Colunas   terça-feira, 25 de abril de 2017

A Era dos Exageros II: por que criticar uma obra nos ofende?

Por que defendemos filmes com unhas e dentes e brigamos tanto por eles?

“Vestir a camisa” é uma expressão que denota abraçar uma causa e viver em prol dela. Embora a primeira referência que nos venha à mente quando pensamos nesse dizer seja relacionada aos esportes, a explosão da cultura pop e a “renascença nerd” fez com que isto se tornasse algo real para nós quando falamos de cinema – inclusive literalmente. Andamos com as camisetas de nossos atores, diretores e filmes favoritos, e os levamos no peito, como uma causa que defendemos.

E, curiosamente, absorvemos qualquer crítica feita à nossa camisa como uma crítica feita a nós mesmos.

A Era dos Exageros que permeia a nossa sociedade nos obriga, em primeira instância, a valorar cada segundo do nosso tempo de maneira pragmática, decidindo o que “vale”/”não vale” a pena ser assistido, ouvido ou feito, perdendo as nuances que cada uma dessas ações tem. Porém este impacto não para somente em uma análise interna: nós nos viramos para as pessoas ao nosso redor e demandamos o porquê de ela “perder tempo” com este filme, série ou música, obrigando-a a justificar como ela aproveita seu entretenimento e lazer.

Sermos questionados em como estamos administrando o nosso tempo – o bem mais caro que a pós-modernidade possui –  soa como uma acusação, e, acuados, abraçamos os nossos filmes, atores e diretores favoritos como se fossem parte de nós mesmos. A partir do momento que é estabelecido um vínculo emocional com aquele produto cultural, a própria conexão com ele justifica dedicar horas da vida à ele.

É daí que provém a necessidade que sentimos de nos explicarmos quando assistimos ao novo “Velozes e Furiosos” – tendo que dizer que é “divertido e não pode ser levado à sério” – ou quando revemos toda a franquia Harry Potter em um final de semana. Em última análise, a resposta poderia ser simplesmente “porque eu quis” – ou, em uma variação talvez menos grosseira, “porque me entretém”.

Em uma camada posterior, há o fato de que existe uma carência de identidade na sociedade ocidental, de forma que absorvemos o que gostamos como parte de nós. Nossa ruptura necessária com os hábitos e padrões das gerações que nos antecederam faz com que cresçamos tendo maior dificuldade em definir quem somos, ou qual é o nosso papel dentro do contexto social. Por não aceitarmos as definições de nós que nos eram forçadas por pais e avós, nos vimos buscando um significado fora de nós mesmos – principalmente no consumo, na arte e nas relações. A partir do momento em que sente-se falhas e escolhe-se odiar todos os filmes do Shyamalan, por exemplo, aquilo não mais é só um gosto ou preferência; odiar o diretor passa a ser um traço da própria identidade da pessoa.

Por causa desses fatores, nos sentimos obrigados a argumentar a favor do que gostamos com unhas e dentes, pois toda vez que alguém critica algo do nosso gosto sentimos que a crítica é voltada diretamente contra nós. A partir daí, a triste consequência de defender e, em alguns casos, brigar por causa de cinema torna-se natural; não estamos protegendo algo que nos divertiu ou emocionou. Estamos protegendo a visão da nossa própria identidade, a qual foi construída com base na cultura pop.

Neste filme do Shyamalan, nosso amigo Marky Mark está conversando com uma planta de plástico.

É importante nos relembrarmos, de tempos em tempos, de que não precisamos justificar nossos gostos e escolhas de entretenimento: ser fã do Adam Sandler ou só assistir filmes de Tarkovski e Bekmambetov não nos torna pessoas melhores ou piores, apenas demonstra como gostamos de passar o nosso tempo. Consequentemente, caso alguém diga que o Sandler é um estorvo para o cinema e que Tarkovski não fez um filme interessante na vida, isso não deve nos ofender. Embora possamos ser afetados e permanentemente modificados por um filme, no caso do cinema, nós não somos o que consumimos.

Erik Avilez
@erikville

Compartilhe

Saiba mais sobre


Conteúdos Relacionados


  • C de Cilêncio

    O diretor alemão de cinema e teatro Max Reinhardt (que morreu em 43) achava que o publico já decidia se ia gostar ou não da obra antes mesmo de o público se
    sentar ou a cortina se abrir. Controlando a música e a iluminação da platéia, no momento em que os
    espectadores entram, e dirigindo conscientemente detalhes como a atitude
    e os figurinos dos porteiros, já se pode criar uma atmosfera
    específica. O público pode ser posto na situação mental ideal para a
    experiência que vai compartir, pode ser preparado para comédia, romance,
    horror, drama ou qualquer efeito que se queira criar.

    Corta pra 2017 e não é exatamente isso o que ainda acontece? O público decide se vai gostar ou não de algo muito antes de assistir (com base em polemicas, memes, nomes envolvidos e teasers) e ninguém quer dar o braço a torcer por “mudar de ideia” porque isso é abrir mão da própria identidade. Em última instancia, a 500 mil anos atrás nossos ancestrais macaquinhos atiravam coco nos macacos do galho vizinho porque eles queriam roubar nossos recursos… nada disso mudou muito realmente.