIFÍCIL FAZER UM FILME COMO ESTE,TENDO MUITOS DETALHES.

  • Jack Oliveira

    concordo com os furos de roteiro apresentados pela jennifer alameida,mas só o fato de um block buster abordar esse tema,já é váldio fiquei super empolgado com a presença do ser “Arquiteto que aparece no quae no final..e porq ele quis destruira terra(SPOILER)

  • Leandro Ramos

    Muito mimimi. O IMDB deu 7.7 ao filme com uma média das críticas do mundo inteiro. A maior nota foi dada ao Poderoso Chefão que foi 9.2.

  • O Guy Pearce tá no filme por causa do viral. Eu também não tinha entendido porque não tinha visto, aí depois fez mais sentido.

  • lucassouza24

    Concordo com você Jennifer Almeida, esperava tanto desse filme e na hora do vamos ver, me decepcionei. Ora, quem vai pros confins do espaço só por causa de um achado arqueológico??? E aquele zumbi??? Pensei que o filme iria virar um resident evil. E a aparência do alien??? PELO AMOR DE DEUS, Sigourney Weaver deve ta puta, e com razão. Ao meu ver, ele deveria ter se prendido a historia do filme Alien: O oitavo passageiro, não ter feito esse coco que ele fez. #prontofalei

    • Tiago

      “Cocô” foi esse seu comentário, hein, Lucas. Acho que é daqueles que não entendem a história do filme, então preferem criticar ou concordar com a péssima avaliação dos outros (Jennifer). PROMETHEUS NÃO É SOBRE ALIEN, CARALHO!!!!! Da próxima vez, presta atenção no filme sem esse preconceito.

  • NILSON

    Quem viu Alien o oitavo passageiro, sabe que esse Prometheus tem o roteiro mais covarde q já se viu no cinema, pois tudo caminhava para o inicio do primeiro filme do alien (mesmo o Ridley Scott afirmando q não seria um prequel) e no final, do nada, ele resolve “dar pra trás” e mesmo criando o alien por acidente (afinal não é toda vez q se cria uma forma de vida alien engravidando uma humana, e não me venha com não foi gravidez porque existia cordão umbilical) ele não coloca o et gigante acordando (como o hospedeiro da contaminação do primeiro filme do alien) se sentando no cockpit de sua nave e o alien-mãe saltando de seu estomago e colocando duzia de ovos em hibernação na nave antes de morrer, exatamente o cenário do começo do primeiro filme.
    e isso tudo pra q ele pudesse colocar numa continuação que tb não vai explicar p@rr4 nenhuma (fechar o filme redondinho,q é bom, NADA)
    O espectador é representado pela protagonista q quer acreditar e procura uma resposta que NÃO EXISTE.

    • Leonardo de Medeiros

      Eu vi Alien, sou um fã fervoroso e fiquei satisfeito com a pequeno conexão entre os dois filmes. Prometheus não foi feito para ser um prequel, pois possui um foco diferente do 8º Passareiro. E outra coisa…Você não acha muita ousadia querer explicar detalhe por detalhe de uma das criaturas mais clássicas da história do cinema? Isso tiraria muito do mistério que existe em relação ao Alien. Eu estou muitissímo satisfeito e adorei o roteiro do filme.

    • jonathas marques

      Descordo, esse filme foi pra ser independente, pra quem não viu Alien curte tanto quanto quem já viu.
      Saudades de um bom filme de ficção cientifica, e somente Ridley Scott pra poder reviver essa arte ha muita esquecida.

    • Z3hr0_C00l

      Covarde? De cara o roteiro te joga na cara que acreditar em “nós somos criaturas feitas à imagem e semelhança de Deus” é uma puta bobagem.

      • Zigbin

        Como assim bobagem? O que é um Deus para os seres humanos? Segundo as crenças de todos os povos conhecidos, um Deus, ou deuses dependendo da mitologia, é o ser supremo que tem o poder sobre a vida, a morte e todas as coisas. Se na mitologia “Alien” os tais Engenheiros originaram a vida na Terra, e depois estiveram presentes de alguma forma na vida dos povos antigos, como mostram os achados arqueológicos, podemos entender que eles eram os Deuses desses povos. E como nos mostra o filme, os seres humanos são bastante parecido em fisionomia com esses seres misteriosos. Portanto, se olharmos por esse foco “somos” sim a imagem e semelhança de Deus.

  • Não é uma reclamação, e sim uma dica: O site está precisando soltar suas críticas mais rápidas, só. em relação ao filme, posso dizer que não gostei, achei que ele tenta enganar o espectador, o diretor tentou deixar o filme meio “cabeça” ou complexo, e na verdade ele não consegue nada disso, ele deixou o filme sem nexo, e com muito mais perguntas do que respostas, além do que o final foge do foco do filme, e se torna um desastre – na minha opinião -, achei a nota muito alta, mas se você achou o filme tão bom assim, ok! Acho que a experiência pessoal de cada um é o que conta! 😀

  • Mateus Parizotto

    8/10? Huuumn, e quanto você daria pra trilogia Alien? 10/10? E se você desse 10 para a trilogia Alien, daria quanto para Blade Runner? 20/10?

    Eu nem achei o filme ruim, apenas esperava mais do Ridley Scott. O visual é incrível, fotografia foda, mas o roteiro e os personagens (tirando o Andróide que foi muito bem interpretado pelo Fassbender) deixam muito a desejar.

    Mas enfim é só uma opinião.

  • Matheus

    Pena que esse tipo de filme não tem espaço para a minha cidade que prefere passar Madagascar 3 no unico cinema…

  • Silvestre

    Como eu digo SEMPRE “se tem dedo de algum dos caras do Lost” tem tudo pra dar errado ! Perdi ANOS vendo lost , ai colocam esse cara no roteiro Damon sei la oq pra eu ja ir ver o filme com pé atras , o cara faz faz faz e não faz nada , filme medio , 6/10 .

  • Pablo

    Eu esperava muito desse filme. Achei uma ótima idéia levantar questões sobre nossas origens, nossos objetivos de vida… e ao mesmo tempo fazer sutis referências ao primeiro Alien até chegar a uma conclusão que interligue ao clássico. Não precisaria aprofundar o tema proposto tanto assim para não ficar uma chatice. Poderia ser de uma forma simples. Mas no momento em que vi a resposta da Dra. Shaw ao geológo… Bom, o visual, por mais espetacular que seja, não conseguiu fazer subtrair os muitos erros e falhas na história que a produção apresentava e parecia que a cada vez que se aproximava o desfecho do filme, mais incompreensível foi ficando para mim.
    Até a última cena apresentou um erro imperdoável para mim que sou fã do clássico. O que foi culminando numa grande decepção.

    -Mas, Sr. Newton, como pode chegar a essa conclusão da gravidade por simplesmente uma maçã ter caído na sua cabeça?
    -Oras, porque é o que eu decidi acreditar.

    Sr. Hawking, porque o universo fora criado pelo simples Big Bang?
    -Hum… porque é o que eu decidi acreditar.

    Se fosse assim seria fácil até quando eu for apresentar alguma pesquisa minha. Sem aprofundamento, sem uma explicação, sem… nada. Só… por ser o que eu quis acreditar…

    • Z3hr0_C00l

      Tu ta fazendo analogia de algo METAFISICO com algo FISICO? Serio mesmo?

      • Pablo

        Hum.. mexi com um fanboy de Prometheus… 😀

    • Tiago

      Aí, Pablo, você só é um daqueles fans medíocres que pensam que Prometheus é um filme sobre a franquia Alien. E sua intertextualidade sarcástica oriunda da frase da Elizabeth é simplesmente vergonhosa. Mais um mente fechada que não entendeu a proposta do filme. Todos nós temos crenças, e isto faz com que busquemos repostas para comprová-las. As crenças da Elizabeth é o que estimula sua curiosidade pelas DESCOBERTAS. Você foi justamente ao cinema PORQUE QUIS ACREDITAR que o filme seria sobre o Alien. E como a trama não é exatamente uma prequela sobre ET assassino e você não o entendeu, você preferiu criticar. Que irônico, não?! Sua crença provou que você estava errado, assim como as crenças da Elizabeth ou a do Newton poderiam ou não estarem erradas.

      • Pablo

        Nossa… mais um fanboy…
        Eu prefiro ser sarcárstico com quem não vê os defeitos de um filme a ter que perder o meu tempo argumentando pormenores do roteiro que podiam terem sido melhor explorados.
        Mas… bom, também… talvez fosse melhor eu ter usado um pouco o capacete do geólogo que vinha com uma concentração de diamba para aceitar as coisas… numa boa. Aí então eu entenderia… tudo. Tudinho. Sóóóó de boooaa…

  • Elisabete

    Sobre esse filme Prometheus: Eu não acredito que perdi preciosas horas da minha vida para assistir tal porcaria de filme, pois não tem outro adjetivo. O que me espanta, é que vi há uns dias atrás,uma entrevista com o cidadão que fez o desfavor de criar esse filme e que teve a audácia de comentar que Hollywwod havia feito mais de 400 filmes nos últimos anos e que eles não tinham qualidade nenhuma. E eu gostaria de perguntar para ele se a inveja dele foi tão grande, que fez o pior do pior filme dos últimos tempos, para ganhar disparado em primeiríssimo lugar na categoria de filme desqualificado. Nos poupe, ele riu de nossas caras, depois que viu o final desse filme…Simplesmente, ele colocou todos os Aliens que já fez na vida, num grande liquidificador e despejou em nossas caras… com ácido e tudo o mais.. com a intenção de derreter nossa inteligência…

    • Inteligência foi só a sua que deve er derretido o diretor do filme só fez apenas o primeiro Alien e não ”todos”.

    • Z3hr0_C00l

      Shame on you!

    • Fatima Gabriela

      Eu concordo com você. O filme é péssimo mesmo. Mas, cada diretor tem opinião própria, fazer o que?!

  • jonathas marques

    Sem duvida a coisa mais relevante do filme foi o 3D… o IMAX ajudou muito, agora sinto pena de quem foi ver numa tela normal…
    Como filme eu curti e muito, merecida as 8 estrelas. Visualmente impressionante e pra quem pode ver em IMAX o som é espetacular, a cena da tempestade de areia me deu agonia como se tivesse lá junto deles…
    o melhor filme do mês de junho…. espero ansioso pela continuação…

    • Wendell Santana

      Eu assisti em uma tela normal é foi excelente,melhor filme do ano até agora,tenso e profundo,Scott fez um belo trabalho.

  • O problema é que as pessoas querem sair do cinema com todas as perguntas respondidas, mastigadas ali…. ou um ”feliz para sempre”. E não entendem que o meu de ”Prometheus” e essas perguntas que você fica tentando achar as respostas e entando desvendar os mistérios.

    Prometheus é um filme para quem não tem preguiça de pensar

  • Gui Oliveira

    Antes de ver, pelos vários comentários que li, achei que o filme era desses que se enquadravam na categoria do “Árvore da vida”, oito ou oitenta, ou ama, ou odeia. Mas sinceramente, não entendo como alguém diz que esse é o pior filme lançado nos últimos tempos, porque o que não faltou nesses últimos anos, foram muitas porcarias em forma de filme.
    Entendo quem não gostou do filme (principalmente para quem tinha uma grande expectativa em relação a ele), entendo quem ficou incomodado pelas bolas fora do roteiro (que não acho que foram tantas assim), mas daí dizer que é um dos piores filmes lançados? Acho que nesse caso, é bom dar uma olhada no porquê realmente o filme incomodou tanto, porque começo a acreditar que a idéia dele de concepção da vida na Terra, ofendeu até demais, a base do sistema de crenças de algumas pessoas. Porque mesmo que não tenham gostado, não vejo como alguém dar uma nota abaixo de 4/10 para o filme, nem que seja pelo visual e pela atuação do Fassbender, o que classificaria o filme como fraco, mas não como horrível.

    • Murilo Neto

      Tambem acredito que o que incomodou foi a desconstrução de Deus… só pode ter sido isso. Gente se ofendendo com obra de ficção. Sem falar que a crença deles também é uma mera ficção, até o momento.

      • jorge

        Depende de seu ponto vista do que é Deus?se for como religioso Fánatico aí sim,Os engenheiros pode ser visto como Deuses já que nos criaram,Deus não pode ser visto como algo,Deus deve ser visto como alguém que criou algo Grandioso,esse tipico pensamento vem pessoas prepotentes que acham que humanos são uni-presente no universo de que somos os mais inteligente.

  • vitor gabriel

    Para avaliar Prometheus parte 1 tem que esperar parte 2. Eu acredito que o Scott tinha essa intenção, e ainda pior, teremos que esperar versão diretor da parte 1 e 2 para termos todas as respostas para as perguntas emitidas pelo filme.

    Algumas coisas eu não gostei, a inocência dos tripulantes e a imaturidade, como colocar a mão num ser estranho (nunca que um humano faria isso, temos medos de coisas estranhas), retirar o capacete (NUNCA, NUNCA que alguém iria fazer isso), enfim.

    • Z3hr0_C00l

      Os caras tinham “examinadores” de ar…. eles não fizeram isso por besteira, mas seus filtros não alegaram nenhuma substancias mortal. Tanto é que eles não se contaminaram por isso e sim por causa do David. Biologos costumam pegar em bixos, mesmo desconhecidos… foi idiotice? Foi, mas isso acontece no mundo real.

  • Leonard Maltin

    Este filme “Promethia ” muito e não cumpriu quase nada , o sr. Scott anda pensando que é o Kubrik …

  • Z3hr0_C00l

    10 pra homem aranha 3 e Vingadores e somente 8 para Prometheus? Alguem me explica isso.

    • Vingadores é uma merda. é muito infantil.

  • Essa critica é baseada no IMDB? que filme foi esse??? personagens sem uma abordagem… nota, era pra ser no máximo um 5. Agora com a continuação, pode ser que faça sentido, mas você Thiago Siqueira, você não pode basear sua medíocre critica em algo que tá pra acontecer. Estou cansado de vê bons filmes sendo mal jugados e uma merda que nem essa, que não tem sentido algum. fora o final mais sem sentido do mundo, e ainda com a desculpa de criar um outro em cima dessa @#!

    • Fatima Gabriela

      Simples, meu caro, Homem Aranha e os Vingadores é melhor. Além disse, não foi só crítica daqui que disse isso, foram várias críticas. È aceitar e pronto…

  • Rodrigo Garcia

    Sabem o que é mais engraçado:

    Tem algumas pessoas aqui nesta página que idolatraram “Os Vingadores” (um longa metragem com ares de épico). E agora voltam à este mesmo espaço cuspindo auto confiança, senso crítico, e em muitos casos, um ar irrirantemente arrogante na tentativa de demonstrar intelecto avançado.

    Não sei aonde querem chegar, mas suspeito que alguns temem admitir que as longas horas de wikipedia não foram suficientes.
    Está faltando argumento e sobrando ofensas. O único comentário que li com bastante cuidado foi o da Jennifer Almeida.

  • Bom galera que gosta de criticar, Apocalypto tem o mesmo número de estrelas ou menos desse filminho… e olha qual é o melhor!

  • Guilherme

    Quem reclama que o filme não respondeu à perguntas é porque nunca assisti à um filme do Lars von Trier e passou dias pesquisando sobre o filme para se esclarecer. Creio que a possível continuação do “Prometheus” será tão enigmática quanto a primeira, deixando á cargo de quem assiste o interesse de entender ou não.

  • vernaldo

    pessima crítica,pessima nota e pessimo filme.cheio de falhas no roteiro,personagens rasos e idiotas.na minha opinião este filme naõ deveria existir,totalmente desnecessário…

    • Tiago

      Desnecessária foi essa sua opinião!!! Totalmente irrelevante, denotando claramente que você não entendeu o filme. Que pena!

  • Quéssia Quélem

    Sinceramente, este filme foi muito superficial e se perdeu muito na história!

    • Tiago

      “Superficial” foi a melhor!!! Superficial é essa sua crítica sem nenhuma relevância. Qual sua opinião para justificar a superficialidade. Acho que não foi a história que se perdeu, você é que ficou perdida na história.

  • Tiago

    Pessoal, posso estar enganado, mas eu acho que muitos de vocês foram assistir o filme esperando encontrar uma continuação da franquia Alien ou mesmo um filme que tivesse a mesma atmosfera de terror. Se o Ridley Scott quisesse fazer um outro filme sobre o Alien, ele chamaria de Alien 5, então poderíamos criticar Prometheus por não seguir a mesma fórmula dos filmes anteriores do extraterrestre assassino. Ou seja, tomando como premissa que muitos de vocês foram assistir o filme com essa pretensão, podemos concluir que dificilmente seria possível que vocês apreciassem o filme de maneira justa. O que eu sinto nas opiniões de alguns de vocês é que todas se baseiam nos acontecimentos do filme, ao invés de basear na análise dos diálogos dos personagens; se vocês fizessem isso, com certeza, vocês entenderiam boa parte da trama, a intenção do diretor e, principalmente, as motivações e crenças dos personagens principais, por exemplo, a crença da Elizabeth, os motivos que leveram David a contaminar o Charlie e a intenção da Vickers em acompanhar o pai dela (Wayland) na jornada – contrariando o comentário do Thiago Siqueira: “ seus objetivos e motivação são mantidos em “sigilo” pelo script de maneira desnecessária”. Para mim, ficaram claros como água. Mas não serei eu, um simples universitário de Letras, que vai dar as respostar que vocês não “pegaram” do filme. Se vocês tiverem a oportunidade de assisti-lo de novo, deixo uma sugestão: assistam tendo a noção de que o UNIVERSO é uma das coisas mais intrigantes que exisitem, nem os próprios cientistas entendem – o “negócio” é uma coisa INFINITA… Como pode? Nós, seres humanos, somos NADA se comparado a essa IMENSIDÃO. Então, como nós podemos ter a arrogância de achar que somos os únicos SERES VIVOS dentro de todo esse ESPAÇO. Se vocês assistiram o filme Horton e o mundo dos Quem, vocês vão entender o que eu estou querendo dizer. PS.: Thiago Siqueira, se você também não compreendeu o caráter religioso da protagonista, eu sugiro que você assista o filme de novo e preste atenção no contexto em que ela citou a frase “Porque é o que eu decidi acreditar”. Se você não entendeu, isto só mostra que você acredita mesmo no estereótipo de que todos os cientistas são ATEUS. Você também acredita que todas as loiras são BURRAS?

  • Um dos melhores filmes do ano,ficçao cientifica de primeira,quem nao gostou do filme nao gosta do genero,e provavelmente nao entende nada de filmes.

    Nota:8.0

    E que venha Prometheus 2 e Blade Runner 2

  • Mayara

    Finalmente uma crítica decente sobre o filme! Aguardando a sequência!

  • Deivid

    Eu gostei do filme, A história é bem legal porém tem algumas cenas bobas para ser um filme de ficção, Ex: Falar de vida após a morte foi meio sem lógica já que o filme usa argumentos científicos. Mas o filme até que é legal por ter uma história interessante e bem produzida. Acho que vai ter continuação sim, O Fato do vilão Alien ter aparecido no final do filme já deixa gancho para uma continuação.

  • Deivid

    Eu gostei do filme, Tem uma boa história. O fato do vilão Alien ter aparecido no final do filme já deixa gancho para uma provável sequência.

  • Deivid

    é

  • Deivid

    Eu gostei do filme, Tem uma boa história.

  • @Fabio_Melo_

    Eu não entendo esse número tão grande de pessoas que não gostaram do filme. O Filme está bem claro, as coisas que vcs estão questionando, a maioria (se não todas) estão implícitas no filme. Vem dizer que o filme não explicou muita coisa, é pq na verdade, não entenderam, e quando não se entende um filme, é normal não gostar. Eu gostei do filme sim. Conseguiu atingir seu foco, que foi dar explicação pra origem dos Xenomorphos, utilizando-se de artefatos filosoficos, como a teoria do existencialismo. Só não dou 10, pq o filme foi feito para os fãns da franquia Alien, e pq os enigmas não foram pescados pelas maioria das pessoas, mas msm assim, não deixa de ser bom por causa disso. minha nota é 8,5/10. Sai satisfeito do cinema e espero o próximo.

  • O título da continuação de Prometheus” talvez seja “Paradise” (segundo o próprio Ridley Scott), que se refere à partida da Dra. Elizabeth Shaw ao suposto paraíso dos Engenheiros da humanidade. Vale lembrar que a Sigourney Weaver em 2011 se mostrou interessada em fazer “Alien 5”, ela disse: “Gostaria de fazer uma última sequência em que voltamos para o planeta, onde a história de Ripley é resolvida”. Acho MUITO difícil o desejo dela se realizar nesse momento. Quem sabe no futuro, né?

  • Não acredito que a origem dos xenomorfos seja aquela mostrada em “Prometheus”, tem mais mistérios a serem explicados. Creio que o sinal de alerta em “Alien” tenha sido emitido por algum heróico humano que tenha feito das tripas coração para que aquela nave ferradura caísse em LV-426 (evitando que os ovos se espalhassem pelo universo) – levando em consideração que explorações espaciais já existiam na realidade do filme bem antes do surgimento da Ripley. Bem…, mesmo que tenha sido o aviso de um alienígena, creio que isso tenha acontecido após os eventos que vão se desenrolar em “Paradise” (suposto título da seqüência revelado por Ridley Scott). Vale lembrar que o andróide Ash, de certa forma, já estava ciente daquela ameaça. Por mais que os fãs ignorem “AVP”, de alguma maneira o ‘crossover’ se relaciona ao universo Alien. O que mais me intriga é aquele futuro caótico mostrado no final alternativo de “Alien – A Ressurreição”. Será que a destruição da Terra tem alguma relação com os xenomorfos (ou uma possível evolução deles)???

  • MJ Bondioli

    Não acredito que os Space-jockeys estejam criando uma arma biológica.
    Notem que ao entrar na câmara em que estavam os vasos e a cabeça do space-jockey, havia uma pintura na qual era nítida a figura de uma criatura extremamente parecida com um alien. Atrevo-me a dizer que ali era uma espécie de santuário, e os space-jockeys que correram para lá, cometeram suicidio coletivo, originando o líquido que estava espalhado pelo chão. Como o local estava herméticamente fechado, não houve nenhuma reação, até o momento em que David abriu a porta de entrada.
    Talvez aquela criatura faça parte do sistema de crenças deles (um deus?) e eles estejam tentando recriá-la. (lembrem-se do deus-tornado-monstro de Conan, O Destruidor).
    Talvez eles tenham sido criados por esses alienígenas. Nãos seriam eles androides tb ?
    Provavelmente as experiências deram errado, dando origem a uma criatura monstruosa (o xenomorfo dos filmes).
    Ou seja, ao tentar criar uma vida, deram origem à um “monstro de Frankenstein”.
    Não custa lembrar, que o título original de Frankenstein é “Frankenstein, or The Modern Prometheus”.

  • Sinceramente ? Achei um filme muito bom, tenho algumas perguntas que não conseguirei responder, apenas guardo-as para mim, para não fazer a propagação de desinformação, porém, a que eu mais quero a resposta é: Ela vai para o planeta dos engenheiros, o que acontecerá ?

  • osmar

    Também fico com a opinião da Jennifer Almeida,Achei os personagens pouco desenvolvidos.. não gostei do roteiro. achei vago e superficial demais.esperei muito mais.pra nao dizer algo bastante diferente do que vi..a equipe cientifica nao correspondeu ao proposito ,pareciam que foram encontrar algo conhecido ao inves do desconhecido, mais pareceu um bando de gente desempregada praticando turismo espacial do que qualquer outra coisa..os furos no roteiro são grotescos. uma pena. nem de longe alcança o charme do Dark de Aliens o oitavo passageiro. uma pena [2]! e muito provável que caso haja uma continuação. também fique na mesmice.nunca serão preenchidas as lacunas que ficaram neste, A complexidade de especular sobre nossas origens ainda não pertence a ossada de Scott. é preciso um roteirista mais ousado e visionário para tal.